Início » Celular » iPhone 12 Pro: distância reduzida

iPhone 12 Pro: distância reduzida

iPhone 12 Pro tem boas câmeras, desempenho impecável e belo design, mas está menos atraente para usuários “comuns”

Paulo HigaPor
Nota Final9.7
iPhone 12 Pro (Imagem: Paulo Higa/Tecnoblog)

iPhone 12 Pro (Imagem: Paulo Higa/Tecnoblog)

A tela era a principal diferença entre o iPhone 11 e o iPhone 11 Pro. Enquanto o modelo mais caro tinha painel OLED com pretos perfeitos e resolução superior, quem queria economizar ficava com aquele gostinho de “tecnologia do passado” por causa do LCD e das bordas maiores. Nos iPhones 12, a Apple reduziu as distâncias, sem melhorar a tela, bateria ou desempenho no que ela chama de smartphone “profissional”.

O iPhone 12 Pro chega com o mesmo processador A14 Bionic, o mesmo formato achatado e a mesma conexão 5G do iPhone 12, mas tem uma câmera adicional, traz o sensor LiDAR usado em carros autônomos e chega com uma mudança aqui e ali no design. É suficiente para te fazer gastar R$ 1.500 a mais? Eu usei o iPhone 12 Pro nas últimas semanas e conto minhas impressões neste review.

Análise do iPhone 12 Pro em vídeo

Aviso de ética

O Tecnoblog é um veículo jornalístico independente de tecnologia que ajuda as pessoas a tomarem sua próxima decisão de compra desde 2005. Nossas análises de produtos são opinativas e não possuem nenhuma intenção publicitária. Por isso, sempre destacamos de forma transparente os pontos positivos e negativos de cada produto.

Nenhuma empresa, fabricante ou loja pagou ao Tecnoblog para produzir este conteúdo. Nossos reviews não são revisados nem aprovados por agentes externos. O iPhone 12 Pro foi fornecido pela Apple por empréstimo por tempo indeterminado. O produto será usado em conteúdos futuros antes de ser devolvido à empresa.

Design e tela

iPhone 12 Pro (Imagem: Paulo Higa/Tecnoblog)

iPhone 12 Pro (Imagem: Paulo Higa/Tecnoblog)

O design do iPhone 12 Pro nos remete aos iPhones antigos, que tinham bordas achatadas e ficavam em pé na mesa. Mas, além do preço, os materiais evoluíram bastante desde o iPhone 5s. A moldura de alumínio foi substituída pelo aço inox, que é muito elegante quando não está cheia de marcas de dedo. A traseira de metal agora é de vidro, para permitir o carregamento por indução. Para os desastrados de plantão, o celular ganhou mais chances de sobrevivência ao cair no chão ou na água.

iPhone 12 Pro (Imagem: Paulo Higa/Tecnoblog)

iPhone 12 Pro (Imagem: Paulo Higa/Tecnoblog)

O MagSafe, uma novidade que alguns consideram ser de conectividade, para mim está mais relacionado ao design. A Apple é especialista em fomentar a indústria de acessórios desde os tempos do iPod, e isso deve se repetir com os novos iPhones. As capas estão mais fáceis de colocar e tirar graças aos ímãs, que permitem fixar magneticamente outros acessórios, como carteiras ou suportes veiculares. Também estou curioso para ver os apoios de tripé e microfone shotgun da Moment em ação.

iPhone 12 Pro (Imagem: Paulo Higa/Tecnoblog)

iPhone 12 Pro (Imagem: Paulo Higa/Tecnoblog)

O tamanho e o peso do iPhone 12 Pro quase não mudaram em relação ao iPhone 11 Pro, mas a tela cresceu de 5,8 para 6,1 polegadas graças à redução nas bordas. O painel Super Retina XDR, que as pessoas normais chamam de OLED, tem excelente qualidade, com brilho forte para enxergar o conteúdo em qualquer condição de iluminação, o que também ajuda a ampliar o alcance dinâmico, especialmente em conteúdos com Dolby Vision.

iPhone 12 Pro (Imagem: Paulo Higa/Tecnoblog)

iPhone 12 Pro (Imagem: Paulo Higa/Tecnoblog)

Só tive uma percepção incômoda com relação à tela. Eu alterno entre tamanhos de iPhones a cada geração: testei o iPhone 8 Plus em 2017, fui para o iPhone XS em 2018, passei para o iPhone 11 Pro Max em 2019 e agora estou analisando o iPhone 12 Pro. Apesar de preferir a ergonomia dos celulares compactos, sempre senti que estava perdendo alguma coisa e ficando com aquele pensamento de que “antes cabiam mais linhas de texto aqui”. Então, mesmo com o aumento na tela, talvez você não queira trocar um iPhone Max por um menor.

Software

O iPhone 12 Pro foi testado com o iOS 14.2, disponível para todos os modelos desde o iPhone 6s, lançado há cinco anos. O longo tempo de suporte da Apple merece elogios, ainda mais considerando que só recentemente a Samsung, maior concorrente nos topos de linha, passou a prometer três anos de atualizações.

iPhone 12 Pro (Imagem: Paulo Higa/Tecnoblog)

iPhone 12 Pro (Imagem: Paulo Higa/Tecnoblog)

Eu só me incomodo com a demora da Apple em lançar recursos de software que estão no Android há muito tempo. Os widgets nas telas iniciais facilitam a vida e foram muito bem implementados pelos desenvolvedores, como no caso do Fantastical, mas a plataforma do Google tem isso desde que eu me conheço por gente. Ocultar ícones de aplicativos pouco usados também era natural no Android e só chegou agora aos iPhones.

Por outro lado, a Apple sabe integrar seus produtos como ninguém, o que talvez ainda seja o maior trunfo da empresa. É prático e muito natural simplesmente copiar um código no Mac e colá-lo no iPhone. Ou então transferir vídeos gigantes em 4K via AirDrop em pouco tempo, com uma conexão direta sem fio entre os dois dispositivos. Algo que faço bastante é escrever um texto no Ulysses no Mac e continuar exatamente do ponto em que parei no iPhone, com sincronização em tempo real.

iPhone 12 Pro (Imagem: Paulo Higa/Tecnoblog)

iPhone 12 Pro (Imagem: Paulo Higa/Tecnoblog)

É claro que tudo isso exige gastar dinheiro, tanto com hardware quanto com software: o Fantastical e o Ulysses, os dois aplicativos que citei, são pagos (e muito bem pagos). Mas a experiência continua sendo bastante consistente, não só dentro da plataforma, mas também entre as plataformas da Apple.

Câmeras

iPhone 12 Pro (Imagem: Paulo Higa/Tecnoblog)

iPhone 12 Pro (Imagem: Paulo Higa/Tecnoblog)

Nas câmeras, a Apple fez um caminho diferente da geração anterior, investindo mais em fotografia computacional do que no conjunto óptico em si. Na verdade, se você analisar os números, a resolução de todas as câmeras e o tamanho físico dos sensores do iPhone 12 Pro são idênticos aos do iPhone 11 Pro. As únicas mudanças no hardware foram na abertura da lente principal, que aumentou de f/1,8 para f/1,6, e na inclusão de um sensor LiDAR para medir profundidade.

As poucas mudanças físicas são suficientes para manter as câmeras do iPhone 12 Pro excelentes. As câmeras traseiras agradam pela consistência, tirando boas fotos no primeiro clique, com foco preciso e exposição controlada. O alcance dinâmico também impressiona, mantendo as áreas iluminadas e de sombra bem visíveis mesmo com sol forte. As cores são bem representadas, embora possam estranhar à primeira vista por serem mais quentes, diferente das concorrentes, que tendem a adotar tons mais frios.

Foto com a câmera traseira principal do iPhone 12 Pro (Imagem: Paulo Higa/Tecnoblog)

Foto com a câmera traseira principal do iPhone 12 Pro (Imagem: Paulo Higa/Tecnoblog)

Foto com a câmera traseira principal do iPhone 12 Pro (Imagem: Paulo Higa/Tecnoblog)

Foto com a câmera traseira principal do iPhone 12 Pro (Imagem: Paulo Higa/Tecnoblog)

Foto com a câmera traseira principal do iPhone 12 Pro (Imagem: Paulo Higa/Tecnoblog)

Foto com a câmera traseira principal do iPhone 12 Pro (Imagem: Paulo Higa/Tecnoblog)

Foto com a câmera traseira principal do iPhone 12 Pro (Imagem: Paulo Higa/Tecnoblog)

Foto com a câmera traseira principal do iPhone 12 Pro (Imagem: Paulo Higa/Tecnoblog)

Foto tirada com a câmera traseira teleobjetiva do iPhone 12 Pro (Imagem: Paulo Higa/Tecnoblog)

Foto tirada com a câmera traseira teleobjetiva do iPhone 12 Pro (Imagem: Paulo Higa/Tecnoblog)

Foto tirada com a câmera traseira teleobjetiva do iPhone 12 Pro (Imagem: Paulo Higa/Tecnoblog)

Foto tirada com a câmera traseira teleobjetiva do iPhone 12 Pro (Imagem: Paulo Higa/Tecnoblog)

Foto tirada com a câmera traseira teleobjetiva do iPhone 12 Pro (Imagem: Paulo Higa/Tecnoblog)

Foto tirada com a câmera traseira teleobjetiva do iPhone 12 Pro (Imagem: Paulo Higa/Tecnoblog)

Um detalhe peculiar é que as fotos tiradas com a lente ultrawide não têm distorções de barril nos cantos, conferindo às imagens um aspecto diferente e, em diversas ocasiões, melhor, já que as linhas retas permanecem retas. Falando nisso, a câmera com maior campo de visão finalmente ganhou modo noturno, capturando cenários à noite com excelente definição, boa exposição e ruído quase inexistente.

Foto com a câmera traseira ultrawide do iPhone 12 Pro (Imagem: Paulo Higa/Tecnoblog)

Foto com a câmera traseira ultrawide do iPhone 12 Pro (Imagem: Paulo Higa/Tecnoblog)

Foto com a câmera traseira ultrawide do iPhone 12 Pro (Imagem: Paulo Higa/Tecnoblog)

Foto com a câmera traseira ultrawide do iPhone 12 Pro (Imagem: Paulo Higa/Tecnoblog)

Foto com a câmera traseira ultrawide do iPhone 12 Pro (Imagem: Paulo Higa/Tecnoblog)

Foto com a câmera traseira ultrawide do iPhone 12 Pro (Imagem: Paulo Higa/Tecnoblog)

Foto com a câmera traseira ultrawide do iPhone 12 Pro (Imagem: Paulo Higa/Tecnoblog)

Foto com a câmera traseira ultrawide do iPhone 12 Pro (Imagem: Paulo Higa/Tecnoblog)

Também é interessante ver o Deep Fusion entrando em ação, especialmente na câmera frontal. A tecnologia de fotografia computacional da Apple promete melhorar a exposição e reduzir o ruído, mas a característica mais notável é a definição das imagens. As selfies têm excelente nitidez e apresentam os mínimos detalhes do rosto, em um nível que muito smartphone premium não consegue chegar com a câmera traseira.

Foto com a câmera frontal do iPhone 12 Pro (Imagem: Paulo Higa/Tecnoblog)

Foto com a câmera frontal do iPhone 12 Pro (Imagem: Paulo Higa/Tecnoblog)

Foto com a câmera frontal em modo retrato do iPhone 12 Pro (Imagem: Paulo Higa/Tecnoblog)

Foto com a câmera frontal em modo retrato do iPhone 12 Pro (Imagem: Paulo Higa/Tecnoblog)

Os vídeos também merecem atenção pela excelente definição, representação agradável de cores e alcance dinâmico aprimorado com o Dolby Vision. Aliás, todas as cenas do iPhone 12 Pro neste review foram filmadas com um iPhone 12 Pro Max, cuja análise será publicada em breve. E, nos momentos em que eu apareço no vídeo, meu ângulo secundário foi capturado pela câmera frontal do iPhone 12 Pro.

Hardware e bateria

Falar de performance de iPhone recém-lançado é chover no molhado, porque a concorrência ainda não consegue desenvolver, na mesma geração, um processador que chegue perto do equivalente da Apple. Não é uma questão de otimização, mas de desempenho bruto do processador. Eu falo isso há alguns anos, mas isso ficou muito claro com o lançamento dos MacBooks com Apple Silicon, baseados nos chips de iPhone, que estão batendo desktops com Intel sem nem precisar de ventoinha.

iPhone 12 Pro (Imagem: Paulo Higa/Tecnoblog)

iPhone 12 Pro (Imagem: Paulo Higa/Tecnoblog)

O mesmo sentimento vale para o desempenho em jogos, que é superior ao que existe no Android há alguns anos, mas desta vez em parte graças à API Metal e às outras otimizações gráficas adotadas pelos desenvolvedores. Para o iPhone 12 Pro, a Apple prometeu uma melhoria de desempenho na GPU em alguma porcentagem que eu não fiz questão de relembrar. Então, sim, a velocidade continua impecável.

O que vale a pena comentar é a bateria. Antes de tudo: não, ele não vem com o carregador na caixa, então você precisa usar o seu adaptador de tomada antigo. Mas o que eu gostaria de relembrar é que, nas últimas gerações, a Apple vinha melhorando consideravelmente a bateria dos iPhones, passando do terror que era o iPhone 7 até chegar no iPhone 11 Pro Max, que parecia que tinha bateria infinita. No iPhone 12 Pro, a capacidade da bateria diminuiu de novo.

iPhone 12 Pro (Imagem: Paulo Higa/Tecnoblog)

iPhone 12 Pro (Imagem: Paulo Higa/Tecnoblog)

Em termos nominais, a bateria passou de 3.046 mAh no iPhone 11 Pro para 2.815 mAh no iPhone 12 Pro. Apesar das otimizações no consumo de energia, a própria Apple deixa claro que houve uma redução na autonomia na prática, com promessa de 17 horas de reprodução de vídeo, contra 18 horas no modelo anterior. É verdade que o aparelho ficou mais fino, passando de 8,1 para 7,4 mm, mas economizar um grafite de lapiseira na espessura em troca de uma autonomia menor não é uma decisão que me agrada.

Nos meus testes padronizados, com 3 horas de reprodução de vídeo na Netflix, uma hora de navegação na web e meia hora de Asphalt 9, sempre com brilho no máximo e conectado ao Wi-Fi, a bateria passou de 100% para 51%. O resultado não é ruim e ficou no mesmo nível do Galaxy Note 20 Ultra, mas a redução na bateria entre uma geração e outra me parece uma oportunidade perdida de vender um celular mais completo.

Vale a pena?

iPhone 12 Pro (Imagem: Paulo Higa/Tecnoblog)

iPhone 12 Pro (Imagem: Paulo Higa/Tecnoblog)

Conclusão de review de iPhone é mais fácil. Depois de alguns anos analisando produtos, aprendi que existem basicamente dois públicos interessados no último lançamento da Apple: quem tem um iPhone antigo e está pensando em trocar pelo novo, ou quem ficou em dúvida entre um iPhone e o Samsung Galaxy mais recente.

Para quem já tem um iPhone, a troca faz sentido para os donos de iPhone XR, XS ou anterior. No iPhone 12 Pro, a tela é melhor, a bateria dura mais, o desempenho aumentou e as câmeras tiveram um avanço significativo. Eu não acho interessante migrar de um iPhone XS Max ou iPhone 11 Pro Max, a não ser que você tenha certeza de que não vai sentir falta de uma tela grande. E o 5G ainda não é um fator decisivo para justificar um upgrade, mas eu volto em 2021 para ver se minha opinião mudou.

Em relação ao Galaxy S20 Ultra ou Galaxy Note 20 Ultra, o iPhone 12 Pro oferece um desempenho superior, bateria com duração similar, câmeras mais consistentes para fotografia e uma gravação de vídeo melhor implementada com Dolby Vision. Mas o celular da Apple perde a filmagem em 8K, não tem tela grande de 120 Hz, fica sem a caneta da linha Note e é mais caro no varejo. Os três smartphones são ótimos, logo, o preço e a preferência de sistema operacional são os fatores que mais definirão essa escolha.

Só que existe um problema para o iPhone 12 Pro, e ele se chama iPhone 12. Até a geração anterior, fazia mais sentido pagar caro pela tela, fácil de ser notada como superior no modelo Pro. Em 2020, as diferenças entre o iPhone 12 e o iPhone 12 Pro ficaram basicamente por conta da lente com zoom, que uso pouco; do sensor LiDAR, que quase todo mundo consegue viver sem; e do acabamento, que é de alumínio no modelo mais barato, o que não faz diferença para pessoas normais.

Por isso, tanto para quem está migrando de um iPhone antigo quanto para quem pensa em se aventurar na Apple, o iPhone 12 Pro é um celular muito bom — mas a minha recomendação é dar uma olhada com mais carinho no iPhone 12.

iPhone 12 Pro

Prós

  • Câmeras impecáveis para foto e vídeo
  • Continua com o melhor desempenho do mercado
  • Design sofisticado e mais resistente
  • MagSafe abre possibilidades com acessórios diferentes
  • Software bem integrado aos outros produtos da Apple
  • Tela com brilho forte e excelente definição

Contras

  • Poderia ter taxa de atualização de 120 Hz
  • Ninguém pediu um celular mais fino com menos bateria
Nota Final9.7
Tela
9
Design
10
Câmera
10
Bateria
9
Software
10
Desempenho
10
Conectividade
10

Especificações técnicas

  • Tela: Super Retina XDR OLED de 6,1 polegadas (2532×1170 pixels) com taxa de atualização de 60 Hz;
  • Processador: Apple A14 Bionic hexa-core de 3,0 GHz;
  • Conectividade: 4G, 5G sub-6, Wi-Fi 6 (802.11ax), Bluetooth 5.0, NFC, UWB;
  • RAM: 6 GB;
  • Armazenamento interno: 128, 256 ou 512 GB;
  • Câmera frontal: 12 megapixels (f/2,2);
  • Câmeras traseiras:
    • Principal: 12 megapixels (f/1,6);
    • Telefoto: 12 megapixels (f/2,0) com zoom óptico de 2x;
    • Ultrawide: 12 megapixels (f/2,4) com campo de visão de 120 graus;
    • Sensor de profundidade: LiDAR;
  • Sistema operacional: iOS 14.2;
  • Bateria: 2.815 mAh com carregamento rápido de 20 watts com fio e 15 watts sem fio (carregador não incluso);
  • Dimensões e peso: 146,7 x 71,5 x 7,4 mm, 187 gramas.

Comentários da Comunidade

Participe da discussão
9 usuários participando

Os mais notáveis

Comentários com a maior pontuação

@LeandroCSC

Ótimo review como sempre,Higa !

Se eu disser que não gostei desse conjunto do iPhone 12 PRO estarei mentindo. À começar por essa cor. A qualidade das fotos é indiscutível, notadamente nas feitas com a câmera frontal. E vi fotos com e sem LIDAR. Pra quem preza por fotos de qualidade,acho que vale pegar o modelo PRO ao invés do 12 “comum”. Em vídeo ,tbm ainda é difícil bater o iPhone. Mas é isso: iPhone do ano definitivamente voltou a ser ( e a Apple deseja isso pro nosso mercado) um produto de nicho ,para poucas castas. Lógico que há tbm os compulsivos,os desenfreados que fazem loucuras e quebram a lógica .Como tbm há os fãs da marca e de tudo que simboliza a Apple, que tem certo poder de compra e continuam na maçã ( não sabemos até quando).

Da minha parte,só me vejo obrigado a partir pro produto que me entrega um pouco menos ,mas por um preço bem mais justo . Estou falando de vc mesmo,Samsung !! Nosso casamento ainda vai durar por um bom tempo… =)

Daniel R. Pinheiro (@DiFF7Skyns)

Entrega um pouco menos? Usuário de Galaxy Note aqui e não vejo iPhone nenhum que conseguiria me entregar mais do que isso, muito pelo contrário, principalmente em produtividade e praticidade…

Sem contar a maior pedra no sapato do ecossistema Apple, e que, talvez, seja o motivo pelo qual eu descerei à sepultura sem gastar um centavo em produtos dessa empresa: ecossistema fechado.

Cabos? Só Apple (mesmo que seus amigos tiverem cabos USB Type-C à torto e a direita pra lhe emprestar numa situação de urgência, vai adiantar de nada). Carregadores? Só Apple (e pague mais por um fast charging, comprando separadamente). Integração? Praticamente só Apple (se seus amigos possuírem aparelhos de diversas marcas, esqueça integração). Conexão com Windows, aplicativos de terceiros com funções extras, enfim, é um saco, perante ao leque apresentado por um Android high end.

Se você tem cacife pra ter um ecossistema completo da Apple (iPhone, iPad, Mac, etc), e de quebra vários amigos com a mesma situação, vale muito a pena ir de Apple. Mas aí é um caso entre quantos? Milhares? Milhões?

No mais, top de linha pra top de linha, os smartphones atualmente estão todos no mesmo patamar. Apple deixou de estar à frente da concorrência há muito, muito tempo…

Marcos Oliveira (@marcosoliveiran)

Sem dúvidas é um celular fantástico, que entrega o que há de melhor em praticamente todos os quesitos, mas fica uma questão. O iphone 12 Pro é tão superior assim ao Galaxy S20 Ultra para justificar o preço 2 vezes maior? Tudo bem que a compra de smartphone é uma questão em que pesa muito a emoção em detrimento da razão, mas não me entra na cabeça nem considerar os preços que a apple pratica no brasil.

Na comparação entre os 2 levando em conta o preço em dólares, a balança fica equilibrada e até pende realmente para o iPhone 12 Pro, mas em reais a diferença é absurda.

² (@centauro)

Posicionamento diferente em mercados diferentes.
A Apple optou por e conseguiu posicionar o iPhone num mercado mais de luxo do que a Samsung. E no mercado de luxo, a comparação com alternativas é menos relevante.

Frank V (@Frank_V)

“Ninguém pediu um celular mais fino com menos bateria”
EXATAMENTE.

Juliano Pereira de Castro (@JulianoJPC)

De fato, p mim o usuário vai no 12 e 12 mini ou no pro max.

Achei o 12 pro meio meah no meio, comparando a versão do passado.

O pro só tem sentido lá fora pq em alguns mercados ele tem quase o mesmo preço do 12 normal de 128 gb. Aí n tem jeito, óbvio que vc vai para o modelo pro com 6b e com alguns recursos a mais.

Mas aqui é diferente. Eu comprei um 12 pro max por 10.400 (o pro com bateria pior é quase este preço), e na black friday tinha um 12 por 5800. N pensei duas vezes. Cancelei o primeiro, que estavam me enrolando p entregar, e estou muito satisfeito com o 12 normal.

É fato que esta geração foi meio trambique. N tá com o chip 5g mais moderno, e aí menos duas horas de bateria; n deu tempo de aumentar a taxa de atualização de tela por causa da pandemia; a bateria se perdeu nesta história etc.

Óbvio, portanto, que vou querer atualizar na próxima geração qdo estas melhorias chegarem. Então vi que era melhor deixar p ir nos modelos pro qdo forem pro de verdade.

Douglas Knevitz (@Douglas_Knevitz)

Era o mais moderno até semana passada. Essa semana a Qualcomm já oficializou o modem 5G novo, dessa vez integrado ao SD888. Digo até que as duas, Apple e Qualcomm trabalharam rápido para dar conta do 5G, já que começaram os trabalhos bem em cima da hora. Os 120Hz teve cara de problemas com a supply chain. Imagino que o sensor shift no 12 Pro normal, também.

Para quem compra sempre a versão não Pro, esse foi o melhor ano. O Pro desse ano ficou menos Pro.

Filipe Espósito (@filipeesposito)

Acho que tanto o 12 mini e o 12 Pro são aparelhos pra “empurrar” o usuário aos respectivos modelos mais caros. O 12 mini é bom, mas tem muita gente que já estava acostumado com o iPhone XR/11 e não vai regredir para um aparelho menor, logo vai gastar mais para comprar o iPhone 12 normal.

Na linha Pro, o cenário é parecido. Quem é usuário Pro mesmo e vai pagar mais caro pra ter as melhores câmeras ou bateria provavelmente vai optar logo pelo iPhone 12 Pro Max a não ser que realmente o tamanho mais compacto do 12 Pro normal seja muito importante na balança.

Eu tinha um 11 Pro Max e fui para o 12 Pro Max. Confesso que o tamanho e o peso me incomodam um pouco e eu adoraria usar um modelo de 6.1 polegadas, só que eu dou muita prioridade para os recursos de câmera — logo, migrei para o 12 Pro Max.

Juliano Pereira de Castro (@JulianoJPC)

Não. A Qualcomm lançou muito antes o chip x60 de 5 nanômetros (fevereiro deste ano). A Apple usou o x55 de 7 nanômetros, lançado em fevereiro de 2019.

A versão não pro este ano tá cheio de vantagens. Ano que vem deve mudar, pq acredito que a taxa de atualização maior, por exemplo, deva vir só p os pro.

Juliano Pereira de Castro (@JulianoJPC)

A diferença de preço e pouca, n tem como n ir no pro max ao invés do pro. Estabilização melhor, sensor maior. Fora a maior autonomia de bateria.
Só se tiver muito problema com o tamanho, caso contrário nem tem como, ao menos por aqui.

Douglas Knevitz (@Douglas_Knevitz)

Por isso eu disse que já era tarde para ambas trabalharem junto no iPhone 12. Na época em que o iPhone estava em desenvolvimento, não existia X60.