Início » Aplicativos e Software » WhatsApp adia nova política de privacidade após críticas

WhatsApp adia nova política de privacidade após críticas

Após polêmicas sobre compartilhamento de dados com o Facebook, WhatsApp aumenta prazo para que usuários revisem políticas

Ana MarquesPor

São tempos difíceis para o WhatsApp. Após toda a polêmica envolvendo a sua nova política de privacidade e depois de fazer dois esclarecimentos públicos sobre as mudanças – em especial, sobre o compartilhamento de dados com o Facebook –, a empresa decidiu adiar o prazo para que os termos entrem em vigor.

WhatsApp (Imagem: André Fogaça/Tecnoblog)

WhatsApp (Imagem: André Fogaça/Tecnoblog)

O comunicado foi dado nesta sexta-feira (15), em seu blog oficial. De acordo com a publicação, o WhatsApp pretende dar mais alguns meses para que todos revisem a nova política “gradualmente e em seu próprio ritmo”.

A nova data limite estabelecida para que os usuários decidam aceitar os termos – ou deixar o aplicativo – passou de 8 de fevereiro para 15 de maio de 2021. Veja um trecho da declaração abaixo:

Agora estamos retrocedendo a data em que as pessoas serão solicitadas a revisar e aceitar os termos. Ninguém terá sua conta suspensa ou excluída em 8 de fevereiro. Também faremos muito mais para esclarecer a desinformação sobre como a privacidade e a segurança funcionam no WhatsApp.

A plataforma garante que, de forma contrária ao que tem circulado na web, o WhatsApp e o Facebook não têm acesso às suas conversas pessoais, devido à criptografia de ponta a ponta. O mensageiro também afirma não manter registros de conversas (em texto ou ligações) e alega não compartilhar informações sobre os seus contatos com o Facebook.

“Com essas atualizações, nada disso está mudando. Em vez disso, a atualização inclui novas opções que as pessoas terão para enviar mensagens para uma empresa no WhatsApp e fornece mais transparência sobre como coletamos e usamos os dados”, argumenta.

Política do WhatsApp teve repercussão negativa

Apesar das explicações, na quarta-feira (14), o Procon-SP notificou o Facebook sobre a política do WhatsApp. A empresa de Mark Zuckerberg terá que explicar como o mensageiro se adequa à Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD), vigente no Brasil desde setembro de 2020. A Secretaria Nacional do Consumidor (Senacon), entidade ligada ao Ministério da Justiça e Segurança Pública, também irá notificar o WhatsApp e o Facebook para questionar as mudanças na política de privacidade.

Enquanto isso, muitos usuários decidiram migrar para mensageiros alternativos. Telegram e Signal dispararam nas lojas de aplicativos de diversos países esta semana.

A movimentação foi tão intensa, que a Signal Foundation decidiu contratar mais funcionários para melhorar recursos como chamadas de vídeo e conversas em grupo. Nesta sexta-feira, o aplicativo enfrentou instabilidade, ficando fora do ar para diversas pessoas. Já o Telegram conseguiu ultrapassar a marca dos 500 milhões de usuários.

Ainda é cedo para determinar se o WhatsApp sairá muito abalado desse episódio – ao que parece, o comitê de gestão de crises da empresa está recomendando “esperar a poeira baixar”. Agora resta esperar para saber se os usuários irão realmente repensar sobre deixar o serviço.

Com informações: WhatsApp

Comentários da Comunidade

Participe da discussão
6 usuários participando

Os mais notáveis

Comentários com a maior pontuação

Sérgio (@trovalds)

A notícia deveria ser “WhatsApp adia nova política de privacidade após ver o aumento expressivo de usuários se cadastrando em mensageiros concorrentes como Telegram e Signal”.

Apesar que, na prática, tropa de gente baixa, instala, se cadastra mas é só isso mesmo. Usar que é bom…

Eduardo Soares (@Eduardo_Soares)

Já ia falar o mesmo.

Fabio Alvez (@AlvezFabio)

Assim mesmo, acabando o prazo vou sair, chega dessas redes quererem impor suas políticas e sanções apenas aos que delas discordam e ou ou no exemplo de Trump, todas estão o banindo mesmo não havendo toda a gravidade que lhe imputam. Outros mundo afora como ditadores, radicais islâmicos, os que pregam a destruição do Estado de Israel, os que apoiaram a morte de nosso Presidente, sua facada entre outras coisas, estão por aí com suas contas lindas e ativas.

Mickey Sigrist (@Mickey)

Estávamos eu e alguns amigos conversando sobre essa situação em nosso grupo do WhatsApp, essa semana. Surgiu a ideia de migrarmos o grupo pro Telegram, o qual já uso há algum tempo. Os que não utilizavam baixaram e se cadastraram, daí fizemos a migração. Pergunte quantos dias durou a atividade no Telegram? Nem dois. No WhatsApp a conversa continua normalmente

Leonardo Feelckins (@feelckins)

Estou usando o Telegram como mensageiro principal e migrando aos poucos pra ele. Também apresentando o mensageiro para amigos e os incentivando a usar. Alguns grupos que estou já foram migrados pra lá e estou muito esperançoso por essa tão sonhada alforria do WhatsApp. Depois que você começa a de fato usar o Telegram não tem mais como voltar para o WhatsApp.

Sérgio (@trovalds)

Se dependesse de mim aqui era só Telegram. Infinitamente melhor em muitos aspectos. Mas por mais que você tente migrar sua base, o mínimo que acontece é a pessoa reclamar “tenho que ter 2 mensageiros aqui, mimimi…”