Início » Gadgets » TV QLED Samsung Q80T: imagem, funções e ressalvas

TV QLED Samsung Q80T: imagem, funções e ressalvas

Samsung Q80T é uma TV 4K premium com boa qualidade de imagem, mas alguns pontos merecem atenção

Paulo HigaPor
Nota Final8.8
TV QLED Samsung Q80T (Imagem: Paulo Higa/Tecnoblog)

TV QLED Samsung Q80T (Imagem: Paulo Higa/Tecnoblog)

A linha de TVs premium da Samsung mudou em 2020. Na geração anterior, a Q80R era a mais sofisticada da marca no Brasil antes dos modelos 8K. Agora, temos uma Q80T com uma proposta diferente: ela não é mais o melhor que você pode obter de qualidade com um painel LCD, papel que ficou para a Q95T, mas ainda promete recursos, conectividade e imagem superiores aos modelos básicos, como a Crystal UHD.

O que não mudou tanto foi o preço. Com tamanhos entre 55 e 75 polegadas, a Q80T pode custar até R$ 20 mil no varejo, competindo diretamente com os modelos mais caros do mercado. Será que vale a pena comprar a TV QLED premium da Samsung? Eu assisti a dezenas de horas de conteúdos na Q80T nas últimas semanas e conto minhas impressões neste review completo.

Análise da Samsung Q80T QLED em vídeo

Aviso de ética

O Tecnoblog é um veículo jornalístico independente de tecnologia que ajuda as pessoas a tomarem sua próxima decisão de compra desde 2005. Nossas análises de produtos são opinativas e não possuem nenhuma intenção publicitária. Por isso, sempre destacamos de forma transparente os pontos positivos e negativos de cada produto.

Nenhuma empresa, fabricante ou loja pagou ao Tecnoblog para produzir este conteúdo. Nossos reviews não são revisados nem aprovados por agentes externos. A Q80T foi fornecida pela Samsung por empréstimo. O produto será devolvido à empresa após os testes.

Design, conexões e controle remoto

TV QLED Samsung Q80T (Imagem: Paulo Higa/Tecnoblog)

TV QLED Samsung Q80T (Imagem: Paulo Higa/Tecnoblog)

O design da Q80T segue o mesmo conceito das outras TVs premium recentes da Samsung, com uma moldura bem fina e uma base metálica centralizada que faz parecer que a tela está flutuando no móvel, como se fosse um monitorzão de 55 polegadas. A traseira inclui as tradicionais canaletas da Samsung que ajudam a prender os cabos e esconder a bagunça.

TV QLED Samsung Q80T (Imagem: Paulo Higa/Tecnoblog)

TV QLED Samsung Q80T (Imagem: Paulo Higa/Tecnoblog)

Infelizmente, o One Connect, que centraliza todas as conexões da TV em uma caixa externa e facilita a organização dos fios, não está mais presente: a tecnologia existia na Q80R, mas ficou restrita à Q95T na nova geração. As conexões ficam concentradas na lateral direita, com duas portas USB, uma Ethernet, uma saída de áudio óptica, três entradas HDMI 2.0 e uma HDMI 2.1. E esse último detalhe merece atenção.

TV QLED Samsung Q80T (Imagem: Paulo Higa/Tecnoblog)

TV QLED Samsung Q80T (Imagem: Paulo Higa/Tecnoblog)

O HDMI 2.1 é especialmente útil para os novos PlayStation 5 e Xbox Series X, que rodam jogos em 4K a até 120 Hz, algo que não era possível em sua plenitude na versão anterior do HDMI. É bom que a tecnologia esteja na Q80T, mas me incomoda o fato de estar em apenas uma porta: a LG, por exemplo, tem incluído HDMI 2.1 em todas as quatro entradas das TVs OLED, e mesmo modelos mais simples, como a Nano86, possuem ao menos duas conexões no novo padrão. Bola fora da Samsung.

TV QLED Samsung Q80T (Imagem: Paulo Higa/Tecnoblog)

TV QLED Samsung Q80T (Imagem: Paulo Higa/Tecnoblog)

O controle remoto da Q80T é o mesmo que acompanha outras TVs básicas da marca, como a TU8000, com acabamento de plástico preto, design compacto e poucos botões. Três botões de atalho podem abrir rapidamente o Amazon Prime Video, a Netflix ou o Globoplay, enquanto um microfone permite chamar a Alexa, a Bixby ou o Google Assistente.

Qualidade de imagem

A imagem da Q80T é boa, apesar de ter me dado uma pontinha de decepção. Isso porque houve uma piora em relação à Q80R de 2019, já que a nomenclatura da Samsung tende a confundir o consumidor por não criar sucessores diretos. A Q80T, pelas suas características técnicas, na verdade entra no lugar da Q70R. Enquanto isso, a sucessora legítima da Q80R na linha brasileira é a Q95T. Estranho, né? Eu também acho.

TV QLED Samsung Q80T (Imagem: Paulo Higa/Tecnoblog)

TV QLED Samsung Q80T (Imagem: Paulo Higa/Tecnoblog)

Dentro das expectativas ajustadas, a Q80T entrega uma bela qualidade de imagem, que não chega a ter o brilho e o contraste dos modelos LCD mais caros do mercado, mas que é notavelmente superior às TVs 4K mais acessíveis.

O brilho da Q80T tem vigor, sendo suficiente para dar conta de ambientes bem iluminados, com muita entrada de luz natural. O volume de cores, um ponto que a Samsung gosta de destacar nos modelos QLED em seus materiais publicitários, também é ótimo, não apresentando nenhum color banding em conteúdos reais ou até nos meus testes sintéticos. Céus, campos de futebol e texturas são muito bem representados.

TV QLED Samsung Q80T (Imagem: Paulo Higa/Tecnoblog)

TV QLED Samsung Q80T (Imagem: Paulo Higa/Tecnoblog)

A uniformidade de preto é excelente, sem vazamento de backlight perceptível na minha unidade de teste. O contraste poderia ser melhor, mas é mais que satisfatório dentro da categoria da Q80T. E o painel, embora seja do tipo VA, consegue oferecer um ângulo de visão suficiente para quase todas as situações, não apresentando perda de brilho ou saturação mesmo sentando a 45 graus, o que torna a TV uma boa opção mesmo pra salas de estar mais largas.

Apesar de ter full-array local dimming, eu consigo perceber nuvens em torno de objetos contrastantes que são maiores do que eu gostaria, indicando que a Samsung poderia ter incluído um controle mais preciso. De fato, a própria fabricante, usando uma nomenclatura própria e sem citar números exatos, indica que a Q80T tem a metade das zonas de iluminação da Q80R, com Direct Full Array 4X, contra 8X da geração passada.

TV QLED Samsung Q80T (Imagem: Paulo Higa/Tecnoblog)

TV QLED Samsung Q80T (Imagem: Paulo Higa/Tecnoblog)

Além disso, nas configurações padrão, o controle de backlight é muito agressivo para tentar oferecer um preto profundo como o das TVs OLED, o que tende a esconder objetos menores na tela, como estrelas em céus, ou deixar toda a imagem muito escura. Depois de um tempo perdido nos ajustes, a exibição de cenas escuras melhorou bastante.

O painel da Q80T suporta taxa de atualização variável de até 120 Hz, o que é uma boa notícia para quem pretende ligar um videogame ou um computador gamer na TV. Nos meus testes em 4K a 60 Hz, conectado à porta HDMI 2.1, a latência foi ótima, ficando abaixo dos 15 milissegundos no modo de jogo.

Qualidade de som

Os alto-falantes integrados da Q80T não fazem muito além do básico, mas estão melhores que na Q80R, especialmente no volume, que pode atingir níveis mais altos. No modo inteligente, que deverá ser usado pela maioria das pessoas, os médios são claros e favorecem os diálogos, criando uma sensação agradável de definição. Os graves não têm muita amplitude e não vão chacoalhar sua cabeça, mas estão dentro do esperado para um som integrado.

A grande novidade da Q80T, que também chegou a outros televisores caros da Samsung na nova geração, é o Q Symphony, que faz a TV emitir som pelos falantes integrados e por uma soundbar compatível ao mesmo tempo, de forma sincronizada e inteligente. Como as pessoas tendem a preferir TVs mais finas, é fisicamente impossível ter um bom subwoofer integrado, por isso o recurso faz bastante sentido.

TV QLED Samsung Q80T (Imagem: Paulo Higa/Tecnoblog)

TV QLED Samsung Q80T (Imagem: Paulo Higa/Tecnoblog)

Eu repeti os testes que fiz na Q800T 8K e os resultados foram igualmente bons. Com a soundbar Q60T, a barra e o subwoofer tornavam o som mais encorpado, com graves potentes e diálogos claros, enquanto o som da TV, que não consegue emitir frequências baixas, fazia o trabalho de preencher o resto do ambiente. O recurso Som em Movimento, que tenta fazer o som acompanhar o movimento das cenas por meio dos alto-falantes espalhados pela tela, também ajuda na imersão.

Pena que o Q Symphony exija a compra tanto de uma TV quanto de uma soundbar compatível com a tecnologia. E nenhum dos dois equipamentos é exatamente barato.

Software e funções de smart TV

A Q80T roda o sistema operacional Tizen, que me agrada pelas telas sóbrias que não tiram a atenção do conteúdo e pela fluidez na navegação nos menus. As mudanças visuais feitas pela Samsung em 2020, que tornaram a interface mais escura, foram muito bem-vindas.

TV QLED Samsung Q80T (Imagem: Paulo Higa/Tecnoblog)

TV QLED Samsung Q80T (Imagem: Paulo Higa/Tecnoblog)

Tanto a Bixby quanto a Alexa podem ser facilmente acessados pelo controle remoto, sendo que a assistente pessoal da Samsung está sempre pronta para ouvir o comando de ativação: é só falar “Hi, Bixby” e pedir o que quiser em português do Brasil. Uma atualização de software adiciona o Google Assistente como terceira opção, mas ela ainda não estava disponível na minha unidade de teste.

A oferta de aplicativos é boa. Além da Netflix, do Amazon Prime Video e do Globoplay, que estão pré-instalados na TV e podem ser facilmente acessados pelo controle remoto, você pode encontrar YouTube, Spotify, Disney+, HBO Go, Apple TV+, Apple Music, Canais Globo, Fox e vários outros serviços. Como nas gerações anteriores, é possível controlar dispositivos compatíveis pelo SmartThings e transformar sua TV em um quadro com o Modo Ambiente.

TV QLED Samsung Q80T (Imagem: Paulo Higa/Tecnoblog)

TV QLED Samsung Q80T (Imagem: Paulo Higa/Tecnoblog)

Vale a pena?

A Samsung Q80T é uma boa opção de TV 4K premium, embora com ressalvas. Este é um televisor caro, que custa acima dos R$ 5 mil na versão de 55 polegadas, o dobro de um modelo de entrada de tamanho equivalente da mesma marca, como a Crystal UHD TU8000. Para mim, a qualidade de imagem muito superior da Q80T é suficiente para justificar o gasto maior, mas está difícil aceitar algumas escolhas da Samsung.

A primeira decisão controversa é, obviamente, a economia nas conexões: além de não ter One Connect, restringindo um belo diferencial da marca a um modelo ultracaro como a Q95T, não faz sentido oferecer uma única porta HDMI 2.1 em uma TV premium, ainda mais considerando que a concorrência está adotando a nova tecnologia de forma ampla e sabendo que estamos em um ano de lançamento de nova geração de consoles.

TV QLED Samsung Q80T (Imagem: Paulo Higa/Tecnoblog)

TV QLED Samsung Q80T (Imagem: Paulo Higa/Tecnoblog)

Também acredito que seja o momento de falar de outro problema: a birra da Samsung em não adotar o Dolby Vision mesmo nas TVs mais caras. O HDR10+ é um bom padrão aberto para ampliar o alcance dinâmico dos filmes e é relativamente bem aceito pela indústria, mas não é superior à tecnologia proprietária da Dolby.

Até a Sony, que colaborou com a Samsung no desenvolvimento do HDR10, já partiu para outro caminho em suas TVs. A Apple, outra marca de peso, também começou a usar amplamente o Dolby Vision, tanto no Apple TV+ quanto nos iPhones. Se o VHS está ganhando a batalha, não vale a pena ficar forçando o Betamax, porque quem perde é o consumidor.

TV QLED Samsung Q80T (Imagem: Paulo Higa/Tecnoblog)

TV QLED Samsung Q80T (Imagem: Paulo Higa/Tecnoblog)

A Q80T entrega boa qualidade de imagem, tem um software bem acabado e coloca a pontinha do pé no mar das novas tecnologias, sendo uma alternativa interessante para quem não quer se arriscar no OLED por causa do medo do burn-in. A Samsung sabe como construir boas TVs e tem todos os méritos por liderar o mercado global há mais de uma década. Só não pode se acomodar.

TV QLED Samsung Q80T

Prós

  • Boa qualidade de imagem dentro da categoria
  • Brilho forte para lidar com ambientes iluminados
  • Controle remoto simples que controla qualquer coisa
  • Excelente ângulo de visão para um painel VA
  • Samsung continua mandando bem no software

Contras

  • HDMI 2.1 só em uma porta, Samsung?
  • Cadê o Dolby Vision?
  • Rolou um downgrade de código de modelo
Nota Final8.8
Design
9
Conectividade
9
Imagem
8
Som
9
Usabilidade
9

Especificações técnicas

  • Modelo: Samsung QN55Q80T
  • Tamanho do painel: 54,6 polegadas (139 cm)
  • Resolução: 3840×2160 pixels
  • Taxa de atualização: 120 Hz
  • Tipo de painel: VA LCD
  • Tecnologias de imagem suportadas: HDR10, HDR10+, HLG
  • Potência dos alto-falantes: 4×10 watts (speakers) + 2×10 watts (subwoofers)
  • Tecnologias de áudio suportadas: Q Symphony, Som em Movimento, Dolby Digital Plus
  • Sistema operacional: Tizen 5.5
  • Consumo de energia: 220 watts (máximo), 80 watts (modo de economia de energia), 0,5 watt (mínimo)
  • Entradas de vídeo: 3 HDMI 2.0, 1 HDMI 2.1, 1 RF
  • Saídas de áudio: 1 saída de áudio óptica
  • Outras conexões: 2 USB 2.0, Wi-Fi 802.11ac (2,4 e 5 GHz), Ethernet, Bluetooth 4.2
  • Dimensões (largura x altura x profundidade): 122,3×70,7×5,4 cm (sem a base) e 122,3×78,3×25,6 cm (com a base)
  • Peso: 17,9 kg (sem a base) e 21 kg (com a base)

Comentários da Comunidade

Participe da discussão
10 usuários participando

Os mais notáveis

Comentários com a maior pontuação

Mafiotecano (@Mafiotecano)

Faltou compartilhar quais foram os ajustes feitos para chegar no preto ideal…

@teh

foi bonzinho demais na nota.
A B9/C9/CX passa dando chutes nessa Q80

Igor Lana de Melo (@igor_meloil)

Tbm achei
A não ser q a pessoa morra de medo de burn in, a de 55" é mais cara que a LG e toma uma surra em praticamente tudo, com excessão de pico de brilho

Gustavo Vieira Theml (@gustavo_vieira)

Faltou também informar se a porta ethernet é gigabit ou não.

Mateus B. Cassiano (@mbc07)

Pleno 2020 e as TVs da Samsung continuam sem sequer uma porta USB 3.0, quem dirá Dolby Vision…

A porta é Fast Ethernet. Até onde sei nenhuma marca de TV à venda no Brasil oferece Gigabit Ethernet no momento…

Filipe Espósito (@filipeesposito)

Comprei a Q80T em uma promoção e estou bem satisfeito, mas a falta de Dolby Vision e OneConnect me incomodaram um pouco. Também notei isso das “nuvens” ao redor dos elementos com fundos escuros. Os alto-falantes integrados me surpreenderam bastante.

Igor Lana de Melo (@igor_meloil)

Painel LED não tem o q fazer, sempre vai ter essas nuvens, a não ser q tenha uma quatidade obscena de zonas de local dimming. Tbm acho um absurdo a Q80T não ter one connect sendo que a Q7FN tinha, se não me engano

Paulo Higa (@higa)

Isso.

Em 2017, era padrão em todas as QLEDs, começando pela Q7.
Em 2018, entrou uma Q6 sem One Connect, mas a Q7FN ainda tinha.
Em 2019, a Q70R perdeu One Connect, ficando só para a Q80R+.
Em 2020, a Q80T perdeu One Connect, ficando só para a Q95T.
Em 2021…

Não tem One Connect nem na Q800T 8K, o que é uma pena (ficou restrito à Q950TS).

Provavelmente o público em geral não dava tanto valor para justificar o custo maior de produção.

Igor Lana de Melo (@igor_meloil)

A Q80T não ter já é um crime, abaixo dela até acho justificável, mas uma 8K da marca não ter é deprimente. É um excelente diferencial da marca, quase peguei um Q7FN em 2018 por causa disso. O único ruim é que pelo menos pelas fotos de divulgação, é um aparelho grande, não cabe em qualquer rack.

Bruno Correia (@Bruno_Correia)

Antes de tudo. Ótimo review Higa!

Então pessoal.

Eu estou namorando a Q70t 55" e pensando em fazer uma esforço para comprar uma Q80t 55", na Black Friday.

O fato de não ter o Dobly Vision, está me deixando balançado em procurar um modelo OLED da LG.

Tenho um medo do burn in das OLED’s . Ainda é frequente?

Qual modelo da LG seria concorrente da Samsung Q70t e Q80t de 55", na faixa de R$ 3.800,00?

Obrigado a todos pelas respostas.

Filipe Espósito (@filipeesposito)

Esses dias mesmo tinha outra pessoa aqui na comunidade reclamando de burn-in em TV OLED da LG com relativamente pouco tempo de uso. Todo mês aparece algum relato. Apesar das vantagens do OLED nos pretos, preferi ir de QLED e evitar dores de cabeça — já que essas TVs OLED não são nada baratas.

Paulo Higa (@higa)

Nessa faixa tem as NanoCell (tem review de uma saindo em breve), mas em LCD recomendo ficar com Samsung mesmo. A Sony também tem modelos excelentes, só que costuma cobrar mais caro pra entregar a mesma qualidade.

OLED é superior em qualidade de imagem. É difícil voltar pra LCD depois que você experimenta e se acostuma. Mas ninguém sensato vai botar a mão no fogo na questão do burn-in. Há uma série de proteções na TV para evitar retenção permanente, mas o risco existe e precisa ser assumido pelo usuário, infelizmente.

Paulo Higa (@higa)

O custo não considerado na Sony é a saída da empresa do Brasil e possíveis problemas com garantia e peças de substituição no futuro.

Igor Lana de Melo (@igor_meloil)

Sim, estão fechando a fábrica e deixando de vender equipamentos de áudio, vídeo e câmeras

² (@centauro)

Não é exatamente sobre o modelo que você quer, mas tem esse tópico com uma discussão sobre comprar TVs da Sony agora no Brasil.

Exibir mais comentários