Mais de 210 milhões de linhas telefônicas móveis estão em operação no Brasil. De acordo com dados da Anatel (Agência Nacional de Telecomunicações) para o primeiro semestre de 2011, há no total 217,34 milhões de acessos móveis. Mais um recorde dos brasileiros, que desde sempre são viciados nessa coisa de celular – ainda mais porque existem as opções de linhas pré-pagas, como você bem sabe.

A Anatel diz que são 210,69 milhões de linhas específicas para celulares (somando CDMA, TDMA, GSM, e WCDMA). Os outros 6,65 milhões de acessos dizem respeito a terminais de acesso, o que normalmente caracteriza os minimodens 3G utilizados acoplados a notebooks e netbooks principalmente.

Pelos dados da agência, a teledensidade brasileira está atualmente em 111,62. Isso quer dizer que existem 111 acessos móveis para 100 habitantes. No entanto, a média não reflete grandes diferenças que podem ser verificadas ao analisar a teledensidade de estados ou mesmo de regiões. Na região Nordeste a teledensidade calculada é de 95,91, bem inferior à de Pernambuco, estado que faz parte do Nordeste e registrou índice de 112,36.

A Vivo é a empresa de telefonia celular com maior participação de mercado, respondendo por 29,47%. Em seguida aparecem Claro e TIM na segunda posição, empatadas com 25,55%. A Oi concentra 19,1% do mercado de telefonia. Somadas, CTBC e Sercomtel não chegam a 1% do total de acessos móveis.

Ah, para quem duvida do sucesso do pré-pago: essa modalidade de acesso móvel é a preferência de 81,85% das linhas em operação no Brasil.

Receba mais notícias do Tecnoblog na sua caixa de entrada

* ao se inscrever você aceita a nossa política de privacidade
Newsletter
Thássius Veloso

Thássius Veloso

Editor

Thássius Veloso é jornalista especializado em tecnologia e editor do Tecnoblog. Desde 2008, participa das principais feiras de eletrônicos, TI e inovação. Também atua como comentarista da GloboNews, palestrante, mediador e apresentador de eventos. Tem passagem pela CBN e pelo TechTudo. Já apareceu no Jornal Nacional, da TV Globo, e publicou artigos na Galileu e no jornal O Globo. Ganhou o Prêmio Especialistas em duas ocasiões e foi indicado diversas vezes ao Prêmio Comunique-se.

Relacionados