Início » Telecomunicações » Anatel proíbe Fox de vender canais de TV ao vivo pela internet

Anatel proíbe Fox de vender canais de TV ao vivo pela internet

Para Anatel, Fox não pode vender canais lineares (TV ao vivo) pela internet; medida pode afetar Premiere, Combate, ESPN, NBA e NFL

Lucas Braga Por
22 semanas atrás

A Anatel, através de uma medida cautelar, determinou que o grupo Fox deixe de vender acesso aos seus canais lineares pela internet para usuários que não são assinantes de TV paga, sob pena de multa diária de R$ 100 mil. O caso envolve o serviço de streaming Fox+, que inclui 11 canais de TV ao vivo, mas também pode afetar Premiere, Combate e WatchESPN. O processo original foi precedido de uma denúncia da Claro e NET.

Fox+ (Fox Plus)

Uma programadora como a Fox não poderia vender os mesmos canais lineares da TV por assinatura sem uma operadora envolvida, de acordo com a lei do SeAC (serviço de acesso condicionado) que rege o conteúdo audiovisual. Em termos técnicos, a legislação proíbe a propriedade cruzada entre conteúdo e distribuição.

A Anatel entende que a Fox vem permitindo o acesso aos canais por não-assinantes de TV paga, e reconhece que ela só deveria disponibilizar conteúdo de TV ao Vivo mediante autenticação para quem paga TV por assinatura. Vale notar que a Fox ainda poderá oferecer séries e filmes para streaming, de forma semelhante à Netflix, mas não poderá fazer transmissão online de uma programação contínua.

Através de aplicativo próprio, a Fox vende o plano Fox+, que inclui 11 canais de TV ao vivo, eventos esportivos ao vivo, além de séries, filmes e documentários sob demanda. A mensalidade é de R$ 34,90, podendo ser paga diretamente pela App Store ou Google Play. Clientes de telefonia celular ou banda larga da NET, Claro, Nextel, Oi e TIM também podem assinar diretamente com a operadora.

A medida cautelar determina que a Fox passe a "condicionar o acesso aos seus canais programados em aplicações de Internet à autenticação de assinantes de Serviço de Acesso Condicionado" num prazo de 30 dias, sob pena de multa diária de R$ 100 mil, até o limite de R$ 20 milhões.

Fox+ (Fox Plus)

Caso pode afetar Premiere, Combate e WatchESPN

Além da Fox, a decisão da Anatel pode colocar em xeque a existência de outros serviços que vendem conteúdos lineares pela internet. O grupo Globo seria diretamente afetado, uma vez que passou a vender acesso ao Premiere e o canal Combate via internet, sem vínculo com operadoras.

Operadoras também seriam afetadas: a Vivo vende acesso à jogos ao vivo da NBA e NFL para seus clientes de telefonia móvel e banda larga. Além disso, o WatchESPN é comercializado separadamente e incluído em alguns planos da Vivo e Oi.

Decisão poderia fazer TV paga migrar para streaming

Marcelo Bechara, conselheiro da Abert (Associação Brasileira de Emissoras de Rádio e Televisão), disse em abril que o pedido da Claro não faz o menor sentido jurídico, segundo o TeleSíntese. Para ele, a operadora queria testar a Anatel, vendo se seria possível transmitir seus canais de TV paga pela internet a fim de pagar menos imposto.

O Teletime explica: se a Anatel entendesse que a distribuição de canais pela internet não faz parte do SeAC, isso abriria espaço para a Claro migrar seus serviços de TV por assinatura para a internet, funcionando no modelo OTT — assim como Netflix, NET Now, Telecine Play e Globoplay.

Dessa forma, a carga tributária seria menor: serviços de telecomunicações são onerados por ICMS, PIS, Cofins, FUST e Funttel; enquanto serviços de streaming pagam apenas ISS. Além disso, Claro e outras operadoras não teriam que seguir as demais obrigações impostas pela lei do SeAC.

No entanto, do jeito que está, a Anatel parece concordar que o serviço ao vivo do Fox+ deve obedecer à lei do SeAC. Segundo Bechara, isso criaria obrigações absurdas para serviços de streaming, como licenciar uma estação rádio-base e informar a área de atuação. "A Anatel não vai conseguir colocar uma regulação disso em pé, é inexequível", disse o conselheiro da Abert.

Com informações: TeleSíntese.