Início » Gadgets » Relógios da Samsung vão receber três anos de atualizações, mas não Wear OS

Relógios da Samsung vão receber três anos de atualizações, mas não Wear OS

Samsung promete três anos de atualizações a relógios da marca com Tizen após novo Wear OS ser anunciado no Google I/O 2021

Bruno Gall De Blasi Por

Durante o Google I/O 2021, o Google revelou o novo Wear OS ao lado da Samsung. A plataforma recém-estreada, porém, não será levada aos relógios atuais da marca sul-coreana, como o Galaxy Watch 3 e Active 2. Em compensação, a fabricante prometeu três anos de atualizações aos smartwatches com o sistema operacional Tizen.

Samsung Galaxy Watch 3 (Imagem: Paulo Higa/Tecnoblog)

Samsung Galaxy Watch 3 (Imagem: Paulo Higa/Tecnoblog)

É o que mostra um editorial publicado nesta terça-feira (18), assinado por Janghyun Yoon, vice-presidente executivo e líder da equipe da plataforma S/W da empresa. No artigo, o executivo afirmou que a Samsung continuará a oferecer atualizações a relógios da marca com Tizen. O prazo é de três anos a contar pelo lançamento do dispositivo.

Isto significa que o Galaxy Watch 3 ainda deve receber atualizações até 2023. O relógio, vale lembrar, veio ao mundo em agosto de 2020. O Samsung Galaxy Watch Active 2, apresentado pela primeira vez em agosto de 2019, tende a ser atualizado até 2022.

A promessa é próxima ao que a companhia oferece aos seus celulares. Em agosto, a fabricante divulgou uma lista de smartphones que receberão atualizações do Android por três anos. A relação menciona tanto celulares dobráveis e das famílias Galaxy S e Note quanto alguns modelos da linha Galaxy A e tablets mais avançados.

Em fevereiro, a proposta foi estendida às atualizações de segurança. A Samsung firmou um compromisso de fornecer pacotes com correções por quatro anos a smartphones das linhas Galaxy A, M, S Note e dobráveis. Os tablets também estão na lista.

Google e Samsung anunciam novo Wear OS (Imagem: Reprodução/Google)

Google e Samsung anunciam novo Wear OS (Imagem: Reprodução/Google)

Google e Samsung revelam novo Wear OS

Além do Android 12, o Google I/O 2021 também foi palco para o novo Wear OS. Anunciado em parceria com a Samsung, o Google revelou a nova plataforma que unifica funções de seu sistema e do Tizen, encontrado em relógios da marca sul-coreana. Os recursos da Fitbit, adquirida pela gigante das buscas, também entram no pacote.

A novidade tende a trazer diversas melhorias ao sistema para relógios. Em relação ao desempenho, o Google promete melhoria de 30% na velocidade para abrir aplicativos e mais eficiência para poupar a bateria dos wearables. A plataforma ainda vai ganhar novos atalhos, apps renovados e tecnologias de saúde e bem-estar da Fitbit.

A nova versão do sistema está prevista para marcar presença no esperado Samsung Galaxy Watch 4. O smartwatch deve ser apresentado nos próximos meses.

Com informações: Samsung (Newsroom), SamMobile e XDA-Developers

Comentários da Comunidade

Participe da discussão
6 usuários participando

Os mais notáveis

Comentários com a maior pontuação

Igor R. (@Igor)

Considerando que o Smart watch mais novo foi lançado há menos de 1 ano, seria mancada abandonar os relógios antigos tão cedo.
Vai ser como a transição dos Mac’s de Intel para Arm, provavelmente não haverá mais desenvolvimento de apps para Tizen (que nunca foi grande coisa), mas o suporte para o sistema vai continuar por um tempo razoável. Eu acho que o mais importante é a Samsung manter os apps próprios atualizados e funcionando, a maioria dos apps de terceiros sempre foram mal feitos e abandonados.

Igor R. (@Igor)

Eu acredito que muita, não é uma atualização de versão, é outro sistema. Eles teriam que trocar tudo, não só o sistema como também o bootloader, kernel e todas as outras partes responsáveis pela inicialização e funcionamento do sistema, além de ter que distribuir isso via OTA.
Se em uma pequena atualização de versão já acontece de algo quebrar, como os sensores pararem de funcionar, imagine em uma mudança de sistema. Mesmo que não seja impossível, a complexidade e o risco são tão grandes que não valeria a pena.