Início » Brasil » Entenda como as operadoras vão usar o precioso Wi-Fi

Entenda como as operadoras vão usar o precioso Wi-Fi

Tecnologia ajuda a desafogar as redes de dados 3G

Lucas Braga Por

Fonera

Planos de telefonia estão estagnados faz tempo e as operadoras apostam em “serviços de valor agregado” para ganhar mais dinheiro. A briga mais recente entre Claro, GVT, Oi, TIM e Vivo envolve uma tecnologia já conhecida, com nova roupagem para os tempos modernos. Elas apostam no Wi-Fi para que os clientes naveguem à vontade em hotspots instalados pela cidade.

Uma das principais vantagens na instalação de hotspots Wi-Fi para as operadoras de telefonia celular é desafogar o tráfego da rede celular. Garantir velocidade e qualidade são algumas das principais dificuldades que as teles encontram atualmente. O espectro é curto e a rede fica congestionada.

Com redes Wi-Fi em lugares de grande concentração de pessoas, fica bem mais fácil satisfazer a necessidade dos clientes. Enquanto a operadora poupa a rede celular, o cliente ganha em velocidade e estabilidade de conexão. Para operadoras de banda larga fixa a rede de hotspots se tornaria uma vantagem em relação à concorrência. Operadoras com pacotes convergentes, como Oi e Vivo têm mais um serviço para embutir nos planos.

Confira abaixo a estratégia de todas as operadoras e como elas pretendem atuar.

Oi

A Oi entrou pra briga de redes Wi-Fi a partir do momento em que comprou a Vex. Apesar de não ser uma rede grande como o que encontramos no resto do mundo, a Vex era a provedora com o maior número de hotspots do Brasil. Além disso, a Vex possuía diversas parcerias com operadoras estrangeiras, e, com isso, fornecia roaming gratuito em todo o mundo para os clientes.

Com a compra da Vex, surge o serviço Oi WiFi. Todos os hotspots foram imediatamente atualizados com a marca da Oi e clientes de banda larga fixa ou de pacotes de dados 3G ganharam acesso gratuito ao serviço. A operadora investiu em meia dúzia de hotspots novos: a orla de Ipanema, Leblon e Copacabana no Rio estão cobertas com o serviço. Em Salvador, o mesmo acontece com a Praia da Barra e o Pelourinho.

Além disso, a Oi instala hotspots durante eventos, como a Futurecom 2012, Rock in Rio e o festival Lollapalooza.

Oi Wi-Fi: funcionou perfeitamente na rede Fon da PT em Lisboa; tem Wi-Fi em toda a cidade

A aposta de cobertura Wi-Fi da operadora é bem interessante: a Oi firmou parceria com a Fon, uma rede de hotspots compartilhados em todo o mundo. Cada cliente recebe uma Fonera, nome do roteador da Fon, que cria duas redes: uma interna, para a casa do cliente ou o estabelecimento comercial, totalmente privada, e outra rede aberta ao público com velocidade reduzida. Com isso, outros donos de Foneras ou clientes da mesma operadora usufruem dessa rede pública em qualquer canto do mundo.

É uma ideia sensacional. A estratégia da Oi é distribuir Foneras para estabelecimentos comerciais, algo que provavelmente atrairia consumidores para o local. Quem não é cliente Oi ou não tem Fonera pode acessar a internet gratuitamente por 30 minutos. Caso queira mais tempo, pode pagar pelo acesso com cartão de crédito – o dono do hotspot é remunerado via PayPal.

O que entra em discussão é o compartilhamento de banda. Tenho certeza que muitos não concordariam em dividir sua conexão com um estranho, mas a Fonera consegue gerenciar a conexão para que a rede privada não seja prejudicada. Não acredito que isso seja um problema para quem tem pelo menos 10 Mbps de conexão: compartilhar 1 Mbps com os outros não deixaria sua conexão tão lenta.

Esse tipo de acesso é muito comum no exterior. Testei hotspots Fon em uma viagem que fiz para Londres e Lisboa: tem Wi-Fi em qualquer canto da cidade. O aplicativo do Oi WiFi para Android pipocou com uma notificação de que havia um hotspot disponível no local. Navegou sem pagar nenhum centavo.

TIM

A TIM quer levar o acesso Wi-Fi para as massas. Para isso, a operadora pretende cobrir extensas áreas. É o caso da Favela da Rocinha, que recebeu a primeira leva dos hotspots da operadora. A rede Wi-Fi da TIM se destaca ao permitir acesso gratuito a sites de utilidade pública, como o de concessionárias de água e eletricidade, além de páginas da administração local.

Para ter acesso total à internet, basta ser cliente TIM com algum plano de dados: pode ser o Liberty Web, que é pós-pago e custa a partir de 29,90 reais por mês, ou mesmo ser cliente do plano pré-pago de R$ 0,50/dia.

O TIM Wi-Fi usa autenticação EAP-SIM. Celulares compatíveis com o protocolo autenticam-se na rede automaticamente, sem precisar digitar senha nenhuma.

A cobertura do TIM Wi-Fi é uma das que mais evoluíram. O serviço surgiu em dezembro do ano passado e a operadora já conta com mais de 2 mil hotspots. A operadora tem parceria com a Linktel, dona de uma considerável rede de hotspots no Brasil.

Vivo

Com pesar informo o que conversei com o diretor de operações da Telefônica/Vivo durante a Futurecom 2012. A estrategia da operadora não é de expandir a rede Wi-Fi já existente. A operadora possui uma série de hotspots do Speedy Wi-Fi no estado de São Paulo e nos principais aeroportos do país, mas os novos esforços estão concentrados na expansão da cobertura 3G Plus da Vivo. Ou seja: se você quiser internet móvel, que compre um modem ou assine um pacote de dados generoso para o seu celular.

A parte triste disso tudo é que a O2, subsidiária do grupo Telefonica na Europa, libera acesso gratuito à rede Wi-Fi da operadora no exterior.

Claro, Embratel e Net (grupo Carso)

As queridinhas do Carlos Slim também possuem cobertura Wi-Fi. Aparentemente, qualquer cliente pode acessar a rede, mas não há muitas informações de como usar o serviço simplesmente pelo fato dele não ter grande divulgação. A cobertura se restringe a 1.400 pontos espalhados na cidade de São Paulo e alguns hotspots nos aeroportos de Belo Horizonte,  Guarulhos, Brasília, Campinas, Curitiba, Recife, Rio de Janeiro e Porto Alegre.

GVT

A GVT ainda não possui rede de hotspots Wi-Fi, mas está nos planos da operadora entrar com essa modalidade de serviço de forma agressiva. Em um modelo similar ao adotado pela Oi com a parceria da Fon, a GVT pretende utilizar a infraestrutura atual de seus clientes para criar uma rede sem fio para visitantes. De acordo com a operadora, a velocidade da rede secundária não vai interferir na conexão do cliente e o compartilhamento só será realizado caso o cliente autorize.

Localidades com alta concentração de clientes devem receber hotspots próprios. Visto que a GVT não tem telefonia móvel, a competição se dará para oferecer valor agregado aos demais planos, em contraste com as operadoras de celular que apostam no Wi-Fi para desafogar outras redes.

Muito trabalho pela frente

No atual momento, os hotspots se concentram na região Sudeste. É preciso levar uma cobertura decente de Wi-Fi para, ao menos, as principais capitais brasileiras. Um grande problema de tudo isso é a infraestrutura de telefonia fixa, que não é favorável para esse tipo de novidades: em Macapá, capital do Amapá, uma conexão de 600 Kbps custa 429 reais (você não leu errado). O mesmo vale para cidades do interior.

Comentários

Envie uma pergunta

Os mais notáveis

Comentários com a maior pontuação

Maicon A. Steffens
Bom dia. Bom pergunto aos usuários da operadora OI, quanto estão recebendo da OI para que a mesma use a estrutura física da tua casa ou estabelecimento comercial e a sua energia elétrica para prover acesso a terceiros? Você foi informado com clareza quando contratou o serviço de que a OI iria usar sua casa para repassar internet a outras pessoas e que você não receberia nada por isso, e você concordou? Eu não concordei por que ninguém me informou, para mim isso é estelionato e todos deviam ajuizar causas coletivas contra a operadora solicitando ressarcimento pelo aluguel da estrutura física e o consumo de energia. Pode ser pouco dinheiro mas se você for pagar sua conta de internet da OI e faltar R$ 5,00 eles recebem? Eu estou conversando com alguns amigos e vamos ajuizar uma ação coletiva, depois conto o resultado aqui.
Josias Pessanha
seria bom se funcionace com facilidade porque no meu caso sou cliente oi e nao consegui fazer funcionar ate agora e olha que sou cliente pos pago da oi
Joaldo Costa
Pois é, o brasil de dar força e ajuda os provedores regionas como em outros paises ao redor do mundo que da mais preferencias os empreendedor daquele pais o brasil e totalmente ao contrario sempre as empresas de fora do pais é que tem prioridade,isso só visando o dinheiro delas, pois tem bons provedores reginais, e uma ( É EMPRESAS PRASILEIRAS ) que pagam empostos como todas essas grandes teles que só liga para o nosso dinheiro e o dinheiro do governo, pois em muitos casos a internet só chegou em 80% do brasil por causa desses provedores regionais,e agora no nivel q estar a net ninguem lembra de como era a 10 anos atraz quando essas grandes teles nem queria saber do interior do brasil, q antes para vc ter net em casa tinha q pagar oq não tinha por 23k, e o provedor regional pagando mais de 2mil reais por 1mbps para compartilhar com sua região ou cidade e foi assim que as lan house no interior do abrasil apareceram e assim escolas tiveram acesso a internet, agora eu pergunto,( pq o governo não facilita mais as coisas para esses provedores regionas, deminuindo os empostos,e essas é preços de link para essas empresas) o Governo não ver q o brasil tem muitos empreedendor e juntos com eles tem familias dependendo deles, ACORDA BRASIL VAMOS VALORISAR OQUE É DE CASA E NÃO OS DE FORA
Gabriel Augusto
Ela sumiu anoite porque a rede Fon são Roteadores dos clientes da OI. Eles podem desligar o modem de noite para economizarem energia se quiserm ;)
Humberto De França Santos
"O Amapá que se foda."
walter.m.xavier
Se somente os shopping e grandes centros tivessem um WI-FI interno descente já ajudaria, mas hoje não conseguimos sinal de WI-FI em nenhum shopping de Curitiba...
bobandiara
A Vivo possui um serviço de wi-fi, mas é só para clientes que participam do programa "Vivo Valoriza" e assinam Speedy. http://www.vivo.com.br/vivowifi/onde-acessar.php E mesmo assim, a quantidade de locais é muito pequena. E não confiem no mapa: você clica no ícone próximo a São Miguel Paulista, o endereço mostrado é de Osasco (WTF?). Melhor baixar a lista em PDF.
Andre Pessoa
Eu fui cliente da Vex (atual Oi Wi-Fi) por 2 meses, então posso falar um pouco. Moro em São Paulo, e o serviço deles é o mais disseminado na cidade, de longe. Tem em todos os aeroportos, shopping centers, e também em várias redes de alimentação, como Franz Café, Outback e McDonalds. Parece que tem também na maioria (ou todos) os hipermercados, mas no Extra próximo da minha casa (que é um supermercado médio) não tem. A velocidade fica normalmente entre 500 Kbps e 1 Mbps. Somente no Aeroporto de Congonhas eu consegui velocidades significativamente maiores que isso.
Cristiano Cohen
Ontem por acaso encontrei uma conexão Oi Fon aqui em Belém onde o 3G é realmente horrivel. A conexão sumiu no final da noite. Deve estar em teste. É uma boa noticia saber que a Oi ta fazendo esforços para melhorar a qualidade do serviços aqui. Fiquei admirado pois Belém geralmente é uma das ultimas a receber serviços novo das operadoras.
Thanara Corrêa
Teria que aumentar a qualidade e expandir o serviço né, supondo-se que todas as capitais tivessem o serviço wi-fi e por enquanto somente elas, já ia desafogar muito a rede de dados! Basta o investimento e inteligencia deles!
Ibraim
Wi-Fi para grandes espaços é uma ideia que já nasce morta. Quem já viu um Wi-Fi de shoppings, aeroportos, faculdades e provedores fuleiros de cidades de interior funcionar bem que atire a primeira pedra.
Tiago Garcia
Faltou um pequeno detalhe no lance da Fon/Oi: a Anatel proíbe sublocar ou vender banda da sua assinatura residencial. Você estaria atuando como uma empresa de telecomunicações sem autorização. Recentemente teve um cara que foi preso porque dividia a internet e a conta com o vizinho.
Fabio Aragao
Eu so acho estranho voce compartilhar a sua internet, mas caso voce queira é claro............ com isso quem é que vai querer?? Eu sinceramente ficaria ressabiado de compartilhar a minha internet, mesmo sendo por outra rede..... É uma ideia maravilhosa para as operadoras no intuito de desafogar a parte de telefonia mas jogar no coloco do cliente isso é estranho demais.
trovalds
Capacidade ociosa aonde? Isso que eu ainda não entendi... até onde sei nossos backbones para fora do BR operam no limite da capacidade, apesar das negativas das empresas dizendo que existe essa tal "capacidade ociosa". Claro, se eu pagar R$ 1.500,00/mês por 5MBps em um link dedicado fora outros custos e contratualmente eles serem obrigados a garantir 50% da capacidade 24/7 sob pena de quebra de contrato e multa com certeza vou ser um sortudo e colocado em algum backbone menos saturado (ou com algum outro artifício para garantia de banda). Se esse negócio for adiante, o que vai acontecer: com a explosão da venda de smartphones, tablets e assemelhados, o WiFi vai ser um "paliativo", já que vai ser a desculpa das operadoras pra investir em melhorar suas redes atuais, a chegada de redes vindouras sem maior investimento (WiFi é infinitamente mais barato) e uma hora o WiFi vai saturar também. Pra mim o WiFi deveria ser visto como uma alternativa complementar (que é o que as operadoras acreditemos) ao invés da "salvação da lavoura".
Lucas Braga
Edmilson, pelo que apurei, os pontos "Oi WiFi Fon" não aparecem no aplicativo, somente os hotspots da Oi aparecem por lá mesmo.
Exibir mais comentários