Início » Legislação » Vítima de WhatsApp clonado deve ser indenizada pelo Facebook, decide Justiça

Vítima de WhatsApp clonado deve ser indenizada pelo Facebook, decide Justiça

Justiça decidiu que houve falha na prestação de serviços por parte do Facebook envolvendo WhatsApp clonado; empresa deve pagar R$ 1.500 em danos morais

Por

Um golpe de WhatsApp clonado levou o Facebook, dono do mensageiro, a ser condenado na Justiça por danos morais, devendo pagar uma multa de R$ 1.500 à uma usuária. A vítima afirma que houve demora de 24h para que sua conta no app fosse desativada pela empresa. A decisão é da 2ª Turma Recursal dos Juizados Especiais do Distrito Federal (DF).

Facebook e WhatsApp (Imagem: Robert Cheaib/Pixabay)

Facebook e WhatsApp (Imagem: Robert Cheaib/Pixabay)

Justiça reverte condenação de TIM por fraude no WhatsApp

A princípio, a autora do recurso contra o Facebook na Justiça também incluiu sua operadora de telefonia móvel, a TIM, no processo. Ela tentou desabilitar seu chip de celular para impedir que a conta fosse usada por um impostor.

Contudo, os magistrados concordaram que a operadora nada tinha a ver com o golpe do WhatsApp aplicado à vítima e reverteram a condenação da empresa na 1ª instância pelo 1º Juizado Especial Cível de Águas Claras.

Segundo os juízes, a TIM não está ligada à conduta da vítima ou do estelionatário, e não é responsável pelos protocolos de instalação do WhatsApp — bloquear o chip do celular não impediria o golpista de usar a conta roubada.

Facebook demorou 24h para atender vítima de golpe

Mas os magistrados mantiveram a condenação do Facebook, que demorou 24h após solicitação da vítima para bloquear a conta de WhatsApp. No tempo entre o pedido e a suspensão, o criminoso fez com que duas pessoas transferissem R$ 7.840.

A empresa recorreu da decisão em primeira instância e pediu a anulação da sentença por danos morais. Ela alegou que não houve erro no serviço oferecido pelo WhatsApp.

Na visão do Facebook, o app de mensagens é seguro, pois possui verificação em duas etapas; clientes são comunicados sobre o perigo de golpes de fraude por meio de campanhas publicitárias. A culpa sobre os pagamentos recai sobre o criminoso e os amigos da vítima, diz a empresa.

O recurso do Facebook foi indeferido pela Corte, que manteve a condenação e o ressarcimento no valor de R$ 1.500.

Segundo o acórdão dos juízes da 2ª Turma Recursal dos Juizados Especiais do DF, a demora no atendimento para bloquear a conta roubada configura como uma falha de serviço no Facebook.

Segundo juízes, a rede social violou dois incisos do Artigo 14 do Código de Defesa do Consumidor (CDC), que preveem restituição de fornecedores a danos causados a consumidores por serviços falhos.

Não é a primeira vez que o Facebook é punido pela Justiça por demoras no atendimento. Em dezembro, a o Supremo Tribunal de Justiça multou a rede social em R$ 800 mil por não fornecer a tempo dados sobre contas associadas ao Estado Islâmico que planejavam atentados durante as Olimpíadas do Rio, em 2016.

Em nota ao Tecnoblog, o WhatsApp afirma que “não se pronuncia sobre casos específicos.”

Atualizado à 00h00 de 18/07 com o posicionamento do WhatsApp

Com informações: TJDFT