Início » Inteligência Artificial » Escola de idiomas contrata startup para criar professores virtuais

Escola de idiomas contrata startup para criar professores virtuais

De acordo com a Berlitz, o processo de implementação de instrutores virtuais para cursos online é mais vantajoso a longo prazo

Ana Marques Por

A escola de idiomas Berlitz fechou uma parceria com a startup Hour One para expandir a sua oferta de programas de treinamento online. Entretanto, em vez de contratar um verdadeiro exército de professores humanos para ministrar cada aula, a empresa está apostando em instrutores virtuais nesta nova empreitada.

Instrutores virtuais da Berlitz (Imagem: Divulgação)
Instrutores virtuais da Berlitz (Imagem: Divulgação)

Segundo a escola, é importante para os alunos ter uma experiência “concentrada no ser humano” para obter os melhores resultados em relação à fluência de um novo idioma. Portanto, apenas oferecer cursos online por meio de apresentações de texto, sem um instrutor, não seria o suficiente.

Inicialmente, a Berlitz produziu cursos com instrutores reais, filmados em um estúdio, mas o processo se mostrou altamente custoso e demorado. O uso de professores virtuais, segundo a companhia, é uma forma de “tornar o tempo do instrutor mais valioso”, além de manter uma identidade homogênea em todos os vídeos.

“Nossas experiências digitais tiveram que replicar a experiência da sala de aula. Fazer isso com sucesso significa que a Berlitz pode estender nosso alcance a novos mercados e ser mais acessível aos alunos, removendo barreiras de localização e acessibilidade”, afirmou Curt Uehlein, CEO da empresa.

Instrutores criados pela Hour One são altamente realistas

A escolha da Hour One foi devido à capacidade da startup em recriar a experiência do instrutor da forma mais realista possível. Os personagens produzidos pela companhia conseguem reproduzir expressões faciais e gestos de forma natural, além de terem uma fala perfeitamente sincronizada — o que é imprescindível para o ramo da Berlitz.

Com o uso de inteligência artificial, a escola de idiomas afirma produzir conteúdo em vídeo “de uma forma infinitamente escalável, consistente e econômica”. A empresa explicou, em nota, que até mesmo os processos de correção de vídeo, quando necessários, se tornam mais leves.

Em meio a tudo isso, não podemos deixar de questionar, é claro, qual é o futuro do ensino. Por um lado, diversas pessoas estão perdendo seus cargos e fontes de renda. Com custos mais baixos, a tendência é que mais empresas apostem em soluções como as oferecidas pela Hour One? Será que esses softwares serão o suficiente para uma experiência cativante a longo prazo? A situação acende um alerta e deixa muitas dúvidas — especialmente agora que tantas instituições puderam experimentar as aulas à distância durante a pandemia.

Você tem uma opinião formada sobre o assunto? Compartilha com a gente na Comunidade do Tecnoblog!

Com informações: TechCrunch

Comentários da Comunidade

Participe da discussão
2 usuários participando