Início » Celular » iPhone 7, de 2016, ainda é o celular usado mais vendido na Trocafone

iPhone 7, de 2016, ainda é o celular usado mais vendido na Trocafone

Plataforma de venda e compra de smartphones seminovos divulgou o balanço com os 10 celulares mais vendidos no primeiro semestre de 2021; Apple e Samsung dominam

Ana Marques Por

Quase cinco anos se passaram desde que a Apple apresentou o iPhone 7 ao mundo, mas ele ainda é o celular usado mais vendido na Trocafone, empresa brasileira de venda e compra de smartphones seminovos. O balanço que constata a alta procura do modelo por consumidores brasileiros considera as vendas realizadas entre janeiro e junho de 2021. Apple e Samsung são as únicas marcas que aparecem no Top 10.

iPhone 7

iPhone 7 (Imagem: Jean Prado/Tecnoblog)

Celulares usados mais vendidos no 1º semestre de 2021:

Modelo Ano de lançamento Preço mínimo (jan a jun 2021)
Apple iPhone 7 2016 R$ 1.299
Samsung Galaxy S9 2018 R$ 1.299
Samsung Galaxy S10+ 2019 R$ 1.869
Samsung Galaxy S10 2019 R$ 1.759
Samsung Galaxy S9 Plus 2018 R$ 1.489
Samsung Galaxy S10e 2019 R$ 1.579
Apple iPhone 8 2017 R$ 1.629
Apple iPhone 8 Plus 2017 R$ 2.489
Samsung Galaxy S8 2017 R$ 989
Samsung Galaxy A31 2020 R$ 1.199

Como você pode reparar, todos os smartphones da lista acima foram lançados no premium, com exceção do Galaxy A31. Cabe ressaltar que o A32, seu sucessor, já é encontrado no varejo por preços próximos ao do A31 usado, o que pode ser um negócio melhor, no fim das contas.

A Apple tem um trunfo que a Samsung passou a perseguir recentemente: a política de atualizações que oferece novas versões do sistema operacional por, no mínimo, cinco anos. O iOS 15, que foi apresentado durante a WWDC 2021, é compatível com o iPhone 7 (na verdade, até o iPhone 6s terá suporte ao novo iOS) — desse modo, o modelo de 2016 ainda mantém certa relevância, mesmo após tanto tempo.

iPhone 7 vale a pena em 2021?

O iPhone 7 (e até mesmo o iPhone 8) pode parecer uma boa opção de compra pelo preço relativamente baixo, se comparado a outros modelos da marca — especialmente para quem nunca esteve no ecossistema da Apple e deseja experimentar sem gastar muito. O telefone tem tela pequena de 4,7” e botão Home físico, o que atrai os mais saudosistas, e já contava com NFC, para pagamentos por aproximação, mesmo naquela época.

Entretanto, vale considerar alguns problemas comuns a estes modelos. O principal é a autonomia de bateria, que em um iPhone 7 com pouco uso já pode ser um fator complicador, e preocupa ainda mais quando falamos de um celular que foi usado regularmente por muitos anos.

iPhone 7

iPhone 7 (Imagem: Jean Prado/Tecnoblog)

Além disso, mesmo com a atualização do sistema, o desempenho tende a ficar limitado devido à capacidade de chips antigos. O Murilo Tunholi, autor do Tecnoblog, usava um iPhone 7 até bem pouco tempo atrás, e confirmou que percebeu uma maior queda em performance com a chegada do iOS 14, no último ano.

O telefone também não conta com múltiplas câmeras, e apesar de fotografar relativamente bem com a sua lente principal, peca em versatilidade — nada de ultrawide ou telefoto aqui. Você provavelmente também vai sentir falta de um recurso para fotografar melhor no escuro.

Celulares usados com Android podem ser um risco maior

Como mencionei anteriormente, a Samsung começou a oferecer uma política de atualizações mais interessante recentemente. Isso quer dizer que alguns modelos topo de linha do passado não serão contemplados. É o caso do Galaxy S8, que não recebe mais atualizações de segurança do Android — portanto, não é mais uma opção recomendada, já que pode ficar vulnerável a ataques.

Galaxy S10+ é uma opção mais interessante

Lançado em 2019, o Galaxy S10+ ainda é uma opção a se considerar. Ele tem câmeras extremamente competentes, que devem agradar à maioria dos usuários, além de ser visualmente bem mais interessante do que seu sucessor, o Galaxy S20. De acordo com o calendário da Samsung, as atualizações de Android chegam pelo menos até 2022.

Samsung Galaxy S10+

Galaxy S10 Plus (Imagem: Paulo Higa/Tecnoblog)

É claro, vale sempre ficar de olho no preço e no custo-benefício. Atualmente, é possível encontrar o S20 por cerca de R$ 2.100 no comércio eletrônico, então dependendo do valor cobrado em um S10+ usado, compensa mais adquirir um smartphone novo.

O que considerar antes de comprar um celular usado?

Além de verificar o status da vida útil da bateria (em iPhones, você pode ter acesso aos dados de saúde da bateria por meio dos Ajustes), é importante verificar o plano de atualizações disponível para o modelo, sempre mantendo um pé atrás com políticas sem muitas garantias em smartphones antigos.

Além disso, considere se a empresa continua produzindo celulares (no Brasil e no mundo) — nos últimos anos, perdemos Sony e LG, portanto, tome cuidado com smartphones dessas marcas.

Por fim, se possível, teste portas, conexões e verifique possíveis danos à carcaça do celular (o que pode vir a comprometer certificações de resistência à água e até mesmo o uso do aparelho, dependendo da situação).

A compra de celulares seminovos é uma boa opção para economizar, especialmente agora que eletrônicos estão mais caros em meio às crises sanitária e econômica que atingem o Brasil. Entretanto, é importante estar atento para que o “barato” não saia caro.

Comentários

Envie uma pergunta