YouTube vai oferecer ainda mais anúncios no app de TV

Usuários verão futuramente comerciais mais longos e, até mesmo, se o vídeo estiver pausado; novidade visa abraçar mais as marcas que dão dinheiro para a plataforma

Ricardo Syozi
Por
YouTube
YouTube (Imagem: Vitor Pádua/Tecnoblog)

O YouTube oferece opções para espectadores em diferentes dispositivos, mas algumas podem ser melhores do que outras. Para quem prefere assistir os vídeos na TV, a plataforma anunciou que vai reforçar as propagandas, aumentando o tempo de duração. Além disso, a empresa está testando trazer publicidade até mesmo quando um conteúdo estiver pausado.

Para quem assiste frequentemente o YouTube na TV, seja através de um dispositivo ou pelo próprio aparelho, é possível que tenha notado uma maior insistência dos anúncios. Muitas vezes, propagandas mais longas que não podem ser puladas acabam surgindo, por exemplo. A plataforma também removeu o contador que costumava aparecer indicando que uma publicidade interromperia o vídeo.

No entanto, a empresa vai reforçar ainda mais essa prática para os usuários de CTV (TVs conectadas).

De acordo com uma postagem em seu blog, o YouTube afirmou que começará a oferecer comerciais de 30 segundos que não poderão ser pulados. Eles substituirão os anúncios de 15 segundos atuais, mas por enquanto apenas no YouTube Select, que é uma ferramenta para marcas escolherem canais populares para anunciar.

Outra novidade surgirá quando o espectador pausar um vídeo. O conteúdo diminuirá de tamanho para abrir espaço para uma propaganda do lado direito da tela. Essa experiência será “perfeita para os espectadores e permite que eles aprendam mais sobre a marca”, segundo a companhia. Entretanto, haverá um botão para que a pessoa ignore a publicidade, como podemos ver na imagem abaixo.

YouTube anúncio
Exemplo de anúncio no vídeo pausado do YouTube (Imagem: Reprodução / AdWeek)

YouTube Premium pode ser o caminho

Com o aumento na frequência de publicidade para quem assiste à plataforma de vídeos no aparelho de TV ou por um dispositivo, como Roku ou Amazon Fire Stick, o modelo Premium passa a ser mais interessante.

O YouTube já começou a bloquear os bloqueadores de anúncios, dificultando as saídas que as pessoas teriam para escapar dos comerciais. Aqui em casa, por exemplo, acabamos optando pela assinatura, já que minha filha gosta muito de ver os episódios da Mônica Toy. Havia se tornado impossível deixá-la curtindo 10 minutos do conteúdo sem que mais de uma propaganda a interrompesse.

Também vale apontar que o YouTube teve uma receita inferior com publicidade na comparação ano a ano, com uma queda de 2,6%, conforme os resultados financeiros da Alphabet, dona do Google. Isso pode ter impulsionado a companhia a reforçar seus esforços com os parceiros e outras marcas.

Mesmo ainda sem informar quando as novidades vão chegar, a plataforma acaba destacando para os usuários que os comerciais vão aumentar e não tem para onde fugir. A não ser abrindo a carteira e assinando o Premium.

Com informações: TechRadar.

Relacionados