Início » Celular » Nokia retorna ao Brasil com Multilaser e celulares intermediários

Nokia retorna ao Brasil com Multilaser e celulares intermediários

Multilaser vai fabricar smartphones da Nokia no Brasil; HMD Global é mencionada no sistema de homologação da Anatel

Felipe Ventura Por

A HMD Global confirmou na quinta-feira (20) que a marca Nokia voltará ao Brasil em celulares. Este retorno será feito em parceria com a Multilaser: a empresa ficará responsável por produzir os smartphones no país, além de cuidar da distribuição e vendas. A fabricante deve focar inicialmente em modelos intermediários e de entrada; ela já é mencionada no sistema de homologação da Anatel.

Nokia HMD

Maurizio Angelone, vice-presidente da HMD Global para as Américas, explica ao Valor que a operação brasileira terá alguns funcionários próprios e contará com o apoio da parceira Multilaser, que cuidará da fabricação dos celulares no país e dará suporte em áreas como distribuição e vendas.

Como nota Cesar Cardoso, do Pinguins Móveis, "a Multilaser tem uma enorme capilaridade de distribuição no varejo brasileiro, e tem uma fábrica pronta para ser usada para montagem de smartphones".

Segundo o Valor, a HMD deve se concentrar em smartphones intermediários e de entrada quando estrear por aqui. Essa faixa de preço corresponde ao maior volume de vendas no país, de acordo com a IDC.

As vendas nacionais de smartphones são lideradas pela Samsung, Motorola e LG, e a HMD sabe que entrará em um mercado bastante concorrido. "Queríamos estar 100% prontos para fazer esse começo; o Brasil é uma grande oportunidade por conta da força que a marca Nokia sempre teve", afirma Angelone.

O executivo diz que o lançamento no Brasil estava planejado para o segundo trimestre, mas os planos podem ser reavaliados em meio à pandemia do novo coronavírus.

HMD aparece em sistema da Anatel

Nokia HMD

HMD tem escritórios em 50 países, incluindo no Brasil

A HMD vende produtos em 80 países e tem mais de 600 funcionários. No LinkedIn, é possível encontrar pelo menos um membro da empresa no Brasil: trata-se do diretor de vendas e marketing, que trabalhou na Nokia até 2014; ele foi para a Microsoft após a venda da divisão de celulares, e ficou lá até 2016.

O sistema de homologação da Anatel já menciona as empresas HMD Global e HMD Global Oy. A agência ainda não libera os documentos publicamente, então não há como saber quais celulares estão passando pela certificação.

HMD e Nokia na Anatel

Comentários da Comunidade

24 usuários participando

Os mais notáveis

Comentários com a maior pontuação

Rafael Santos
A pergunta que fica é se a Multilaser vai seguir todos os padrões de fabricação da Nokia
Caleb Enyawbruce
Essa “Nokia” aí é só uma marca. Nada além disso. Não tem absolutamente nada a ver com a Nokia que conhecemos.
­Monika
Isso. Desde que sigam os padrões da Nokia HMD…
Sem contar que seria mais uma fabricante com Android “puro”.
Islan Oliveira
Isso já se sabe faz tempo, a HMD Global está lançando celulares com a marca Nokia acho que desde 2016. Mas os aparelhos dela são (ou pelo menos costumavam) Interessantes.
Tori Niwikari
Existem duas empresas criadas por ex-funcionários da Nokia: Jolla e HMD.
HMD focada em tentar fazer telefones Nokia que possam remeter ao que a Nokia tinha: robustez, confiança e qualidade.
Enquanto Jolla é focada em sistema operacional pós-MeeGO, onde tentam aplicar um design futurístico e alternativa aos sistemas dominantes do segmento mobile.
HMD tem todas as patentes que Microsoft tem com a Nokia através de um acordo de 10 anos.
Contando que a HMD tem alguns funcionários da antiga divisão Nokia/Microsoft Mobile Oy, é essencialmente a divisão mobile da Nokia, só que separada da empresa principal.
O problema é que a HMD está perdida (demais) no segmento e tentando lançar uma cacetada de smartphones sem nenhum diferencial notável para o consumidor e com nomenclaturas confusas (5.1 6.1 7.1 8.1 9PV e etc)
Se a HMD por um acaso tomar a decisão encerrar seus planos, Nokia não irá tomar tanto dano financeiramente quanto aconteceu anteriormente com a Nokia + Microsoft, eles só pegam os Royalties pelo uso do nome e marca mundialmente.
Angelo Machado
Não vai acontecer. Sinto muito.
@imhotep
Deixem a Nokia (enquanto fabricante de celulares) descansar em paz.
Copi
Independente de ser montagem da Multilaser, se trouxerem pra cá aquele Nokia 3310 com 4G e todos os apps de mensagem eu com certeza vou comprar com celular secundário.
Fábio Laurindo
Pra quem falava mal da DM e da Multilaser agora quem quiser coisas oficiais terá que aceitar né Xiaomi e Nokia (chinesa HMD), estas fabricantes e importadoras kkk.
Por isto amo mercado cinza, além de mais barato.
@ksio89
A Multilixo só não tem reputação pior que a da Negativo Positivo.
Eric Viana
Olha… quando li Multilaser torci o nariz…
Mas temos que acreditar que a fabricação seguirá padrões estabelecidos pela HMD e não pela própria Multilaser. Se for assim os “New Nokia” tem alguma chance por aqui principalmente junto às pessoas com mais idade que compravam Nokias no antigos tempos da carta de celular e do início do chip pré-pago. Para a atual juventude eles não tem apelo nenhum.
Diego Nascimento
Ótima notícia!
@teh
Ai que esta a questão… Se ela vai fazbricar padrao ML ou padrao HMD.
@GuilhermeE
Vale lembrar que era a Gradiente que fabricava os melhores celulares da Nokia. Então se o projeto for bom e tiver controle de qualidade decente, não tem motivo pra não dar certo.
CAV



JustMonika:

Isso. Desde que sigam os padrões da Nokia HMD…
Sem contar que seria mais uma fabricante com Android “puro”.


Curiosamente a própria Multilaser trabalha com o “Android puro”, além de que também trabalha com o KaiOS.
Não estou vendo muita vantagem nessa parceria para a Multilaser, já que os segmentos abrangidos pela HMD são os mesmos da fabricante brasileira.
A parceria da DL com a Xiaomi faz mais sentido, uma vez que o foco da DL são feature phones e tablets (hoje menos), enquanto a Xiaomi fica com os smartphones e wearables.



Copi:

Independente de ser montagem da Multilaser, se trouxerem pra cá aquele Nokia 3310 com 4G e todos os apps de mensagem eu com certeza vou comprar com celular secundário.


Uma pena que a HMD não se estabeleceu aqui no Brasil ainda em 2017, mesmo que fosse só pra trazer feature phones inicialmente.
É um segmento que a marca ainda pode conseguir bons resultados, já que só tem a Lenoxx como multinacional concorrendo, uma vez que Motorola, Samsung e LG abandonaram esse nicho há anos.
Mas se trouxer os novos 3310, 8110, 2720 e 5310 pra cá, certamente será uma boa opção.



GuilhermeE:

Vale lembrar que era a Gradiente que fabricava os melhores celulares da Nokia. Então se o projeto for bom e tiver controle de qualidade decente, não tem motivo pra não dar certo.


Uma pena que essa parceria entre Nokia e Gradiente não se repetiu agora.
Patrick Soares
Pergunta de 1 milhão de reais… Mas não duvido que a Multilaser produza mal e porcamente esses celulares da Nokia, que pelo que ouvi falar, metade são muito bons e outros são uma porcaria. Vejamos as cenas do próximo capítulo…
Patrick Soares
Eu usei Negativo, ops Positivo, é uma porcaria, agora Multilixo, não sei como será, mas veremos essas cenas dos próximos capítulos…
@ksio89
Se você soubesse o que a Multilixo foi capar de fazer, ficaria enojado rs.
Sérgio Lima
Excelente.
Patrick Soares
Não duvido do potencial da Multilixo, enfim, deixa pra lá
­Monika



cav:

Não estou vendo muita vantagem nessa parceria para a Multilaser, já que os segmentos abrangidos pela HMD são os mesmos da fabricante brasileira.


Talvez queiram lucrar com uma marca mais conhecida e que tem algum “status” entre os consumidores.
John Smith
Espero que não chegue aqui com os preços da Xiaomi ou pior, com qualidade ruim.
Leio Multilaser e automaticamente torço o nariz (não gosto da Marca, não compro, “recomendo contra”), mas espero estar errado. Que seja um primeiro passo para, quem sabe, a Nokia voltar no futuro com uma produção própria. Se num primeiro momento os aparelhos tiverem qualidade, garantia e as mesmas atualizações que lá fora, eu considero comprar.



Tori:

Contando que a HMD tem alguns funcionários da antiga divisão Nokia/Microsoft Mobile Oy, é essencialmente a divisão mobile da Nokia


Engraçado como isso que você falou já é de conhecimento público há anos, mas sempre aparece um numa notícia sobre a Nokia pra falar “mimimi essa não é a Nokia, é só nome, mimimi”. Não sei o que custa fazer uma pesquisa pra realmente entender o que é a HMD Global…



Tori:

com nomenclaturas confusas (5.1 6.1 7.1 8.1 9PV e etc)


Discordo um pouco de você aqui. O número inicial representa o segmento do aparelho (low > high end) e o segundo número é a “geração” dele. Algo como a Motorola faz chamando suas linhas de E, G, Z e colocando 1, 2, 3 na frente…).
Ou seja, maior o número, melhor. Acho que não podia ser mais simples.
John Smith
É questão de costume. Se a empresa manter a nomenclatura conseguirá ter uma boa linha de smartphones, que poderão ter até 10 “gerações” antes de mexer algo.
Se me perguntarem, horrivelmente confusa é a nomenclatura da Samsung, que lança 16 aparelhos novos por dia. Uma letra + 2 números e diversos modelos com diferenças não tão óbvias.
Marcelo
Eu vou comprar pois dois motivos:
1- penso que é legal dar um incentivo às empresas nacionais.
2 - Nokia foi uma das marcas que mais tive aparelhos
Já estava planejando a troca do meu aparelho, agora vou aguardar o que vai ser vendido aqui no Brasil.
Arthur Silva Vicentini
E, naquela época, a NGI (joint-venture entre Nokia e Gradiente) vendia celulares Nokia tanto com a marca Nokia quanto com a marca Gradiente (inclusive, minha família já teve vários celulares Nokia - alguns deles, com a marca Gradiente).
Participe da discussão