O que é JPG? Tudo sobre o formato JPEG de compressão de imagens

Entenda o que é um arquivo JPEG, como ele se tornou simplesmente "JPG", e quais as principais vantagens e desvantagens desse formato de compressão de fotos

Emerson Alecrim Paulo Higa
Por e
Imagem JPEG ou JPG (imagem: Vitor Pádua/Tecnoblog)
Imagem JPEG ou JPG (imagem: Vitor Pádua/Tecnoblog)

JPEG é um formato de imagem usado para gerar fotos em câmeras digitais e celulares. O padrão também é popular na internet, sendo empregado em sites, aplicativos de mensagens e redes sociais. Suas extensões mais comuns são .JPG, .JPEG e .JPE.

Como é formado um arquivo JPEG?

O JPEG é um tipo de imagem rasterizada (ou raster), ou seja, é formado por blocos de pontos, com cada ponto representando um pixel.

A principal característica do formato é o suporte a compressão, que permite ao arquivo ter tamanho em bytes muito menor do que se não houvesse nenhum tipo de compactação.

Nas câmeras, o JPEG pode ser formado a partir de um arquivo RAW (com dados brutos) ou gerado pelo processador de imagem. O processo começa com a separação dos dados de cor dos de brilho. Isso é feito convertendo as informações de RGB (cores primárias) em YCbCr, que tem um valor para brilho (luminância).

A conversão para YCbCr permite que as informações de brilho sejam compactadas em um nível diferente em relação às cores, melhorando a taxa de compressão. O processo segue com outras técnicas, como a que remove informações espaciais desnecessárias da imagem.

Foto em JPG feita por um Galaxy Z Fold 4 (imagem: Emerson Alecrim/Tecnoblog)
Foto em JPG feita por um Galaxy Z Fold 4 (imagem: Emerson Alecrim/Tecnoblog)

Como funciona a compressão com perdas do JPEG?

Na compressão com perdas do JPEG, há uma redução significativa do tamanho do arquivo, o que facilita o compartilhamento da imagem ou a sua abertura em páginas web.

Por padrão, arquivos JPEG seguem o método de compressão sequencial, que compacta a imagem da esquerda para a direita e de cima para baixo. O problema desse método é que, em páginas web ou em dispositivos com hardware modesto, a imagem pode demorar um pouco para ser totalmente carregada.

A compressão progressiva aparece como uma alternativa por fazer o JPEG ser exibido de uma vez só, mas de modo embaçado ou pixelado até todos os dados do arquivo serem carregados para formar uma imagem nítida.

Compressão progressiva (imagem: Emerson Alecrim/Tecnoblog)
Compressão progressiva (imagem: Emerson Alecrim/Tecnoblog)

Independentemente do método, a compressão com perdas diminui a qualidade da imagem. Frequentemente, esse problema é pouco ou nada perceptível para o usuário. Para quando a qualidade é prioritária, o JPEG pode ser comprimido com um método lossless, que não gera perdas que prejudicam a imagem.

Em todos os casos, o resultado final é um arquivo com extensão .JPG ou JPEG. A imagem também pode ter extensão .JPE, mas esta é pouco usada.

Quais são os tipos de JPEG?

Além da versão apresentada em 1992, o JPEG recebeu novas especificações no decorrer dos anos seguintes. Algumas delas são:

  • JPEG LS: é uma variação do JPEG original introduzida em 1993 para permitir que fotos do tipo tenham compressão sem perda;
  • JPEG 2000: apresentada em 1999, é uma versão que otimiza a compactação, favorecendo a qualidade de imagem. Suporta compactação sem perdas e tem extensão .JP2;
  • JPEG XL: apresentada em 2021, é uma versão mais moderna do JPEG, capaz de aprimorar a compactação do arquivo, além de suportar codificação e decodificação mais rápidas. Tem extensão .JXL;
  • JFIF: sigla para JPEG File Interchange Format, é um padrão que armazena imagens JPEG de modo otimizado para facilitar o intercâmbio desse conteúdo entre diferentes dispositivos ou sistemas. Tem extensão .JFIF.

Como abrir um arquivo JPEG?

Imagens em JPEG podem ser abertas por praticamente todos os navegadores web graças à popularidade do formato. Além disso, os visualizadores de imagens nativos de sistemas como Windows, macOS, Android e iOS também suportam JPEG.

A edição de JPEG pode ser feita em numerosos editores de imagens, desde o simples Paint do Windows até o avançado Adobe Photoshop (macOS e Windows). Para iOS e Android, o Snapseed é muito usado para isso. No Linux, uma solução muito conhecida é o GIMP.

JPEG no Firefox para Windows (imagem: Emerson Alecrim/Tecnoblog)
JPEG no Firefox para Windows (imagem: Emerson Alecrim/Tecnoblog)

Quais são as vantagens do JPEG?

  • Alta compatibilidade: o JPEG é um dos formatos de imagem mais populares do mercado e é compatível com a maioria dos dispositivos e softwares modernos;
  • Arquivos reduzidos: o nível de compressão do formato permite que imagens sejam compartilhadas e abertas em páginas web rapidamente;
  • Boa qualidade de imagem: a compressão de fotografias JPEG gera pouca ou nenhuma perda de qualidade perceptível aos olhos humanos. Se a imagem ficar bastante prejudicada, o nível de compressão pode ser reduzido;
  • Pós-processamento rápido: o tratamento da imagem após ela ter sido gerada costuma ser feito com eficiência e rapidez. Isso porque fotos JPEG têm parâmetros como balanço de branco e saturação definidos no disparo;
  • Fácil conversão: um arquivo JPEG pode ser convertido facilmente para formatos como GIF, PNG e WebP (e vice-versa).

Quais são as desvantagens do JPEG?

  • Artefatos de compressão visíveis: o algoritmo de compressão do JPEG gera sujeiras em torno de bordas de alto contraste e forma blocos sólidos em gradientes de cores;
  • Dificuldade para corrigir: pode ser difícil remover imperfeições em imagens JPEG causadas por uma perda significativa de qualidade;
  • Menos controle sobre a edição: a compressão aplicada a uma imagem JPG diminui a amplitude de ajustes de parâmetros como balanço de branco;
  • Não permite transparência: imagens JPG não podem ser salvas com fundo transparente, ao contrário de formatos como PNG e HEIC.

Quem criou o JPEG?

O formato JPEG foi formulado depois que pesquisadores criaram, em 1986, o Joint Photographic Experts Group (JPEG). O grupo foi formado para desenvolver um padrão capaz de exibir imagens com qualidade fotográfica nas telas da época. Joan L. Mitchell, da IBM, foi uma das cientistas que mais contribuíram para o projeto.

A primeira especificação do JPEG foi publicada em setembro de 1992. Por ser gerenciado desde o início pela Organização Internacional de Padronização (ISO), a primeira versão foi reconhecida formalmente como ISO/IEC 10918-1.

Qual a diferença entre JPEG e JPG?

Arquivos com extensão .JPEG e .JPG são a mesma coisa. A extensão .JPG foi criada para permitir a abertura desse tipo de imagem no MS-DOS e em versões antigas do Windows, que só suportavam extensões com três caracteres.

Como comprimir um JPG para diminuir o tamanho da imagem?

Você pode usar um editor de imagem que permita ajustar o nível do compressão, a exemplo do gratuito IrfanView para Windows. Outra opção é recorrer a serviços online que fazem esse trabalho, como o gratuito TinyPNG, que suporta os formatos WebP, PNG e JPEG.

Ajuste de qualidade (compressão) de JPG no IrfanView (imagem: Emerson Alecrim/Tecnoblog)
Ajuste de qualidade (compressão) de JPG no IrfanView (imagem: Emerson Alecrim/Tecnoblog)

Como converter JPG em PDF?

Basta abrir a imagem em um navegador de internet como Chrome e Firefox. Depois, nas opções de impressão, configure o navegador para salvar a imagem como PDF. Uma alternativa é usar um serviço online, como o conversor gratuito de imagens para PDF da Adobe.

Como converter WebP para JPG?

Um jeito fácil de converter imagens WebP para JPEG é usando um conversor online. O Canva oferece esse recurso gratuitamente. Também é possível recorrer a softwares como Paint.Net e Picosmos.

Como converter HEIC para JPG?

Aplicativos como HEIC Converter para iOS e IrfanView para Windows convertem fotos HEIC em JPEG. Para conversões eventuais, há ferramentas online como o conversor gratuito de HEIC para JPG do Canva.

Esse conteúdo foi útil?
😄 Sim🙁 Não

Receba mais sobre JPEG na sua caixa de entrada

* ao se inscrever você aceita a nossa política de privacidade
Newsletter
Emerson Alecrim

Emerson Alecrim

Repórter

Emerson Alecrim cobre tecnologia desde 2001 e entrou para o Tecnoblog em 2013, se especializando na cobertura de temas como hardware, sistemas operacionais e negócios. Formado em ciência da computação, seguiu carreira em comunicação, sempre mantendo a tecnologia como base. Em 2022, foi reconhecido no Prêmio ESET de Segurança em Informação. Em 2023, foi reconhecido no Prêmio Especialistas, em eletroeletrônicos. Participa do Tecnocast, já passou pelo TechTudo e mantém o site Infowester.

Paulo Higa

Paulo Higa

Editor-executivo

Paulo Higa é jornalista com MBA em Gestão pela FGV e uma década de experiência na cobertura de tecnologia. Trabalha no Tecnoblog desde 2012, viajou para mais de 10 países para acompanhar eventos da indústria e já publicou 400 reviews de celulares, TVs e computadores. É coapresentador do Tecnocast e usa a desculpa de ser maratonista para testar wearables que ainda nem chegaram ao Brasil.

Relacionados