Eric Schmidt deixa comando da Alphabet, dona do Google

Ele está no Google desde 2001

Paulo Higa
Por
• Atualizado há 2 anos

Lembra de quando o Eric Schmidt resolveu aparecer em público com um Moto X antes do anúncio oficial?

Mais uma movimentação no mercado de tecnologia aconteceu na noite desta quinta-feira (21): a Alphabet, conglomerado de US$ 740 bilhões que controla o Google, a Waymo e outras empresas, anunciou que o presidente do conselho de administração Eric Schmidt vai deixar o cargo em janeiro.

Schmidt foi contratado como CEO do Google em 2001. Ele deixou o comando do buscador dez anos depois, mas permaneceu como conselheiro dos fundadores Larry Page e Sergey Brin. Desde que o Google se reestruturou como Alphabet, em 2015, Schmidt ocupava o cargo de chairman executivo, o responsável por comandar o conselho de administração.

Apesar de deixar a presidência do conselho, Schmidt continuará atuando como consultor técnico em questões de ciência e tecnologia. Segundo ele, a estrutura da dona do Google está funcionando bem, e os altos executivos acreditam que “este é o momento certo na Alphabet para fazer essa transição”.

“Nos últimos anos, tenho dedicado boa parte do meu tempo em questões científicas e tecnológicas, além da filantropia, e planejo expandir esse trabalho”, diz Schmidt. Ele criou em 2006 a Schmidt Family Foundation, que se dedica a pesquisar formas sustentáveis de as empresas se relacionarem com os recursos do planeta, como água, energia e comida.

Com informações: Reuters, CNBC.

Receba mais notícias do Tecnoblog na sua caixa de entrada

* ao se inscrever você aceita a nossa política de privacidade
Newsletter
Paulo Higa

Paulo Higa

Editor-executivo

Paulo Higa é jornalista com MBA em Gestão pela FGV e uma década de experiência na cobertura de tecnologia. Trabalha no Tecnoblog desde 2012, viajou para mais de 10 países para acompanhar eventos da indústria e já publicou 400 reviews de celulares, TVs e computadores. É coapresentador do Tecnocast e usa a desculpa de ser maratonista para testar wearables que ainda nem chegaram ao Brasil.

Relacionados