Aquisições, cloud gaming e Steam Deck: os destaques de games de 2022

Novos consoles chegaram às lojas em um ano no qual o bafafá de aquisições e jogos em nuvem também tiveram destaque; confira o que rolou em 2022

Ricardo Syozi
Por
Retrospectiva 2022
Retrospectiva 2022 (Imagem: Vítor Pádua / Tecnoblog)

Se os gamers esperavam jogar Starfield e The Legend of Zelda: Tears of Kingdom em 2022, os anúncios que eles chegariam apenas em 2023 deixou bastante gente decepcionada. Entretanto, isso abriu espaço para outros destaques no ano, tanto pelo lado de títulos como Elden Ring e God of War: Ragnarök quanto pelo lado de tecnologia como a estreia do Steam Deck e a popularização do cloud gaming.

Contudo, o que mais movimentou toda a indústria foram as aquisições de estúdios e empresas. As três grandes: Microsoft, Nintendo e Sony, adicionaram outras companhias aos seus times. Enquanto que a casa do Xbox fez a maior delas (mesmo que ainda não concluída), a dona do PlayStation adquiriu a criadora de Destiny e a Big N deu mais um passo para seu universo cinematográfico. Relembre tudo isso a seguir.

Empresa comprando empresa

Em 2022, grandes nomes dos games decidiram entrar no trem das aquisições. A mais imponente é, ao mesmo, a única que ainda não tem recebeu a batida de martelo. Logo em janeiro desse ano, a Microsoft anunciou a compra da Activision Blizzard por um valor próximo de US$ 70 bilhões.

Isso faria com que franquias como Diablo e Overwatch passassem a fazer parte da família Xbox. No entanto, o principal alvo de discussão é a série Call of Duty. A Sony tenta fazer o negócio desandar, pois afirma que o popular FPS não deveria se tornar exclusivo de uma única plataforma. Vale destacar que o acordo ainda pode não dar certo, pois órgãos reguladores como a FTC tentam impedir um desfecho favorável para a Microsoft.

A Sony também entrou na empolgação de comprar companhias e adicionou a Bungie, desenvolvedora de Destiny, à família PlayStation. O acordo custou US$ 3,6 bilhões aos cofres da japonesa.

Já a Nintendo até que decidiu ir às compras, mas a intenção da Big N foi diferente de suas concorrentes. Ao invés de adquirir uma produtora de jogos, a companhia preferiu obter a Dynamo Pictures, um estúdio de animação para seus planos cinematográficos.

Além das três gigantes, vale destacar que em maio de 2022, a Square Enix vendeu os estúdios Crystal Dynamics, Eidos-Montréal e Square Enix Montréal para o Embracer Group por US$ 300 milhões. Assim, franquias como Tomb Raider, Deus EX e Thief agora têm um novo dono.

Microsoft e Activision Blizzard
A aquisição ainda não está concluída (Imagem: Divulgação/Microsoft)

Consoles mais fáceis de encontrar

O portátil Steam Deck foi lançado nos Estados Unidos em fevereiro de 2022. Poderoso e robusto, o sistema da Valve mostrou que é possível ter a qualidade dos videogames mais atuais nas palmas das mãos do jogador. Porém, o preço salgado afastou muitos entusiastas.

Custando a partir de US$ 399, o console se mostrou caro e bastante único no que oferece. Ele entrega uma experiência de PC Gamer em um pacote relativamente pequeno, mas que agrada quem o utiliza.

Já no que se refere às principais plataformas caseiras, o Nintendo Switch bateu novas marcas, ultrapassando as 114 milhões de unidades vendidas em todo o mundo em novembro. É possível que enquanto digito esta retrospectiva, o híbrido da Big N tenha superado o PlayStation 4 e se tornado o quarto console mais vendido da história.

Fãs tanto da Microsoft quanto da Sony também tiveram boas notícias em 2022. Começou a ficar mais fácil de encontrar o Xbox Series X e o PlayStation 5 nas lojas. A Black Friday, em especial, reuniu diversas promoções bacaninhas dos sistemas. Se você acompanha o Achados do TB, então deve ter se deparado com um preço mais em conta nesse ano.

O PS5 recebeu atualizações interessantes como o suporte a 1440p, criação de pastas de jogos e a estreia do PlayStation Stars, o programa de fidelidade da marca. Novas revisões do aparelho também começaram a surgir ao redor do mundo, mas as diferenças acabam não sendo gigantescas. Por fim, a Sony anunciou em agosto um aumento do preço do console em diversos países.

Além disso, a Logitech lançou seu aguardado portátil, o G Cloud. O console foi projetado para ser uma opção fácil para quem quer apenas curtir os games sem precisar adquirir mídias ou fazer aquisições digitais. Basta uma assinatura de algum dos serviços como o NVidia GForce Now ou o Game Pass da Microsoft. Seu preço não é tão barato assim (US$ 349), mas ele não deixa de ser uma alternativa interessante de hardware.

Steam Deck (Imagem: Divulgação/Valve)
Steam Deck (Imagem: Divulgação/Valve)

Jogatina nas nuvens

Toda a experiência do cloud gaming também se destacou em 2022, para o bem e para o mal.

O aplicativo do Xbox Game Pass para jogatina em nuvem chegou à algumas TVs da Samsung no meio do ano no Brasil. Dessa forma, usuários com uma assinatura ativa e uma internet competente já podem usufruir do catálogo do serviço diretamente de seu aparelho de televisão. É claro que um controle Bluetooth também é necessário para a brincadeira.

A decepção (mesmo que pouco surpreendente) foi anúncio do fim do Google Stadia. A plataforma tinha potencial, mas as escolhas ruins como precisar comprar cada jogo em nuvem separadamente e por preço cheio acabaram se tornando o tiro no pé do serviço.

Controle do Google Stadia (Imagem: Silivan Munguarakarama/Unsplash)
Controle do Google Stadia (Imagem: Silivan Munguarakarama/Unsplash)

Mas e os jogos?

Mesmo com o adiamento de obras aguardadas, os doze meses de 2022 garantiram excelentes games para os fãs. A jornada fantástica e desafiadora de Elden Ring conquistou milhões de pessoas e ainda abocanhou os principais prêmios do ano. No review do Tecnoblog, achamos que há falhas técnicas, mas que não atrapalham a majestosa experiência oferecida.

Outro título que recebeu muito destaque foi a mais recente aventura de Kratos em God of War: Ragnarök. Muitos donos de PlayStation o consideram o verdadeiro GOTY, mas se você quer conhecer mais sobre a produção, confira o Hit Kill especial sobre ele.

Para quem é nintendista, a empresa ofereceu neste ano uma enormidade de opções para o Switch. De RPGs como Triangle Strategy e Xenoblade Chronicles 3 a alternativas menos convencionais como Splatoon 3. É verdade que a Big N não escapou das polêmicas, com Pokémon Scarlet e Violet recebendo muitas reclamações dos fãs por causa de sua performance insatisfatória.

Ainda preciso apontar menções honrosas como o charmoso Stray (ou “jogo do gato”), a grandiosidade de Horizon Forbidden West, a insanidade de Neon White e a volta às raízes de The King of Fighters XV. Falando em “volta às raízes”, em 2022 recebemos o retorno triunfal das Tartarugas Ninjas em TMNT: Shredder’s Revenge, um de meus favoritos do ano.

Os nossos favoritos do ano estão compilados no episódio 59 do Hit Kill. Não deixe de conferir!

Elden Ring (Imagem: Divulgação / Bandai Namco)
Elden Ring (Imagem: Divulgação / Bandai Namco)

2023 promete grandes títulos

Os últimos 12 meses animaram bastante quem curte jornadas distintas nos games, mas 2023 pode ser ainda mais empolgante.

Se nada mudar, já temos a confirmação de alguns nomes que os fãs querem muito colocar as mãos. The Legend of Zelda: Tears of the Kingdom será lançado em maio. Ele é uma das sequências mais esperadas de todos os tempos e pode revolucionar a franquia mais uma vez. Porém, para isso precisa entregar ainda mais do que seu antecessor.

O Xbox Series deverá finalmente ter um ano repleto de exclusivos. Starfield chegará no primeiro semestre do ano que vem. A nova empreitada da Bethesda quer ser uma experiência única nos RPGs. Também não podemos esquecer de Redfall, o multiplayer de mundo aberto e temática de vampiros. Ademais, há expectativas do novo Forza Motorsport, Hellblade 2 e, quem sabe, Fable.

Por último, a Sony já confirmou que Marvel’s Spider-Man 2 chega até o fim de 2023. Final Fantasy VII Reunion, Final Fantasy XVI e o multiplayer de The Last of Us também estão na lista para o PlayStation 5.

Muitos games, sem dúvida, mas apenas se nada for adiado… de novo.

Relacionados

Relacionados