Google está entregando Chromebooks para funcionários para diminuir gastos

Gigante de buscas quer reduzir gastos com equipamentos diversos; funcionários estão compartilhando mesas desde fevereiro

Ricardo Syozi
Por
Acer Chromebook C733 (Imagem: Darlan Helder/Tecnoblog)

O Google continua sua empreitada para reduzir gastos. Dessa forma, a próxima parte é atrelada aos equipamentos usados pelos funcionários da empresa americana. Segundo um relato recente, a marca vai começar a entregar Chromebooks para os colaboradores que não são engenheiros, mas que precisam de computadores para trabalharem. Essa será uma grande mudança, pois previamente, os profissionais recebiam MacBooks.

De acordo com a reportagem da CNBC, a gigante de buscas está pausando as renovações nos laptops, desktops e monitores dos escritórios. Ela também está “mudando a frequência que os equipamentos são substituídos”.

As informações vieram de documentos internos vistos pelo site, que indicam mais mudanças. Uma das afirmações diz que os empregados precisam de aprovação de diretores ou de cargos acima para adquirir um equipamento com valor acima de US$ 1 mil e que não esteja disponível internamente.

Além disso, há relatos de colaboradores sobre cortes mais extremos nos escritórios. Por exemplo: grampeadores e fita adesiva não estão mais sendo distribuídos com facilidade entre os funcionários.

A substituição de MacBooks por Chromebooks como computador padrão para as equipes é mais uma prova da redução geral de gastos do Google. Por fim, a marca disse no documento que o CloudTop, workstation virtual interno da companhia, será o desktop principal para os Googlers a partir de agora.

Logotipo do Google
Escritório do Google em São Paulo (Imagem: Felipe Ventura / Tecnoblog)

Funcionários precisam dividir mesas

Não é de hoje que a companhia tenta se adequar a nova realidade econômica mundial. Em janeiro, o Google demitiu 12 mil profissionais através de sua dona, a Alphabet. Os cortes passaram por todas as áreas da gigante de buscas e em diferentes cargos. Cerca de 6% da força de trabalho foi desligada.

Perto de um mês depois, a própria CNBC divulgou que a empresa estaria empenhada em desocupar alguns de seus edifícios. Sendo assim, as lideranças enviaram um memorando para as equipes do Google Cloud para pedir aos colaboradores que passassem a compartilhar mesas com seus colegas.

Como o trabalho estaria sendo realizado presencialmente em dias alternados, seria possível que uma pessoa usasse uma mesa em um dia e outro indivíduo usasse no dia seguinte.

Isso teria afetado os cinco maiores escritórios do setor de nuvem da marca nos Estados Unidos, localizados nas cidades de Kirkland, em Washington; Nova York; São Francisco; Seattle e Sunnyvale, na Califórnia.

Com informações: CNBC.

Receba mais sobre Google na sua caixa de entrada

* ao se inscrever você aceita a nossa política de privacidade
Newsletter
Ricardo Syozi

Ricardo Syozi

Repórter

Ricardo Syozi é jornalista apaixonado por tecnologia e especializado em games atuais e retrôs. Já escreveu para veículos como Nintendo World, WarpZone, MSN Jogos, Editora Europa e VGDB. Possui ampla experiência na cobertura de eventos, entrevistas, análises e produção de conteúdos no geral. Entrou para o Tecnoblog em 2021.

Relacionados