Início » Celular » LG coloca chefe de TVs para comandar divisão de celulares

LG coloca chefe de TVs para comandar divisão de celulares

LG dá lucro no mercado de TVs e ares-condicionados, mas só perde dinheiro com smartphones

Paulo Higa Por

Não é novidade que a LG só vem perdendo dinheiro no mercado de celulares:

LG G7 ThinQ

Como estancar a sangria? Uma das possibilidades é mexer em time que está perdendo: a empresa anunciou nesta quarta-feira (28) que Brian Kwon será o novo chefe da divisão de dispositivos móveis a partir de 1º de dezembro. Kwon atualmente é presidente do negócio de entretenimento doméstico da LG, uma das áreas mais lucrativas da companhia, que engloba TVs e produtos de áudio.

No comunicado, a LG informa que Kwon “desempenhou um papel fundamental na transformação dos negócios de TV, áudio e PCs em líderes de categoria”. Enquanto isso, o atual presidente de dispositivos móveis, Hwang Jeong-hwan, que assumiu há um ano, vai focar em uma divisão chamada Convergence Business Development, que desenvolve tecnologias com inteligência artificial e internet das coisas.

O relatório financeiro mais recente da LG mostra que a empresa teve lucro de US$ 668 milhões no terceiro trimestre de 2018, uma alta de 45% em relação ao mesmo período do ano anterior — mas não por causa dos smartphones. Nesses três meses, a divisão de TVs fechou em US$ 289,9 milhões no azul e os ares-condicionados renderam lucro de US$ 365,3 milhões, enquanto os celulares deram prejuízo de US$ 130,5 milhões.

No Brasil, sabemos que a LG é a terceira maior fabricante de smartphones: ela perdeu a vice-liderança para a Motorola em 2014 e não se recuperou mais desde então. E, no mundo, uma pesquisa da Counterpoint Research mostra que a fabricante sul-coreana deixou o top 7 de marcas de smartphones no terceiro trimestre de 2018.

O lançamento mais recente da LG é o V40 ThinQ, um topo de linha com cinco câmeras e Snapdragon 845. Para o ano que vem, a companhia planeja aparelhos com 5G e um smartphone com tela dobrável. Será que agora vai?

Comentários

Envie uma pergunta

Os mais notáveis

Comentários com a maior pontuação

colinhotham

felipemorretz easy

yurieu

Para mim nada podia ser melhor que o LG G1 Optimus E977. Design em barra full glass. Depois comprei o G2, também inquebrável, porém com o bug do Wifi. Para o meu trabalho, somente o Iphone plus pode me atender.

yurieu

Se você ir a um Show internacional em qualquer país de primeiro mundo, verá um oceano de Iphones filmando e fotografando. A LG tem que disputar com a Samsung uma margem pequena no mercado que realmente importa, o de celulares premium. Agora concorrer com o galaxy S, isso é outra luta.

Comentário Mil Grau℗

Tmb sempre falei "Ar-condicionados", da mesma maneira que falo "Placas-mãe". Agora percebi que, verificando a ortografia no Firefox, está "Ares-condicionados".

Fábio

Não oficialmente, mas basta entrar nos fóruns de tecnologia que vc vai ver a gigantesca comunidade de pessoas que só compram aparelhos importados.
Nem precisa ir muito longe. Só entrar nos comentários de algum review aqui do tecnoblog para ler:
" Com esse valor eu importo telefone x, y ou z"

Vegeta humilde

Sempre tenho dúvidas com palavras q tem hífen

Mickão

Entrada e disseminação da Xiaomi no mercado brasileiro?

Juninho

Não vejo uma outra alternativa ao não ser investir pesado em smartphones de desempenho médio, com preços competitivos e vê no que vai dar pq perderam muito mercado para as marcas chinesas

Comentário Mil Grau℗

Desde 2013 que a LG não consegue ter um planejamento decente na área mobile, ela lançava smartphones potentes, bons e por preços mais baixos que a concorrência, vide o G2 que eu paguei 2 mil reais na lançamento quando os smartphones já estavam beirando a casa dos 3 mil na versão 'básica'.

O que a LG precisa fazer é entender o mercado hj em dia, ver que essa coisa de cobrar mais caro não tem resolvido problemas nem pra Apple que vê seu estoque de iPhones parados. Analisar cada mercado tmb é importante para determinar como será o seu marketing, que é outra coisa que ela não consegue mais fazer perante Apple e Samsung.

Se ela começar a fazer smartphones como a Xiaomi faz com a linha Redmi e Redmi Note, ou seja, smartphones intermediários bons, bonitos e por preços agressivos pode começar a diminuir a sangria e ganhar mais mercado principalmente no Brasil, Índia e China. Top de linha faça que nem a Asus lançando o Zenfone 5Z por abaixo dos 3 mil e ser um baita smartphone. Até nos mercados europeus essa estratégia funciona, até pq europeu tem mania de não ficar trocando de coisa a cada ano (pelo menos é o que dizem). Não sou o guru da estratégia, mas acho que isso seria um dos principais pontos a se analisar...

paulo yan

Tomada que não tenham perdido um excelente executivo de TVs e ganhado um péssimo de smartphones.

Filipe Alberto

Exato, antigamente a LG lançava bons aparelhos por um preço relativamente acessível aqui no Brasil, dias de glória do grande LG G2.
Só que com o passar do tempo, a LG tentou acompanhar o mercado de smartphones galgando os passos da grandes (Samsung e Apple), sem o ser a mesma. E isso levou a sua derrocada fenomenal. Aparelhos caros, com tecnologias duvidosas (G5), capados(G6) e caros pelo que ofereciam (g7), tendo no mercado opções melhores.
Atualmente, com a entrada e disseminação da Xiaomi no mercado Brasileiro, acho difícil ela voltar a competir.

Carlin

Vamos ver qual sera a estrategia para o próximo ano, a LG precisa organizar a "casa", a divisão de smartphones precisa ser repensada e se adaptar ao maior numero possivel de mercados!

Felipe Morretz

prevejo celulares com manchas brancas e redondas na tela

Fábio

Culpam-se demais gestores e as divisões comerciais.
Mas, hoje, os erros do passado podem ter enterrado de vez qualquer tentativa de fazer a divisão mobile da LG recuperar mercado.
A lacuna deixada por eles já foi ocupada por Xiaomi ou Huawei, por exemplo.
Infelizmente, eles vão se convencer cada vez mais que desistir será a melhor saída.
Microsoft que o diga.

Ramon

LG depois do G6 que eu tive nunca mais, celular dar defeito com 4 meses de uso e a assistência fazendo descaso.

Exibir mais comentários