Conheça o novo MTIA, chip que a Meta criou para “turbinar” a IA

Segunda geração do chip MTIA, da Meta, tem 5 nanômetros e suporta 128 GB de memória LPDDR5, tudo isso em nome da inteligência artificial

Emerson Alecrim
Por
O poderoso chip MTIA para inteligência artificial (imagem: divulgação/Meta)
O poderoso chip MTIA para inteligência artificial (imagem: divulgação/Meta)

A Meta anunciou a segunda geração do MTIA (Meta Training Inference Accelerator), chip com 5 nanômetros e suporte a memórias LPDDR5. A novidade é focada em inteligência artificial (IA) e deixa claro que a turma do Facebook gostou da ideia de se aventurar com hardware próprio. Próprio e poderoso.

Como é o novo chip da Meta

Tal como o MTIA de primeira geração, o novo chip da Meta é um acelerador de inferência de IA. Entenda como inferência a operação que é realizada por um sistema baseado em redes neurais cujo resultado é uma previsão que pode ser usada para várias ações, como tomadas de decisão.

Módulo para implementação do chip da Meta (imagem: divulgação/Meta)
Módulo para implementação do chip da Meta (imagem: divulgação/Meta)

O novo MTIA foi desenvolvido para tornar a execução dessas tarefas mais eficiente. A Meta explica que, para isso, o chip foi projetado para ser três vezes mais potente do que o antecessor. Isso foi possível devido a um conjunto de abordagens, entre elas:

  • suporte a até 128 GB de memória LPDDR5, o dobro em relação à primeira geração;
  • largura de banda de memória de 204,8 GB/s, contra 176 GB/s na geração anterior;
  • controlador PCI Express 5.0 com largura de banda de 64 GB/s, contra um controlador PCI Express 4.0 com largura de 32 GB/s no primeiro MTIA;
  • processo de fabricação TSMC de 5 nanômetros contra 7 nanômetros no chip antecessor.

A mudança da tecnologia de fabricação permitiu à Meta aumentar a frequência do novo MTIA de 800 MHz para 1,35 GHz (ganho de 68,8%). O chip também ficou maior, passando de uma área de 373 mm² para 421 mm².

Ambos os chips seguem a mesma estrutura básica, composta por uma matriz 8×8 dos chamados “elementos de processamento” (PEs, na sigla inglês). Cada PE segue a arquitetura RISC-V e tem um núcleo para cargas de trabalho escalar e outro para extensões vetoriais.

Contudo, os avançados da nova geração fizeram o TDP saltar de 25 W para 90 W. É o preço a ser pago para uma evolução tão expressiva entre gerações. A prioridade é o desempenho, de todo modo. Prova disso é que, no atual estágio, a companhia tem montado gabinetes com 24 chips MTIA de segunda geração cada.

Chips MTIA de segunda geração já estão em uso (imagem: divulgação/Meta)
Chips MTIA de segunda geração já estão em uso (imagem: divulgação/Meta)

Por que a Meta criou um chip tão complexo?

Porque a Meta não quer ficar atrás do Google e da Microsoft no quesito inteligência artificial. Para tanto, a empresa tem investido fortemente em chips de gigantes como Nvidia e AMD para lidar com as suas crescentes cargas de trabalho de IA. A Meta é uma das maiores clientes dessas companhias.

Mas, com chips feitos sob medida, a Meta pode implementar uma infraestrutura para IA mais condizente com as suas demandas. A lógica é a de adaptar o chip às suas aplicações, e não o contrário, que é o que tende a acontecer com soluções de terceiros. A própria Meta contextualiza:

O MTIA é uma aposta de longo prazo para fornecer a arquitetura mais eficiente para as operações exclusivas da Meta. (…) Já estamos vendo resultados positivos deste programa, pois ele nos permite dedicar e investir em maior poder computacional para nossas operações de IA mais intensas.

A Meta reconhece que o MTIA também deve ajudar a companhia a lidar com a IA generativa. Faz sentido, afinal, essa cena é dominada por ferramentas como ChatGPT e Google Gemini, com a Meta tendo participação quase nula nela.

Receba mais sobre Inteligência Artificial na sua caixa de entrada

* ao se inscrever você aceita a nossa política de privacidade
Newsletter
Emerson Alecrim

Emerson Alecrim

Repórter

Emerson Alecrim cobre tecnologia desde 2001 e entrou para o Tecnoblog em 2013, se especializando na cobertura de temas como hardware, sistemas operacionais e negócios. Formado em ciência da computação, seguiu carreira em comunicação, sempre mantendo a tecnologia como base. Em 2022, foi reconhecido no Prêmio ESET de Segurança em Informação. Em 2023, foi reconhecido no Prêmio Especialistas, em eletroeletrônicos. Participa do Tecnocast, já passou pelo TechTudo e mantém o site Infowester.

Canal Exclusivo

Relacionados