Início » Legislação » Juízes não podem exigir bloqueio do WhatsApp, diz ministro do STF

Juízes não podem exigir bloqueio do WhatsApp, diz ministro do STF

Para Edson Fachin, ministro do STF, serviços como WhatsApp não são obrigados a fornecer mensagens criptografadas

Emerson Alecrim Por

Para Edson Fachin, ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), o WhatsApp não pode ser bloqueado no Brasil por recusar ordens judiciais de quebra de sigilo de mensagens. No entendimento do ministro, esse tipo de procedimento colocaria em risco a integridade de todo o serviço.

WhatsApp

Na última quarta-feira (27), a também ministra Rosa Weber se posicionou contrária ao uso do Marco Civil da Internet como base para a suspensão de atividades de plataformas de mensagens.

O assunto tem relação com as ordens de suspensão do WhatsApp expedidas por juízes brasileiros desde 2015 diante do não acesso a mensagens que poderiam contribuir para investigações criminais. Por conta disso, o serviço chegou a ser parcial ou totalmente bloqueado no Brasil por pelo menos três vezes.

Desde 2016, duas ações que tramitam no STF questionam a validade do bloqueio de serviço de mensagens. Uma delas é a ADPF 403 (Arguição De Descumprimento De Preceito Fundamental), da qual Fachin é relator. A outra é a ADI 5527 (Ação Direta de Inconstitucionalidade), que tem Weber como relatora.

Os processos deveriam ter sido julgados na semana passada, mas foram adiados para a atual. Pois bem, na quarta-feira (27), a ministra Rosa Weber, única a votar até então, declarou que o Marco Civil da Internet não deve ser usado pelo judiciário para suspender serviços como o WhatsApp.

Para a ministra, esse tipo de decisão tornaria a criptografia ilegal e, consequentemente, poderia ser prejudicial ao usuário, pois as tecnologias que permitem que autoridades acessem informações privadas são as mesmas exploradas por criminosos — em sua defesa, o Facebook, dono do WhatsApp, sempre alegou que não poderia fornecer mensagens solicitadas por juízes porque as conversas na plataforma são criptografadas e não ficam armazenadas em seus servidores.

Ministro Edson Fachin (foto: Carlos Moura / Agência Brasil)

Ministro Edson Fachin (foto: Carlos Moura / Agência Brasil)

Já na última quinta-feira (28), o ministro Edson Fachin seguiu o posicionamento de Weber. Para o ministro, ordens judiciais não podem determinar que empresas modifiquem seus sistemas de criptografia justamente por essa medida representar risco a todos os usuários.

Ainda no entendimento de Fachin, juízes não devem decidir pela suspensão do funcionamento de serviços de mensagens usando como base o Marco Civil da Internet, pois este não determina que essas plataformas forneçam conteúdo criptografado, nem mesmo em investigações criminais.

Na visão do ministro, somente se o serviço violasse algum direito dos usuários é que a suspensão teria cabimento.

Julgamento suspenso

Rosa Weber e Edson Fachin já deram seus votos, mas e os demais ministros do STF? Também na quinta-feira (28), o ministro Alexandre de Moraes pediu vistas (uma espécie de pausa para o assunto ser mais bem estudado) dos dois processos em questão. Por conta disso, o julgamento foi suspenso.

Não há data prevista para a retomada, por isso, o tratamento do assunto pelo Supremo Tribunal Federal não tem prazo para ser concluído.

Com informações: Agência Brasil, STF, UOL.

Comentários da Comunidade

Participe da discussão
2 usuários participando

Os mais notáveis

Comentários com a maior pontuação

@teh

Justo. A justiça nao iria impedir a VIVO (por ex.) de funcionar para todo mundo por conta de uma ação unica na justiça.