6G no Brasil: Anatel abre consulta pública para sucessor do 5G

Prazo se encerra em 7 de agosto. China, Japão, Coreia do Sul, Estados Unidos e Austrália também estão em testes para o 6G.

Thássius Veloso
Por
• Atualizado há 3 semanas
Ilustração com diversas mãos segurando celulares, nos quais se lê "6G"
Anatel irá desenhar requisitos técnicos em fase inicial do trabalho com 6G (Ilustração: Vitor Pádua/Tecnoblog)
Resumo
  • A Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) inicia hoje consulta pública para a implementação do 6G no Brasil. O prazo se encerra em 7 de agosto.
  • Sociedade, empresas, institutos de pesquisa e consultores podem enviar manifestações.
  • A faixa entre 5.925 MHz e 7.125 MHz deverá ser destinada à nova tecnologia.
  • Países como China, Japão, Coreia do Sul, Estados Unidos e Austrália também estão em testes para o 6G.

A Agência Nacional de Telecomunicações abre hoje consulta pública para tomada de subsídios para a estruturação da rede móvel sucessora do 5G. Em outras palavras, a agência reguladora inicia os trabalhos para implementação do 6G no Brasil.

Nós do Tecnoblog conseguimos visualizar o documento em primeira mão. Dentre os detalhes mais interessantes, chama atenção a destinação da faixa entre 5.925 MHz a 7.125 MHz para a futura tecnologia de telecomunicações.

Pessoas da sociedade em geral e principalmente representantes de empresas do setor, institutos de pesquisa e consultores independentes poderão enviar manifestações sobre o tema. Nesta fase inicial, a Anatel irá desenhar os requisitos técnicos para a conformidade dos equipamentos de radiocomunicação de radiação restrita.

O processo iniciado pela Gerência de Certificação e Numeração não chega a mencionar o termo “6G”, mas fala em redes superiores ao 5G num prazo de até três anos. Ele se inicia hoje e tem prazo de 70 dias para ser concluído (portanto, em 7 de agosto).

Homem fala ao microfone
Vinícius Caram chefia a Superintendência de Outorga, Espectro, Órbita e Radiodifusão da Anatel (Foto: Thássius Veloso/Tecnoblog)

Este é o primeiro de muitos passos em torno do projeto de 6G no país. Países como China, Japão, Coreia do Sul, Estados Unidos e Austrália, além da União Europeia, também atuam em testes para a futura tecnologia. A Casa Branca e aliados defendem a conectividade “aberta, livre, global, interoperável, confiável, resiliente e segura”.

Organizações setoriais como a União Internacional de Telecomunicações (ITU) e o 3GPP participam do desenvolvimento de padrões técnicos para o 6G.

Enquanto isso, a Anatel avança na liberação da lista de cidades aptas a receber o sinal 5G: são 530 até agora. A TIM lidera as entregas relacionadas à conexão (186), bem à frente de Claro e Vivo (ambas com 62). Um estudo recente mostrou que a rede é veloz, com média de 360 Mb/s, mas só está disponível em 10% do tempo.

Relacionados