Início » Brasil » Correios são alvo de ação no Rio de Janeiro por atrasos em entregas

Correios são alvo de ação no Rio de Janeiro por atrasos em entregas

O Ministério Público Federal move uma ação civil pública que pede regularização de serviços dos Correios em Petrópolis (RJ)

Victor Hugo Silva Por

Uma ação civil pública pede que os Correios regularizem os serviços em Petrópolis, no Rio de Janeiro. O Ministério Público Federal (MPF) alega que os consumidores da cidade estão sendo prejudicados desde 16 de março por atrasos nas entregas e pelo fechamento de agências da empresa. O órgão pede a adoção de medidas para normalizar a situação sob pena de multa diária de R$ 5 mil e pagamento de indenização de R$ 1 milhão.

Correios (Foto por Marcos Oliveira/Agência Senado)

O MPF afirma que as remessas PACs e Internacionais com destino a Petrópolis estão retidas no Centro de Tratamento de Encomendas (CET) no bairro de Benfica, no Rio de Janeiro. O órgão pede que encomendas expressas sejam remetidas a Petrópolis pelos Correios no prazo de um dia. Já as correspondências não urgentes devem ser enviadas à cidade em até cinco dias.

Ainda segundo o MPF, algumas encomendas enviadas por Sedex estão paradas no Centro de Entrega de Encomendas (CEE) em Petrópolis. Isso porque a empresa estaria operando com menos da metade de seus funcionários na cidade. A ação civil pública pede que as encomendas sejam entregues aos clientes em até dois dias. Para as não urgentes que já estão em Petrópolis, o prazo solicitado é de cinco dias.

A ação também defende que os Correios reabram suas unidades em Petrópolis e ofereçam os serviços postais regulares. O MPF pede ainda a contratação temporária por 30 dias de funcionários para as unidades operacionais no município e que a empresa apresente a relação das encomendas que estão retidas em Benfica e no CEE de Petrópolis.

O que dizem os Correios

Os Correios afirmam ao Tecnoblog que ainda não foram notificados oficialmente e que suas agências e centros de distribuição em Petrópolis já estão abertas para o público com a oferta de todos os serviços. A empresa afirma que o CEE recebeu o reforço de empregados terceirizados e de veículos.

“O país enfrenta uma pandemia, logo não há distinção entre serviços afetados: o que se constata é um quadro de desaceleração geral das atividades”, afirmam os Correios, em nota. “Ademais, o Rio de Janeiro figura entre os Estados mais acometidos pelo Coronavírus, demandando das autoridades medidas mais austeras para conter a disseminação do vírus”.

A empresa afirma que adotou o trabalho remoto para empregados que fazem parte do grupo de risco ou que moram com pessoas nessas condições e lembra que as encomendas aumentaram com a adoção de medidas de isolamento social devido à pandemia do novo coronavírus. A companhia afirma que, por isso, contratou quase 2 mil terceirizados, registrou mais de 7 mil horas extras de trabalho e alugou mais de 70 linhas de transporte de carga.

Comentários da Comunidade

Participe da discussão
8 usuários participando

Os mais notáveis

Comentários com a maior pontuação

Filipe Espósito (@filipeesposito)

Recentemente uma encomenda minha ficou mais de uma semana sem movimentação alguma justamente na CTE Benfica. Vários amigos relataram casos parecidos. Tá feia a coisa, mesmo para os padrões baixos dos Correios.

NENHUM (@mgc)

Um semana é lucro,naquele local o padrão é 1 mês.
É dificil encontrar algum vendedor que gosta de vender para RJ,existem muito atraso,e isso gera muito processo e parece que lá tem mafia de advogados e juizes,processo por atraso que dificilmente a justiça aceitaria em outro local do país,no RJ eles aceitam e da ganham de causa.

Alex (@wuhkuh)

O grande problema do Correios é a ideia geral de que estão nos fazendo um favor ao entregar nossas encomendas e cartas, o que é mentira, já que cobram o olho da cara por isso. O pior é ver funcionário reclamando, já viram o quanto um carteiro ganha, e o tanto de beneficio que tem, ridículo!

DeadPull (@DeadPull)

Ah, se fosse só no Rio de Janeiro… Aqui em Manaus eu estou esperando uma encomenda que está parada na unidade de distribuição desde 24 de Junho. Isso sem contar o tempo total de espera, que se estende desde 18 de Maio. O prazo limite para entrega era 01 de Julho. E depois tem gente que não gosta quando a gente quer a privatização dessa empresa lixoza.