Threads tem queda de 70% em número de usuários, e tempo na rede despenca

Segundo empresas de inteligência, Threads tem 13 milhões de usuários ativos diariamente, contra 44 milhões no lançamento

Giovanni Santa Rosa
Por
• Atualizado há 9 meses
Print do aplicativo Threads com nome da pessoa e foto, entre outros detalhes
Página de perfil no app Threads (Imagem: Thássius Veloso/Tecnoblog)

O Threads chegou quebrando recordes de downloads e cadastros, mas passadas duas semanas, a situação é bem diferente. Dados mostram que o número de usuários ativos caiu 70%, e o tempo de engajamento na plataforma também vem diminuindo.

Segundo a empresa de inteligência de mercado Sensor Tower, o número diário de usuários ativos está em 13 milhões. Isso representa uma queda de cerca de 70% em relação ao pico de 44 milhões de usuários ativos, atingido em 7 de julho, dois dias após o lançamento.

O tempo gasto no Threads também despencou. Segundo os dados da Sensor Tower, usuários de Android e iOS estão passando, em média, quatro minutos por dia no app. Este número já foi de 19 minutos.

As informações da SimilarWeb reforçam essa descoberta: usuários de Android nos EUA estão passando, em média, cinco minutos por dia no Threads. No lançamento, eram 21 minutos.

Além da queda, os números mostram que o Threads ainda está bem atrás do Twitter nos dois quesitos. Segundo a Sensor Tower, a rede social de Elon Musk permanece estável, com 200 milhões de usuários ativos diariamente, e com uma média de 30 minutos de uso por dia.

Threads quebrou recordes no lançamento

O rápido declínio contrasta com os ótimos números do lançamento. O Threads quebrou recordes e chegou a 100 milhões de usuários em apenas cinco dias, superando o ChatGPT. O chatbot da OpenAI era o início mais bem sucedido até então, e olha que ele levou dois meses para atingir essa marca.

Obviamente, essas marcas expressivas tiveram uma ajudinha da Meta. Além de ser uma empresa gigante, ela integrou os perfis do Instagram ao Threads. Então, se você estava na rede social de fotos e vídeos, era fácil criar um perfil na plataforma de microblog.

A companhia comandada por Mark Zuckerberg também acertou ao liberar acesso antecipado a influencers, já que gente famosa sempre atrai atenção e público.

Meta não quer substituto do Twitter

Por outro lado, a rede ainda não tem todos os recursos do Twitter. Não há uma timeline cronológica, e pessoas que você não segue ficam aparecendo. Fontes ouvidas pelo Wall Street Journal consideram que esses dados pressionarão a empresa a acelerar o lançamento de novas ferramentas

Oficialmente, a Meta diz que não quer que o Threads seja um substituto do Twitter. Adam Mosseri, CEO do Instagram, já falou isso com todas as letras, e acrescentou que a plataforma não fará nada para atrair veículos de notícias e discussões políticas, já que elas trazem “negatividade” e não são atraentes para os negócios.

Até o momento, parece que a abordagem “paz e amor” da Meta não está sendo suficiente.

Com informações: The Wall Street Journal

Receba mais sobre Meta na sua caixa de entrada

* ao se inscrever você aceita a nossa política de privacidade
Newsletter
Giovanni Santa Rosa

Giovanni Santa Rosa

Repórter

Giovanni Santa Rosa é formado em jornalismo pela ECA-USP e cobre ciência e tecnologia desde 2012. Foi editor-assistente do Gizmodo Brasil e escreveu para o UOL Tilt e para o Jornal da USP. Cobriu o Snapdragon Tech Summit, em Maui (EUA), o Fórum Internacional de Software Livre, em Porto Alegre (RS), e a Campus Party, em São Paulo (SP). Atualmente, é autor no Tecnoblog.

Canal Exclusivo

Relacionados