Notícias Brasil

Kabum cancela pedidos em ofertas da Black Friday por “divergência de dados”

Alguns clientes do Kabum dizem que preço dos produtos na Black Friday 2021 subiu após compras serem canceladas; para Procon-SP, loja deve comprovar divergências

Giovanni Santa Rosa
Por

As melhores ofertas,
sem rabo preso

O Kabum cancelou diversos pedidos feitos na Black Friday 2021 e até mesmo antes da data alegando que havia divergências nos dados cadastrais, conforme apurou o Tecnoblog. Os clientes relatam que as compras foram canceladas mesmo depois de o pagamento ser aprovado pelo cartão de crédito. Em vários casos, o produto subiu de preço logo após o cancelamento. A coordenadora de atendimento do Procon-SP explica o que os consumidores afetados devem fazer.

Ninja do Kabum segura celular com app da loja
Kabum (Imagem: Divulgação)

O leitor Bruno trouxe o caso para a Comunidade do Tecnoblog. Ele comprou duas TVs de 40 polegadas na loja, mas teve seu pedido cancelado por “divergência de dados”. O atendimento da empresa disse que “os sistemas de validação de dados cadastrais e do cartão de crédito encontraram alguma divergência”. Bruno chegou a oferecer pagamento por Pix para manter sua compra e aproveitar o preço, mas não conseguiu.

Há vários outros relatos em redes sociais e no Reclame Aqui. Na quinta-feira passada (25 de novembro), o cliente Rafael tentou aproveitar um cashback oferecido por seu banco, que só valeria naquele dia. Ele escolheu uma soundbar que estava saindo por R$ 2 mil. Rafael teve o mesmo problema: pedido cancelado por divergência de dados. No dia seguinte, o produto estava por R$ 2,7 mil. Por sorte, ele encontrou o mesmo preço de antes na Americanas.

O cliente Lucas tentou comprar uma cadeira gamer três vezes e passou pelo mesmo problema. A operadora do cartão autorizou a transação em todas, mas o pedido foi cancelado devido à tal divergência nos dados. Lucas diz que as informações de seu cadastro estavam corretas e já haviam sido usadas outras vezes.

O atendimento do Kabum explicou ao consumidor que a loja conta com um sistema de segurança que faz uma dupla validação dos dados cadastrais. Se encontrar alguma divergência ou informações não condizentes com o histórico de compras, ele cancela a operação. Lucas acabou adquirindo a cadeira pelo mesmo preço no Magazine Luiza, mas não da cor que gostaria. (Vale notar que o Magalu comprou o Kabum em julho de 2021.)

Queixas sobre Kabum na Black Friday de 2021
Queixas sobre Kabum na Black Friday de 2021 (Imagem: Reprodução / Reclame Aqui / Tecnoblog)

É possível encontrar diversos outros relatos desse tipo. “Comprei smartphone na Black Friday, a loja cancelou a compra e dobrou o preço”, afirma um cliente no Reclame Aqui. Trata-se do Asus Zenfone Max Pro (M2), que passou de R$ 799 para R$ 1.899 na Black Friday do Kabum.

De outro cliente, temos esse caso: “comprei um fone da Motorola no valor de R$ 179… por divergência com a operadora de cartão de credito a compra foi cancelada… nesta data o valor do fone foi para R$ 284,05”.

No Reclame Aqui, o Kabum disse o seguinte em resposta a uma das queixas:

Verifiquei e informo que os pedidos realizados tanto pelo site/app são sujeitos a análise e confirmação de dados. Caso haja divergência nessas informações, o pedido é automaticamente cancelado, esse procedimento é voltado à segurança de nossos clientes.

Reforço que nenhum valor foi capturado e houve somente a reserva do limite por sua operadora, ou seja, o valor foi disponibilizado para a captura do pagamento, porém devido a este problema não conseguimos realizar o procedimento.

Sendo assim, o limite retornará ao cartão de crédito utilizado, até o fechamento da fatura, portanto, não deverá ter cobranças referentes á este pedido. Caso note alguma cobrança de valor pedimos que nos retorne.

Lamentamos qualquer descontentamento causado, não foi de nossa intenção.

Procurado pelo Tecnoblog, o Kabum não se pronunciou até o momento da publicação.

O que o consumidor pode fazer

Armazém do Kabum
Armazém do Kabum (Imagem: Kabum / Divulgação)

Em conversa com o Tecnoblog, Renata Reis, coordenadora de atendimento do Procon-SP, diz que a empresa precisa comprovar qual foi a divergência nos dados. Caso não faça isso, é obrigada a cumprir a oferta. “O consumidor não pode ter o ônus de um erro interno ou de um problema de gestão.”

A loja também não pode recusar o pagamento por outra modalidade que ela mesma oferece, como aconteceu no caso do cliente Bruno.

O cancelamento aparentemente sem motivos levantou em muitos consumidores a suspeita de que as ofertas tinham estoques limitados. Mesmo se for o caso, a empresa precisa arcar com o preço ofertado. “Se o sistema da loja não tirou a oferta do ar ao acabar o estoque, ela precisa aceitar o pedido, mesmo que tenha que buscar em outro fornecedor”, explica Reis.

A coordenadora também lembra que é bom reunir evidências do pedido, como prints da página do produto, do carrinho e da compra. Se não houver acordo com a loja, esse material ajuda na hora de abrir uma reclamação no Procon.

Casas Bahia vendeu Note 20 a R$ 679 na Black Friday

Também na Black Friday de 2021, a Casas Bahia vendeu o Samsung Galaxy Note 20 por R$ 679, e o Galaxy S20 FE por cerca de R$ 1 mil – preços bem abaixo dos praticados no mercado. A loja cancelou diversos pedidos de forma unilateral, irritando clientes.

Isso a fez ser notificada pelo Procon-SP: a empresa terá que explicar os motivos dos cancelamentos, e apresentar um plano para resolver reclamações.

Em comunicado, a Via – dona da Casas Bahia – afirma que o preço do Galaxy Note 20 resultou de “uma falha de processamento”, por isso desfez a compra e reembolsou o valor. Em alguns casos, ela até emitiu pedidos de devolução em nome dos clientes solicitando o celular de volta, mesmo quando ele ainda não havia sido entregue.

Quanto ao Galaxy S20 FE de R$ 1 mil, a Casas Bahia afirma ter honrado todos os pedidos.

Giovanni Santa Rosa

Giovanni Santa Rosa é formado em jornalismo pela ECA-USP e cobre ciência e tecnologia desde 2012. Foi editor-assistente do Gizmodo Brasil e escreveu para o UOL Tilt e para o Jornal da USP. Cobriu o Snapdragon Tech Summit, em Maui (EUA), o Fórum Internacional de Software Livre, em Porto Alegre (RS), e a Campus Party, em São Paulo (SP). Atualmente, é autor no Tecnoblog.

Mais Populares

Responde

Relacionados

Em destaque