Google libera IA generativa na busca do Brasil; veja como usar

Nova ferramenta funciona no Chrome para desktop e no aplicativo oficial do Google para celular. Empresa diz que está reinventando o mecanismo de pesquisas.

Thássius Veloso
Por
Ilustração com uma lupa sobre uma caixa de busca. Atrás estão alguns robôs.
Inteligência artificial generativa chega à busca do Google (Imagem: Vitor Pádua/Tecnoblog)

A busca do Google no Brasil ganha o reforço da inteligência artificial generativa a partir de hoje. Os usuários poderão ativar uma nova ferramenta que tem ares de ChatGPT. Será possível conversar com o chatbot para receber respostas mais bem formuladas para as principais questões do dia a dia.

A chamada Experiência de Pesquisa Generativa (SGE, na sigla em inglês) estava disponível nos Estados Unidos. Agora ela chega por aqui, e o Google se adiantou em avisar que alguns tópicos considerados sensíveis podem não ser contemplados pela tecnologia. É caso da política e da medicina. “O SGE é acionado quando temos alta confiança de que proporcionará às pessoas uma boa experiência para o tópico que estão explorando”, afirma o Google em nota.

Print da busca
Busca com IA generativa diz que a urna eletrônica é segura (Imagem: Reprodução/Tecnoblog)

“Estamos reinventando o que um mecanismo de busca pode fazer”, declarou o Google em nota distribuída à imprensa. Na prática, a promessa é de que todos os avanços vistos nos últimos 12 meses no campo da IA sejam incorporados à maneira como as pessoas pesquisam por informações na internet.

O Google ainda diz que será possível se aprofundar sobre um tópico e descobrir novos pontos de vista. Num dos exemplos, a pesquisa por “Como ingressar em um time de futebol feminino?” informa quais as etapas iniciais deste desporto e o material esportivo necessário para a prática.

GIF da Tela do SGE no celular
Tela do SGE no celular (Imagem: Divulgação/Google)

Como funciona o SGE

A página de pesquisa com IA generativa apresenta a frase “Gerando…” por alguns instantes, até que surge na tela uma resposta elaborada sobre o assunto.

O usuário encontra um aviso de que “A IA generativa é experimental” e que de “ a qualidade das informações pode variar”. Ele ainda tem a opção de ouvir o material (em vez de lê-lo).

Print da busca para "como tratar fimose?"
Pesquisa com IA avisa que a qualidade das informações pode variar (Imagem: Reprodução/Tecnoblog)

As respostas geradas pelo Google aparentam ter entre quatro e seis parágrafos. Elas podem contar listas (os chamados bullet points) e formatação (como negrito).

Abaixo do conteúdo ficam alguns cartões com sites que tratam daquele assunto, no formato de carrossel. Os cards contêm uma imagem ilustrativa e um título (similar ao que estávamos acostumados a ver no antigo Twitter).

Também existem botões de controle para aprovar/rejeitar aquele conteúdo e fazer novas perguntas.

Como usar a IA do Google na busca

O Google explicou que o SGE está em fase de testes. Ele funciona por ora no Chrome para desktop e no aplicativo oficial do Google para Android e iPhone (iOS).

Para usar a IA do Google preciso entrar na página do Search Labs, uma espécie de hub com funções beta. Ao ativar o SGE, a tecnologia passa a aparecer em todos os dispositivos logados naquela conta Google.

Print da busca sobre como ser afiliado da Shopee
Google SGE responde uma das dúvidas mais comuns de 2022 (Imagem: Reprodução/Tecnoblog)

Sem remuneração aos produtores de conteúdo

O Google não deu detalhes sobre eventuais mudanças no modelo de negócios do setor. Hoje em dia, os sites da internet publicam conteúdo e disputam espaço nos resultados de busca, na esperança de que os usuários acessem suas páginas e sejam seduzidos pela publicidade.

O SGE muda essa lógica pois as respostas são formuladas pela IA generativa com base no conteúdo online. O apelo para clicar e chegar a outra página é menor. A experiência até apresenta alguns links para fontes associadas àquele conteúdo, mas no meio existe o receio de queda de audiência.

Os publishers temem que o Google concentre toda essa audiência. Quando perguntado sobre isso, o vice-presidente de engenharia para busca Bruno Pôssas reforçou a tese de que se trata de um experimento e que a formatação da IA generativa na busca pode mudar conforme avançarem os testes.

Além disso, a empresa sempre repete o discurso de que não é possível prosperar na web sem um ecossistema forte.

Receba mais sobre Google na sua caixa de entrada

* ao se inscrever você aceita a nossa política de privacidade
Newsletter
Thássius Veloso

Thássius Veloso

Editor

Thássius Veloso é jornalista especializado em tecnologia e editor do Tecnoblog. Desde 2008, participa das principais feiras de eletrônicos, TI e inovação. Na mídia, também atua como comentarista da GloboNews e da CBN, além de ser palestrante, mediador e apresentador de eventos. Já apareceu no Jornal Nacional, da TV Globo, e publicou artigos na revista Galileu e no jornal O Globo. Ganhou o Prêmio Especialistas em duas ocasiões e foi indicado diversas vezes ao Prêmio Comunique-se.

Canal Exclusivo

Relacionados