Início » Telecomunicações » Eurico Teles deixa presidência da Oi em janeiro de 2020

Eurico Teles deixa presidência da Oi em janeiro de 2020

Teles foi responsável por apresentar plano de recuperação judicial da Oi. Ex-CEO da TIM é cotado para assumir o cargo

Lucas Braga Por

A Oi emitiu um fato relevante nesta terça-feira (10) comunicando a saída de Eurico Teles do cargo de diretor presidente no dia 30 de janeiro de 2020. A saída do CEO já era especulada há algum tempo pelo mercado.

Teles, que antes acumulava a função de diretor operacional, cedeu a posição para Rodrigo Abreu, ex-CEO da TIM e um dos principais cotados para assumir a direção executiva da Oi. A operadora deverá indicar o nome do substituto para o cargo, a ser informado também ao Juízo da Recuperação Judicial e ao Ministério Público do Rio de Janeiro.

A notícia chega pouco tempo depois da operadora anunciar (tardiamente) os resultados financeiros do terceiro trimestre de 2019, com prejuízo de R$ 5,7 bilhões e crescimento de 17% na dívida líquida. Durante a semana, a Oi também pediu à Justiça a prorrogação da Recuperação Judicial, inicialmente previsto para fevereiro de 2020.

Eurico Teles foi um dos nomes mais importantes na história da Oi: o executivo assumiu o posto de CEO em dezembro de 2017 e foi o responsável por apresentar o plano de recuperação judicial logo no mês seguinte. A operadora acumulava dívidas de R$ 65 bilhões e teve o maior processo de recuperação judicial da América Latina, ultrapassado pouco tempo depois pela empreiteira Odebrecht.

Entre os seus feitos, Teles conseguiu reestruturar a dívida da companhia com a conversão de títulos de credores em ações da empresa. No terceiro trimestre de 2019 aingiu a cifra de R$ 14,7 bilhões. Além disso, apresentou ao mercado um ousado plano estratégico, com foco em serviços residenciais e expansão de fibra óptica para 16 milhões de residências até 2021.

Na conferência de divulgação dos resultados, o CEO afirmou que já conta com auxílio de consultores financeiros para avaliar o negócio de mobilidade, e que há interesse de venda se houver uma condição para consolidação. As concorrentes Claro, TIM e Vivo já se mostraram interessadas.