Gerenciador de senhas do Chrome fica mais completo, com biometria e importação

Ferramenta para guardar logins no navegador agora tem atalho no desktop, anotações para cada credencial e verificação de segurança

Giovanni Santa Rosa
Por
• Atualizado há 11 meses
Google Chrome (imagem: Emerson Alecrim/Tecnoblog)
Google Chrome (imagem: Emerson Alecrim/Tecnoblog)

Usar um gerenciador de senhas é uma das melhores formas de proteger suas informações, e praticamente todo navegador conta com recursos do tipo. O gerenciador de senhas do Chrome, aliás, ganhou uma série de recursos em sua última atualização, como proteção por biometria, atalho, anotações e importação de informações.

A partir de agora, usuários do seu gerenciador de senhas do Chrome poderão se autenticar no computador com dados biométricos, como impressões digitais e reconhecimento facial. Isso inclui suporte ao Windows Hello.

Outra novidade é um campo para anotações junto a cada login. Isso pode ajudar a guardar informações adicionais — números de identificação, códigos, nomes de usuário, entre outros.

Agora também é possível importar logins e senhas que estavam salvos em outras ferramentas. Basta exportar os dados em um arquivo CSV e importá-lo no Chrome.

Neste primeiro momento, o recurso é compatível com os browsers Edge e Safari, além dos gerenciadores 1Password, Bitwarden, Dashlane e LastPass.

O gerenciador de senhas do Chrome também ganhou um atalho de desktop, para acesso mais rápidos às informações e às ferramentas para gerenciar os logins e senhas.

Por fim, o Chrome para iOS agora vai verificar se as senhas salvas são fracas ou foram reutilizadas, para que o usuário altere e garanta mais segurança.

Chrome quebra um galho, mas gerenciador dedicado é melhor

Apesar das novas ferramentas de segurança, é importante notar que gerenciadores de senhas de navegadores são mais suscetíveis a ataques de hackers.

Como lembra o Bleeping Computer, ferramentas integradas a browsers podem ser alvo de malwares, como já foi noticiado em 2021, com o programa RedLine.

Por isso, é bom usar o gerenciador de senhas do Chrome com cautela, se possível, sem salvar informações de contas mais sensíveis, como redes sociais, bancos e dados médicos.

O ideal é ter um gerenciador próprio para isso, como o 1Password e o Bitwarden, para citar alguns.

Caastrar a mesma senha em vários sites é uma prática nada recomendada. Se houver um vazamento em qualquer serviço, hackers podem pegar aquela senha e tentar usá-la em outras plataformas.

Com um gerenciador de senhas, você pode criar combinações diferentes para cada serviço, já que não é preciso mais memorizá-las.

Senhas podem estar com os dias contados

Quase toda a internet depende de senhas para acesso. Algumas empresas, porém, já estão adotando novas formas de autenticação, que não dependem mais das combinações de caracteres: são as passkeys.

As passkeys são uma espécie de credencial digital salva no dispositivo do usuário. Para funcionar, o site, que possui uma chave criptográfica pública, cria um desafio, que precisa da chave privada registrada no aparelho para funcionar.

Essa chave privada, porém, só funciona com aprovação do usuário, por meio de biometria ou Bluetooth, por exemplo.

As passkeys já são adotadas por Apple e Google. O gerenciador de senhas 1Password também passou a oferecer suporte ao recurso.

Com informações: Bleeping Computer, XDA-Developers

Receba mais sobre Google Chrome na sua caixa de entrada

* ao se inscrever você aceita a nossa política de privacidade
Newsletter
Giovanni Santa Rosa

Giovanni Santa Rosa

Repórter

Giovanni Santa Rosa é formado em jornalismo pela ECA-USP e cobre ciência e tecnologia desde 2012. Foi editor-assistente do Gizmodo Brasil e escreveu para o UOL Tilt e para o Jornal da USP. Cobriu o Snapdragon Tech Summit, em Maui (EUA), o Fórum Internacional de Software Livre, em Porto Alegre (RS), e a Campus Party, em São Paulo (SP). Atualmente, é autor no Tecnoblog.

Canal Exclusivo

Relacionados