Microsoft bate Apple e se torna maior empresa do mundo em valor de mercado

Microsoft tem desempenho melhor que Apple em 2023 graças à IA. Medo de vendas fracas de iPhones leva bancos a cortar recomendações de investimento.

Giovanni Santa Rosa
Por
Logotipo da Microsoft
Microsoft teve alta de 50% em suas ações ao longo de 2023 (Imagem: Vitor Pádua / Tecnoblog)

A Microsoft superou a Apple e assumiu o posto de empresa com o maior valor de mercado do mundo nesta quinta-feira (11). A Microsoft chegou a uma cifra estimada de US$ 2,888 trilhões, contra US$ 2,887 trilhões da Apple. Ainda que breve, a ultrapassagem reflete escolhas das duas empresas ao longo de 2023. A Microsoft apostou em inteligência artificial, colocando recursos do tipo em praticamente todos os seus produtos. Já a Apple teve vendas fracas em vários segmentos, e ainda pode perder um contrato bilionário com o Google.

A Apple se tornou a empresa com maior valor de mercado do mundo em 2011, quando superou a petroleira ExxonMobil. De lá para cá, ela foi a primeira a bater as marcas de US$ 1 trilhão, US$ 2 trilhões e US$ 3 trilhões. Além disso, ela se manteve na liderança na maioria do tempo, sendo superada apenas em breves intervalos. A própria Microsoft ultrapassou a Apple em 2018, 2020 e 2021.

Inteligência artificial valoriza Microsoft

As ações da Microsoft tiveram um ótimo desempenho em 2023, acumulando uma alta de 50% ao longo do ano. Grande parte disso se deve aos investimentos da empresa em inteligência artificial. A Microsoft é dona de 49% da OpenAI, empresa que está sob os holofotes desde o lançamento público do ChatGPT.

Esse investimento permitiu que a Microsoft pudesse ter acesso a tecnologias de inteligência artificial para criar ferramentas e incluí-las em seus produtos, como Bing, Edge e Windows. Como nota o Verge, as ações da Microsoft tiveram um salto quando a companhia anunciou os preços do Copilot para Microsoft 365: US$ 30 mensais por usuário. O alto valor se transformou em expectativa de crescimento das receitas.

Vendas fracas preocupam Apple

Do outro lado, as ações da Apple estão em queda desde dezembro de 2023. Investidores temem números fracos de vendas do iPhone 15, principalmente na China. Em novembro, o relatório financeiro da companhia trouxe vendas de iPads e dispositivos vestíveis abaixo do esperado pelos analistas de mercado, além de uma grande queda nas receitas trazidas pela linha de computadores Mac.

Mão segurando celular
iPhone 15 Pro Max tem corpo de titânio (Imagem: Thássius Veloso/Tecnoblog)

Para completar o cenário, existe e chance de a empresa perder o contrato bilionário que tem com o Google — a gigante das buscas paga para ser o mecanismo padrão de pesquisa em seus dispositivos. O acordo está sob investigação, como parte do processo contra o Google por um suposto monopólio.

O principal lançamento da Apple em 2023 foi o headset de realidade virtual Vision Pro. Mesmo assim, ele deve ter pouco impacto no mercado, devido ao preço alto (US$ 3.500) e à disponibilidade muito limitada, já que ele será lançado inicialmente apenas nos EUA.

Apple Vision Pro na sede da Apple nos Estados Unidos (Imagem: Thássius Veloso/Tecnoblog)
Apple Vision Pro não deve trazer muito dinheiro para a empresa (Imagem: Thássius Veloso/Tecnoblog)

Esse contexto levou bancos e corretoras a mudarem suas recomendações em relação aos papéis da Apple, o que fez o preço das ações cair. Apenas em 2024, já são US$ 162 bilhões a menos no valor de mercado.

Com informações: Folha de S.Paulo, The Verge e MacRumors

Relacionados