Início » Negócios » Tudo o que deu errado no Uber em apenas seis meses

Tudo o que deu errado no Uber em apenas seis meses

A situação da empresa que revolucionou o mercado de transporte não é boa em nenhum lugar do mundo

Por
16/06/2017 às 15h30

O Uber nunca esteve tão presente na mídia quanto nesta primeira metade de 2017. Mas não foi por causa das expansões em novas cidades, investimentos em tecnologias inovadoras ou mesmo brigas com taxistas. A empresa avaliada em US$ 69 bilhões se envolveu em uma série de polêmicas que culminaram na demissão de executivos do alto escalão e até na saída do presidente.

Mas como o Uber chegou até aqui? As confusões vão de práticas de mercado no mínimo questionáveis a acusações de assédio sexual no ambiente de trabalho. Vamos relembrar tudo o que deu errado na empresa em apenas seis meses (na verdade, cinco meses e meio). Sente-se, porque o texto é longo.

#DeleteUber: 200 mil contas excluídas em apenas uma semana

A empresa já começou o ano se envolvendo em política. Em janeiro, o Uber desativou manualmente a tarifa dinâmica no aeroporto John F. Kennedy, em Nova York, durante protestos contra o decreto de Trump que restringia a entrada de imigrantes de países islâmicos. A atitude foi vista como uma afronta à manifestação. Para piorar, o CEO Travis Kalanick era membro do conselho de administração do presidente americano.

Como resultado, 200 mil usuários deletaram suas contas do Uber em apenas uma semana. As solicitações foram tão numerosas que a empresa teve que desenvolver uma ferramenta para automatizar o processo; até então, os funcionários precisavam excluir cada conta manualmente.

Reforço para conter assaltos e sequestros no Brasil

Nem todo mundo tem cartão de crédito, e o Uber decidiu começar a aceitar pagamento em dinheiro em cidades brasileiras para aumentar sua fatia de mercado — o que realmente aconteceu. Eles só não esperavam que o número de assaltos e sequestros fosse subir tanto. Com medo, motoristas passaram a evitar corridas em dinheiro quando solicitadas por usuários recém-cadastrados ou em lugares de maior risco.

Para conter os bandidos, o Uber passou a exigir que os usuários informassem o CPF caso quisessem solicitar uma corrida com pagamento em dinheiro e não tivessem um cartão de crédito cadastrado. O documento informado pelo passageiro é validado no banco de dados da Receita Federal.

Os motoristas estão cada vez mais insatisfeitos

Além dos assaltos e sequestros, os motoristas estão se voltando contra o Uber devido aos baixos rendimentos. As modalidades econômicas chegam a custar metade do preço do táxi comum, e os motoristas reclamam que os ganhos mal pagam o combustível, manutenção e depreciação do automóvel. Ainda assim, o Uber chega a ficar com 30% do valor de todas as corridas.

Como se não bastasse, o Uber calculou errado os impostos e embolsou indevidamente US$ 45 milhões de motoristas de Nova York, uma média de US$ 900 por parceiro. O Uber percebeu o erro e reembolsou os motoristas em maio. Mas não foi a primeira vez que isso aconteceu: dois meses antes, a empresa descobriu que pagou milhões de dólares a menos para motoristas da Filadélfia.

E alguns usam o jeitinho brasileiro para ganhar dinheiro

Motoristas vêm utilizando artimanhas para garantir rendimentos maiores. Uma delas é negociar a tarifa por fora em locais de alta demanda, como em casas noturnas. Outra é aceitar uma viagem e estacionar a alguns quarteirões de distância; o cliente acaba desistindo da corrida e o motorista ganha a taxa de cancelamento, de R$ 4 a R$ 9.

No aeroporto de Guarulhos, onde há uma fila de espera virtual, existe a técnica de ligar para o passageiro e descobrir o destino da viagem; se a corrida for curta, o usuário é induzido a cancelar e o motorista volta para a mesma posição na fila. Outros chegaram a utilizar o Fake GPS para burlar a localização do smartphone e simular que estavam na região do aeroporto para entrar na fila, mas o Uber já bloqueou a trapaça.

Com a expansão, os usuários notaram queda na qualidade (e na segurança)

Com a rápida expansão no Brasil e a inclusão de motoristas sem critérios rigorosos, os passageiros começaram a notar a queda na qualidade. Antes com carros novos e espaçosos, mesmo na categoria mais econômica, os usuários passaram a ter que aceitar veículos mais antigos e apertados, como Uno e Palio, que no começo eram proibidos. Mimos que ajudaram a popularizar o Uber, como balinha e água, também cessaram.

O Uber acabou lançando uma modalidade intermediária entre uberX e UberBlack, chamada de UberSelect, que aceita somente carros selecionados fabricados a partir de 2012. Além disso, o Uber testa no mercado brasileiro um serviço chamado Uber VIP, que disponibiliza os motoristas com as melhores avaliações e veículos para os usuários mais frequentes.

Foto: EPTV

E o relaxamento no filtro para se expandir rapidamente interferiu na verificação de segurança dos motoristas, que em tese precisam enviar um atestado de antecedentes criminais ao Uber para operar. No entanto, o Uber já aceitou um motorista com passagem na polícia por receptação de veículo e outro por homicídio e roubo; este último foi preso enquanto roubava uma residência na zona sul de São Paulo.

O CEO resolveu bater boca com um motorista

Dada a insatisfação dos parceiros, era esperado que o CEO Travis Kalanick recebesse alguma reclamação, afinal, ele também utiliza o Uber para se locomover. No entanto, em vez de ouvir o relato de um motorista descontente com os baixos rendimentos, ele decidiu bater boca. O que o executivo não esperava é que a conversa estivesse sendo filmada.

O vídeo acabou viralizando na internet e Kalanick teve que pedir desculpas publicamente no blog da empresa. Na nota, o CEO reconhecia ter tratado o motorista com desrespeito e afirmava que “envergonhado” era pouco para o que estava sentindo.

Multa pelo Procon por cobrança indevida

Em março, o Procon-SP multou o Uber em R$ 13,6 mil por não restituir corretamente os clientes por serviços cobrados indevidamente e não disponibilizar os dados de identificação da empresa de forma adequada, descumprindo a legislação brasileira. De acordo com o Procon-SP, “a empresa cobrou por serviços que não foram prestados, exigindo dos consumidores vantagens manifestamente excessivas”.

Softwares para despistar autoridades e espionar concorrentes

O Uber foi pego com pelo menos dois softwares utilizados para finalidades no mínimo questionáveis.

Um é o Greyball, que tenta identificar autoridades cadastradas no aplicativo, como policiais e agentes de trânsito. O objetivo era despistar a fiscalização em cidades que demonstravam resistência contra o Uber; no entanto, isso pode ser considerado um desvio ético ou até uma atividade criminosa. Depois da descoberta, o Uber decidiu rever o sistema.

Lyft app

O outro é o Hell, que servia para espionar o maior concorrente nos Estados Unidos. O Uber criou contas falsas no Lyft para descobrir dados de localização de motoristas e deduzir quais trabalhavam para os dois serviços. Depois, eles recebiam incentivos financeiros para prestar serviços exclusivamente ao Uber. O Hell foi descontinuado porque se tornou inviável à medida que o Lyft se expandiu para várias cidades.

Acusado de roubar tecnologia do Google

A tecnologia de carros autônomos, uma das maiores apostas do Uber para os próximos anos, está em risco por causa de um processo do Google. A empresa de transporte é acusada de ter contratado um ex-funcionário do buscador que copiou indevidamente 14 mil documentos sigilosos.

O funcionário, Anthony Levandowski, recebeu mais de US$ 250 milhões em ações do Uber apenas um dia depois de sair do Google. Ele chegou a ser contratado para liderar a divisão de carros autônomos do Uber. Em meio à confusão, acabou sendo demitido no final de maio por não colaborar com as investigações.

E os carros autônomos do Uber não andaram muito bem: em março, um veículo virou de lado após ser atingido por outro que fazia uma curva à esquerda. Ninguém ficou gravemente ferido, mas o projeto de carros autônomos foi temporariamente suspenso pela empresa.

Assédio sexual dentro da empresa

A denúncia de uma ex-engenheira de software do Uber, Susan Fowler, foi seguida por uma chuva de relatos de assédio sexual dentro da empresa. Fowler diz que, do primeiro ao último dia de trabalho na companhia, um gerente a abordava com a intenção de ter relações sexuais. Ela procurou o RH diversas vezes, mas não obteve apoio em nenhuma delas.

O CEO Travis Kalanick inicialmente tentou amenizar o problema, dizendo que a empresa se esforçava para oferecer um ambiente de trabalho adequado para todos. Depois do assunto ganhar o noticiário, o Uber abriu uma investigação para relatos de assédio sexual. Pelo menos 20 funcionários, que não tiveram seus nomes identificados, foram demitidos.

Demissões de executivos e gente pedindo para sair

Com tantas confusões, muitos funcionários foram demitidos ou decidiram abandonar a empresa. Dá para fazer uma lista bem extensa:

O CEO Travis Kalanick, nesta semana, se afastou do cargo por tempo indeterminado. O executivo, no entanto, diz que a decisão de se afastar da companhia tem unicamente motivações pessoais, já que sua mãe faleceu em um acidente de barco e seu pai permanece internado em estado grave. Ele afirma que está trabalhando para construir um “Uber 2.0”, mas que só conseguirá fazer isso se trabalhar também um “Travis 2.0”.

Atualização em 21 de junho. Após pressões de cinco dos principais investidores da startup, Kalanick renunciou ao cargo de CEO em definitivo. O executivo continuará ocupando o conselho de diretores da empresa e ainda detém a maioria das ações com direito a voto.

Pode ficar pior no Brasil

Tramitam na Câmara dos Deputados duas emendas ao projeto de lei 5.587/2016 que inviabilizam o funcionamento do Uber e outros aplicativos de transporte no Brasil. São Paulo é a segunda cidade com mais corridas de Uber no mundo, depois da Cidade do México.

Uma das emendas define que o transporte por individual por meio de aplicativos deve ser autorizado pela prefeitura de cada município, assim como acontece com os táxis. Outra estabelece que os carros usados no atendimento devem ter idade máxima definida e precisarão ser devidamente registrados para identificação por placa vermelha, como os táxis.

E os concorrentes estão vindo com força

Se o Uber passa por um momento ruim, os concorrentes estão comemorando a época de vacas gordas. O Cabify recebeu US$ 99.999.994 em investimentos (também conhecido como US$ 100 milhões) para derrubar o Uber na América Latina. A empresa, de origem espanhola, planeja levantar US$ 200 milhões para conquistar mercado especificamente no Brasil.

A brasileira 99 recebeu US$ 200 milhões, sendo US$ 100 milhões da japonesa SoftBank e outros US$ 100 milhões da chinesa Didi Chuxing. A Didi é a maior rival do Uber, tendo investimentos nos principais concorrentes, como a 99, a americana Lyft, a indiana Ola e a singapurense Grab. Ela também comprou a divisão do Uber na China, essencialmente acabando com a empresa de Kalanick no país mais populoso do mundo.

  • rocarmo

    Uber abriu caminho mas não soube lidar com a posição que conquistou. Mais ou menos como o Yahoo.

    Acredito que essa polarização entre Taxi e Uber vai acabar em breve, com outros concorrentes surgindo. Principalmente porque esses concorrentes receberão investimentos dos interessados nesse mercado que, vendo a confusão interna do Uber, jamais colocariam seu dinheiro lá.

    Eu, particularmente, se tiver opção de usar um concorrente pelo mesmo preço, usarei. Não serei cliente de uma empresa com atitudes como o Uber. Sei que outras empresas podem ter os mesmos problemas, mas se eu souber e tiver opção de boicotar, assim o farei.

    • Valdez Nunes

      seria bom se o taxi acabasse ai voces iam pagar bem caro por uma corrida e a corrupição dessas empresas kkkkkkkkkkk

      • Com certeza, até porque é proibido criar novos apps pra gerar concorrência, né?

      • Ed

        A concorrência do Cabify, 99 e Easy está aí pra isso =D

      • Douglas Ullmann

        Chegou o taxista frustrado

        • Um comentarista chato sem nick

          Ele não tá tão errado.

          Lembremos que há alegações que o Uber pratica “dumping” para tentar dominar o mercado. O preço para botar um carro na rua é outro. Dumping, dependendo das condições, também é uma corrupção (uma quebra de regra – neste caso as regras de que a oferta de um serviço não pode ter valor mais baixo do que seu próprio custo).

          Há teorias de que se o Uber ficasse como serviço único após as ações de dumping – e por consequencia a quebra dos serviços de táxi e concorrentes, teria liberdade para aumentar seus preços indefinidamente.

          A lógica dele tem validade.

        • Leandro Gomes de Azevedo

          Quem pode anda de táxi!
          VC pelo visto não! Então paga e anda de Uber…
          Mendigo …

          • Douglas Ullmann

            Outro taxista frustrado.
            Já está procurando emprego, amigo?

          • Leandro Gomes de Azevedo

            Não, sou concursado …
            Tenho um táxi e uma pessoa que sustenta sua família trabalhando no meu carro…
            O Brasil está a merda que está por isso , pessoas como vc que compactuam com o que é errado…
            Show a Uber , apoio eles , só que tem que haver uma legislação sobre a atividade deles . Uma grande evasão de dívida e sonegação fiscal as contas públicas, mas tenho certeza que para vc isso não faz diferença , ao final vc quer apenas se deslocar para onde for pagando migalhas para um motorista desesperado que no momento vê a Uber ou cabify ou qualquer outro app como solução para a situação que está…
            Uber e os outros são uns grandes oportunistas aproveitaram a quebra do Brasil e estão escravisando motoristas , mais assim que nossa economia der uma aquecida eles quebraram pois ninguém em sã consciência vai trabalhar em regime de escravidão que estão por tão pouco…
            Vai lá amigo continua pagando 5 , 10 reais pelas corridas. E cuidado pois a qualidade do serviço já caiu muito e os motoristas agora são outros…

          • Marcelo Lessmann

            Sou concursado significa….não quer trabalho, só uma teta…
            Tenho um táxi…significa um atravessador, ganhando dinheiro do trabalho alheio… querendo falar mau de outras empresas ou pessoas?! Sério…olhe num espelho

          • Leandro Gomes de Azevedo

            Quem está falando mal ? So precisa de leis…
            E concursado significa que lutei muito para chegar aonde cheguei , agora chamar taxista de atravessador você é louco quero ver você sair do Anonimato e falar com taxista na rua que ele é atravessador covarde

          • Amanda Pagliari

            Bom, não acho que precise de lei pra tudo. Até por que Taxista de Uber não tem as vantagens que taxista tem como isenção de impostos na compra de carro, e em São Paulo a empresa paga a taxa pra prefeitura, então não vejo mimimi

          • Leandro Gomes de Azevedo

            Respeito sua opinião, Mas não se resume em apenas isenção de algumas taxas , taxista é uma profissão não um bico que muitos fazem , sei que já pessoas sustentando famílias com a Uber mais o motorista está escravizado e certeza descontente , pergunte a motoristas da Uber se estão felizes …
            E leis tem que haver sempre , imagina se toda multinacional entra aqui em nosso país e faz isso aqui de terra de Marlboro…

          • Verdade e Justiça

            Frustado por não conseguir uma autonomia??? vai ralar, trabalhar e arrumar dinheiro para investir em alguma seu trouxa. Táxi é uma empresa como qq outra, precisa de investimento e de trabalho. Cada um ganha um o seu e ponto final. Vai reclamar dos donos de loja então que compram para revender e põe pessoas para trabalhar vendendo pagando salário mínimo. Zé cuzão

          • Marcelo Lessmann

            Usa o nome Verdade e Justiça, mas assina como Zé Cuzão…não entendi…rs
            PS: Táxi não é como uma empresa qualquer…mas esse é o Brasil

          • Julio Martins

            Concordo Leandro atuo na Uber por questões financeiras e sustento familiar, mas, tao logo arrume um emprego saio dessa furada. Tambem nao acredito que em sã consciência as pessoas permaneceriam nesses apps. So acho que os taxistas tem que entender de uma vez por todas que muitos estao na uber por necessidade e se querem reclamar reclamem com as autoridades. Isso nao tem nada haver com ser a favor da empresa corrupta, ilegal e bla bla bla tem haver em colocar o pão de cada dia em casa. Logo logo assim que a crise passar tudo vai normalizar e os taxistas certamente terão dias melhores.

          • Leandro Gomes de Azevedo

            Não tiro nenhuma palavra sua , faço as minhas…

        • Leandro Gomes de Azevedo

          Táxi não é pra quem quer é pra quem pode !

    • Jefferson Rodrigues

      Vi, na Google play, as pessoas reclamando dos taxistas da 99, que não usam o GPS para poder roubar mais. Eu desisti de usar esse serviço. Prefiro o Uber.

      • Um comentarista chato sem nick

        “Prefiro usar a concorrência do que reclamar meus direitos (ou procurar profissionais melhores).” É… normal este papo por aqui.

        Tem gente que faz programação e cobra mais caro (a ponto de roubar) do que o outro programador que cobra valores mais justos, mas o pessoal achincalha ele por nada…

      • daniel

        tem motorista do uber que termina a corrida bem depois que te deixa no local. isso não é exclusividade de taxista.

        • Sergio Jesus

          Taxista não faz isto, o usuário paga o valor do TAXIMETRO FISICO no local onde desembarca do veículo.

      • Verdade e Justiça

        Acho que vc não leu a reportagem na parte que falam das “artimanhas” dos motoristas uber??? Ou é cego ou é acéfalo???

        • Don Pedron

          Pela raiva das tuas frases você só pode ser taxista que dá chilique porque perdeu o monopólio. Uber dá metade de uma corrida de táxi. Isso sim é preciso aceitar que dói menos.

      • Verdade e Justiça

        Estupro, assédio, tráfico de drogas, homofobia, racismo, roubos, furtos, dumping, evasão de divisas, CLONAGEM DE CARTÃO. Tudo que é tipo de crime se vê na uber. Para apoiar assim só pode ser motorista uber ou parente de algum. kkkkkkkkkkkkk digita no google esses crimes acompanhado de uber. Superou os crimes dos taxistas em apenas 2 anos de funcionamento aqui no Brasil. Duvida?? pesquisa e depois vai no reclame aqui para saber a reputação da uber. kkkkkkkkk contra fatos não há argumentos, chora e aceita que doi menos.

        • Até porque o mundo é um lugar lindo e maravilhoso onde você não tem que andar esperto porque todos do planeta são confiáveis e de respeito.
          Todos os problemas que você citou ai acontece a anos com táxis e vc vem falar merda como se isso só acontecesse no Uber!? Espero que o Uber e os outros concorrentes extingue os taxistas que não aceitam novas concorrências!

      • André G

        Eu desisti do 99 táxi pq estava indo para o aeroporto de Guarulhos e fui usar um cupom de 30 reais de desconto, o valor estimado seria de 110 reais e com os 30 reais de desconto sairia mais barato que os 90 reais do Uber Select e melhor que o Uber X que custava 75.

        O problema foi que a viagem estimada em 110 reais acabou saindo por 150! Se fosse uns 15 reais a mais eu não me importaria muito, mas 40 reais a mais é muita diferença, seria melhor ter ido de Select.

        • Jefferson Rodrigues

          Eu li comentários de que muitos taxistas não aceitam o cupom de desconto e cobra pelo valor integral.

  • Já aguardo ansiosamente empresas como Cabify na minha cidade. Empresas grandes que realmente cheguem pra concorrer com Uber, pq T81 e Yet Go até tem, mas carro que é bom nada. Eu e minha namorada temos uma média de 150~200 viagens de Uber por mês. E apesar de saber que a Uber abriu caminho para uma revolução na forma como nos conduzimos, já chegou a hora da concorrência chegar com força.

    O serviço caiu muito, todo dia pelo em uma viagem, tem alguma reclamação pra fazer, e não é por birra. Eu reclamo sempre que não tem cinto de segurança nos bancos de trás, geralmente porque o motorista mesmo esconde. E sabe porquê? Porque uma vez estava eu no banco de trás com minha namorada, nesse dia, utilizando cinto e um motoqueiro bêbado colidiu com o Uber, quebrou o vidro traseiro, espalhou estilhaços por cima da gente e tudo. Se não fosse o cinto teria acontecido algo pior e nunca se sabe quando algo assim acontecerá.

    Água e balinha existiram só no inicio, hoje é pokemon raro. Mas nem ar-condicionado alguns motoristas ligam mais, e é que moro em Fortaleza, imagina só. O atendimento ruim por parte dos motoristas é outra coisa que tem crescido, até por falta de acompanhamento da própria empresa.

    Enfim: Cabify, estou te esperando de braços abertos…

    • Ed

      Rapaz… 150 a 200 corridas por mês????? Eu não faço tudo isso nem com meu próprio carro, e olha que eu uso ele pra ir ao trabalho e faculdade.

      • É o custo de decidir não ter carro por enquanto, e ter que usar uber pra tudo, mas pode ser que a conta esteja errada pq só minha namorada faz 4 viagens por dia no mínimo, hahaha. Apesar da dor de cabeça com alguns motoristas, tem compensando.

        PS: Pra mim Uber mudou minha vida, na questão de transporte. Deixei de andar de ônibus, pq muitas das viagens até saem melhores que pegar ônibus.

        • Ed

          Essa conversa me fez lembrar desses dois textos:

          https://ofli.com.br/como-me-sinto-7-meses-após-trocar-meu-carro-pelo-uber-de9e26588b48

          https://medium.com/@renefraga/troquei-meu-carro-pelo-uber-8af0f9f2c99

          No meu caso, fiz as contas bem detalhadas do custo do meu carro por km rodado, considerando tudo: combustível, impostos, manutenção, revisão, até mesmo a depreciação e o custo de oportunidade. Me assustei com o alto valor obtido na conta. Ainda assim, saiu um pouco mais barato que o Uber para mim.

          Eu uso o serviço eventualmente, mais aos fins de semana, quando quero beber ou ir a algum lugar complicado de estacionar. O Cabify ainda não chegou na minha cidade. Assim que chegar vou usar também. Concorrência é sempre bem vinda.

          • Olha, de verdade, eu prefiro ter um carro, até pq amo carros, sou apaixonado mesmo. Mas são tantos contratempos que dá desgosto. Meu último carro era um Onix 2016, novinho. Estacionei ele de boas, quando menos espero uma pessoa foi tirar o carro dela e arranhou a lateral do meu…

            Sem contar os perigos de assalto, aqui é barra pesada. Multa? Piscou o olho toma multa. Se vc descuida e derruba um motoqueiro é mais dor de cabeça porque eles mesmo não estão nem ai pra vida deles. Gasolina R$3,85 e estacionamento caro. Sem contar manutenção, troca de óleo, lava jato, etc.

            É tanta coisa que eu prefiro “ganhar tempo” me abdicando de ter um “bebê” de quatro rodas por enquanto.

            Não é as mil maravilhas, como muita gente prega. Tem muito motorista mala, carro ruim, mas foi uma escolha que eu tomei, tenho que arcar com ela.

          • Sim, coloca na ponta do lápis ai dois celulares furtados dentro de ônibus:

            R$3,75 da passagem + R$1.500,00 do celular + trauma (não tem preço).

            Custo de uma viagem de transporte público: R$1.503,75.

            Agora multiplica por 2x (número de vezes que ocorreu)

            Duas viagens de ônibus: R$3.007,50

            Uber: Preço mínimo R$6 dá pra fazer mais de 500 viagens e não perder mais o smartphone.

            Nem tudo é questão de preço anonimo não hipócrita. 😉

          • Além de anônimo é hacker e sabe até meu voto, hahaha, nem vou dar mais atenção a este ser que vive na Matrix…

            Se eu compro celular caro é porque eu quero, o dinheiro é meu, ponto final.

            Se eu uso uber e vc não, cada qual no seu quadrado. Vc n vai me fazer voltar a andar de ônibus, nem eu vou te fazer andar de uber com meus argumentos. Só coloquei na conta os aparelhos pq com a insegurança do transporte público houve recorrência nos assaltos. Nunca vi isso em Uber, ou até mesmo taxi, então pra mim, é fator mais que determinante.

          • Um comentarista chato sem nick

            Não, não sei seu voto. Falo “votou errado” como provocação, para ver se você entende como é a política (que pode reclamar o que for, mas também tem a haver com o uso de um Uber, táxi, transporte público ou o policial que tenta evitar o furto do seu celular).

            E nem quero atenção. Só quero, diferente de outros autonominados trolls, provocar a mente alheia.

          • Marsupial radical

            Tem cada alucinado por aí… Hahah

          • Ed

            É, eu mencionei que no meu caso o carro ainda compensa financeiramente, mas tem essas outras questões de tempo de trajeto (é mais rápido chegar a um lugar tendo um motorista que te deixa na porta, em vez de ficar rodando atrás de vaga), tempo gasto com manutenção (levar o carro ao posto, à oficina, ao lava jato, etc), risco de acidentes (o motorista também pode se envolver em acidente, mas aí é ele quem deverá ir atrás de BO, seguradora, oficina… não o passageiro), fora o stress que é dirigir nas grandes cidades.

    • Dionisio Soares

      Pelo valor das corridas tem que andar de uno e Palio mesmo, está bom de mais!
      Uber e para o povão!!!

  • …Os usuários passaram a ter que aceitar veículos mais antigos e apertados, como Uno e Palio

    UNO só é considerado carro no Brasil, em país sério o povo não pega isso nem de brinde kkkk

    • Leandro

      peguei um moto de UNO uma vez, foi horrível…é apertado demais, ah…não gostei…

      • Eu vou cancelando até achar uma corrida que eu sei que n vou ter problemas, seja pelo carro ou pela nota do motorista.

    • O anônimo falando do mal identificado.

  • uso o uber porque é o que tinha quando chegou… talvez seja hora de testar outras…

  • Deilan Nunes

    rapaz, nao sei quem ta pior, o gov brasileiro ou o uber.

    • Com certeza o governo. Nunca vi político vindo de carro me buscar pra levar pra algum lugar, só aparecem pra sugar dinheiro da gente. O Uber pelo menos presta um serviço.

      • Muito pelo contrário. Vemos motoristas buscarem eles em carros ótimos.

        • Você leu minha resposta errado, lê de novo.

  • Mauricélio Mesquita

    Uber errou feio quando colocou os motoristas contra ela, o Black era sucesso absoluto no Brasil, com os motoristas ganhando bem e prestando um serviço de primeiro mundo, ai a Uber lança o Uber X, que na verdade levou milhares de motoristas do Black a falência, muito tiveram que entregar seus carros e continuam com dívidas, Uber passou a aceitar qualquer um até ex presidiários e carros lixos, bem diferente do começo no Brasil e no Rio de janeiro, aqui no Rio de janeiro tínhamos uma frota de 100 carros todos novos e de luxo, Nissan sentra, Corolla, Azera, Mercedes c180, BMW novas, Land rover, Audi a3, Audi A4, Jetta Tsi, FUSION Híbrido, todos os motoristas ganham dinheiro, clientes super satisfeitos, com água, bala e outros mimos e a Uber faturando milhões, da noite pro dia a Uber supreendeu a todos e colocou o Uber x com carros velhos e o fim do terno e gravata, todos os motoristas de carros de luxo faliram e muitos ainda devem até hoje, Uber so cometeu erros. Triste pois éramos a elite do transporte e considerados pelos clientes como serviço de primeiro mundo, hoje os poucos que rodam no Uber x vivem sendo assaltados e até sequestrados, mais isto quem escolheu foi a Uber, agora para nós motoristas nos resta ir buscar nossos direitos na justiça.

    • Alessandro Tavares

      “….agora para nós motoristas nos resta ir buscar nossos direitos na justiça.” Vou ser bem sincero com você:
      – Alguém convidou o motorista a integrar-se ao quadro de funcionários da Uber?
      – Algum parante indicou para trabalhar na Uber?
      – Há algum contrato formalizado?
      – Houve processo seletivo?
      – Há vínculo empregatício comprovado?

      E outras;
      A estratégia organizacional, pertence a Empresa, quem trabalha é EMPREGADO, não tem essa de você concordar ou não, gostar ou não, se não ta satisfeito, saia, pois tem muitos que gostariam de estar no lugar que você está/esteve.

      Agora você dizer essa frase supracitada, é o velho e nojento “jeitinho brasileiro”: Não tenho competência para assumir as responsabilidades/riscos, irei recorrer ao judiciário para tentar pegar uma graninha.

      • Gedson Junior

        Olha amigo, já foi decidido uma vez que o vínculo com o Uber é empregatício sim. Não é difícil acontecer de novo.

        • Um comentarista chato sem nick

          Infelizmente foi revertido na segunda instância. Não sei se está em processo ainda. Mas não duvido que esteja.

        • Minduim
          • Gedson Junior

            Olha só, que reviravolta. Ainda acho que tem vínculo sim, mas né, quem sou eu pra julgar essa lei retrógrada.

          • Pedro Neto Vasconcelos
          • Mauricélio Mesquita

            Vou te responder que tem, em São Paulo a Uber já perdeu 49 processos dos 150 e até agora a uber não ganhou nenhum, ainda faltam 101 processos a serem julgados em SP, no RJ já perdeu 31 dos 37 processos faltando a ser julgados 6, a mídia não fala, mais Uber está no desespero pois cada processo em média a uber tem perdido de 130 mil a 300 mil reais, coisa que ela Uber não esperava no Brasil.

        • Alessandro Tavares

          Decidido por quem? Você?! Me informe por gentileza o número do processo ou cite a decisão do Magistrado aqui.

        • Alessandro Tavares

          Não há como ter vínculo em um lugar que você não tem subordinação, não há como ter vínculo em um lugar que você não tem horário fixo ou flexível pré estabelecido em contrato de trabalho. Fora outras eventualidades que descartam qualquer possibilidade de vínculo empregatício.

          Agora, já que o senhor afirma que foi “decidido”, espero que essa decisão não tenha sido tomada por você. Poste então o número do processo para eu analisar ou a decisão do Magistrado para nós apreciar.

          • Mauricélio Mesquita

            Não tem subordinação, não tem contrato, vejo que você é um cliente doente e alucinado pela Uber, agora mesmo que vai ficar sem respostas sobre os vínculos empregaticios, senhor procure primeiro se informar pra depois comentar, pra não sair falando de assuntos que não sabe.

          • Alessandro Tavares

            Haha, filho, eu não preciso de respostas, porém, eu darei uma, para expandir vosso conhecimento e libertai-vo dessa linguagem lamentável que o senhor utiliza, segue a sentença do acórdão proferido no Regional do TRABALHO (T R A B A L H O) em MG, segue processo: 0011359-34.2016.5.03.0112

            Vou lhe resumir, pois imagino que o senhor não tenha conhecimento jurídico: *O autor teve o pedido de vínculo NEGADO e foi condenado o mesmo a pagar multa ao Uber pelas custas processuais.*

            Essa decisão virou Jurisprudência, é e está sendo usado em qualquer pedido de reconhecimento de vínculo. Mas já que o senhor em sua ilustre sabedoria diz e rediz que a Uber perdeu inúmeros processos na vara de TRABALHO, por gentileza, informe-nos para nos agraciar desta informação. PS: Não quero JEC (Juizado Especial Civel) quero TRABALHO, com a decisão reconhecida de vínculo emrpegatício.

            Segue a decisão da Relatora:

            https://d2f17dr7ourrh3.cloudfront.net/wp-content/uploads/2017/05/Aco%CC%81rda%CC%83o-RO-Uber-x-Rodrigo-Leonardo-Silva-Ferreira-proc.-0011359-34.2016.5.03.0112-2.pdf

          • Mauricélio Mesquita

            Realmente o senhor é um gênio, não vou ficar debatendo com gênio, afinal parece que sou o burro do Shrek, comédia

      • Mauricélio Mesquita

        Tenho que rir da sua resposta, vc estava na Uber desde o começo, sabe como a Uber chegou ao Brasil, se estava desde o começo você já tem a resposta e eu não preciso ter responder, se você é novato ou cliente, então vai ficar sem respostas.

    • Douglas Ullmann

      Gostaria de saber quais “direitos” que vocês vão pleitear.

      • Um comentarista chato sem nick

        Não sou especialista em direito, mas acho que se boa parte dos motoristas “à serviço do Uber” pleitearem algo na justiça, e for provado que:

        – Estes profissionais agiram plenamente dentro das regras do Uber, como profissionais “do Uber”.
        – Forem profissionais que tiveram alguma dedicação a empresa

        É possível pleitear algo em cima.

        Em tempos: Pelo que sei, outros países estão considerando o Uber como um empregador, não como “uma plataforma de serviços”. https://www.bloomberg.com/news/articles/2016-10-28/uber-loses-london-lawsuit-over-drivers-rights-law-firm-says

        É meio que falar que “os profissionais do Tecnoblog só prestam serviços ao site”. A famosa “PJotização”.

      • Alessandro Tavares

        A Uber foi malandra e ao mesmo tempo deu sorte. Malandra de “encantar” os brasileiros com promessas de altos rendimentos e etc, e deu sorte, pois entrou em atividade, justamente em uma hora que o Brasil tem um número elevado de desempregados.
        Com a situação precária e você precisando de R$, vendo que seus ganhos caíram drasticamente, procura um advogado qualquer e ele faz o trabalho dele. Indicar o Autor a entrar na justiça. Infelizmente não há direitos a serem pleiteados por parte do trabalho. Quanto a segurança e etc, não é problema da Uber, é problema de segurança Pública, onde cabe o Estado resolver. Ou seja, infelizmente não há para onde correr.

        PS: O que eu pego bastante, é pedido de ressarcimento e danos morais. Mas isso é o Cliente x Uber, normalmente resolvidos no JEC (Juizado Especial Cível).

    • Minduim

      …que na verdade levou milhares de motoristas do Black a falência, muito tiveram que entregar seus carros e continuam com dívidas…

      Culpa, única e exclusiva, do motorista que quis se apoiar em algo sem garantia nenhuma e se meteu em dividas sem pensar no futuro. Se cadastraram por vontade própria. O Uber NUNCA foi criado para ser um emprego, mas sim uma renda extra pro cara que tinha um carro ocioso.

      • Daniel Santos

        É por aí

    • Pedro Neto Vasconcelos
  • Nildo Oliveira

    Uso de boas sem problema algum, já andei de Civic, Uno, Ecosport é etc tanto faz só queria chegar no meu destino geralmente fico lendo algo no Pocket oh Instapaper…entao dane-se o carro iria até no Fusca Itamar pela nostalgia.
    Queria que o Cabify de certo para a concorrência brigar e no fim a gente ganhar

    • O problema é colocar de 2 a 4 pessoas no carro, ai vc sente o drama de carro pequeno…

  • Um comentarista chato sem nick

    Serviços de fretamento particular sempre existiram, mas nunca a ponto de concorrer com táxis. Os táxistas “estavam cavando a própria cova” graças a sua paralisia, e o Uber resolveu tentar ajudar nisso. No final, o Uber começou a cavar a própria cova.

    O problema do Uber sempre foi o próprio Uber. A ideia (de fretamento particular) poderia ter sido melhor se eles ao invés de ficarem brigando com governos, fossem em cada governo e fizessem um lobby mais inteligente.

    Com a tentativa de legalizar a ilegalidade do Uber “no grito”, “jogando para a torcida” (lembrando de debates em SP onde táxistas e defensores do Uber ficaram se ofendendo…), o Uber foi se provando uma empresa que tentou crescer sem tanto escrúpulo.

    Não nega-se que foi a pioneira na quebra de regras do transporte. Mas também vai ser a pioneira nos problemas morais e políticos sofridos, e na própria quebra da auto-imagem feita. Não torço por ela, mas também em tempos atuais de polarização, também seria injusto eu torcer pelo fim dela. Só espero que as coisas se equilibrem e o que tenha que ocorrer com a empresa, que ocorra.

  • Douglas Ullmann

    Eu fico é bem feliz que a empresa esteja cheia de problemas.
    Dá espaço pra concorrência ganhar espaço e, consequentemente, o público ter mais opções.

  • Diogo Nóbrega

    Belo artigo. Me senti vendo uma reportagem especial do Fantástico ou do Jornal Nacional. uahuahauahua

  • Pedro Neto Vasconcelos

    Inicialmente quase desisti em dar continuidade a leitura do texto por achar meio tendencioso, mas …
    Bem, algumas breves considerações: não procede a afirmação de que “As modalidades econômicas chegam a custar metade do preço do táxi comum…” na verdade é 60% do preço de um taxi. “o Uber chega a ficar com 30% do valor de todas as corridas…”, errado, 25%.
    Algumas verdades: “…a inclusão de motoristas sem critérios rigorosos,…”, sem apresentação de “atestado de antecedentes criminais ao Uber para operar….”.
    A vistoria dos veículos para cadastramento deve ser mandatória. A aceitação de pagamento em espécie foi terrível para segurança dos motoristas e consequentemente dos passageiros.
    Quanto às emendas de projetos em tramitação em algumas Câmaras Municipais, consta somente propostas de obrigações legais em equiparação aos taxis, o que acho justo, mas quanto aos benefícios tais como: Uso compartilhado de faixa exclusiva de ônibus, espaços reservados em vias pública, incentivo de isenção fiscal para aquisição de carros novos etc…
    Com meu carro no “estaleiro” aguardando peças, utilizo os serviços da Uber diariamente há mais de dois meses e em uma escala de um a dez atribuo 9,0 aos serviços.
    Que venham concorrentes uma vez que é extremamente salutar para a melhoria da prestação dos serviços!
    P.S.: Adorei a lucidez incomum e o nível dos comentários postados.

    • Verdade e Justiça

      Pirocada dinâmica no cuzão de vcs vcs não falam mal; kkkkkkkkkk

      • Pedro Neto Vasconcelos

        Verdade, Verdade e Justiça, trata-se de uma lei da economia denominada “Lei da Oferta e Procura” que o aplicativo utiliza de modo transparente e preliminarmente, informando antecipadamente o preço onde cabe ao usuário aceitar ou não. Simples assim! Não seria ético é por exemplo fazer percursos mais longos, utilizar bandeira dois quando não devia, não utilizar o taxímetro quando devia…
        Respeito sua opinião e mormente a polidez quando a expressa! Saudações! Não adianta lutar contra a INOVAÇÃO! Quando alguém decidiu utilizar o automóvel para fazer o transporte de passageiros a mesma “chiadeira” de hoje, dos taxistas, partiu daqueles que até então prestavam os serviço: os Charreteiros. Assim, você diria que foi “sacanagem” dos taxistas para com os charreteiros? rsrsrsrs

      • Pedro Neto Vasconcelos
      • Marcos Guilherme

        “Esse comentário foi apagado.”

  • Nicolas de Souza

    se a gente for ver o que deu de errado em empresas de taxi até hoje ia ter que fazer um blog só pra isso. Só chega na mídia porque o uber é visado. Imagina o tanto de coisas que acontecem diariamente em empresas de taxi

  • Tiago Celestino

    Por incrível que pareça, voltei usar o taxi, usando o 99taxi que ajuda bastante na avaliação dos taxistas. Sim, ainda existem taxistas incompetentes, nada respeitador, mas depois de problemas referentes a cobrança indevidas, só uso o Uber quando algum amigo quer compartilhar uma corrida, do resto, 99taxi.

    • Krosna Terrestre

      99 pop é bom.

  • Verdade e Justiça

    Brasil é o país junto com seu povo que não nasceu para ser pic*, nasceram para ser C*. Qualquer um entra aqui, afronta as leis vigentes, manda e desmanda, compra o judiciário e demais poderes, leva dinheiro pra fora. E o povo??? O POVO APOIA ACHANDO QUE ESTÃO SE DANDO BEM. KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK Pirocada dinâmica no cuzão de vcs depois que o táxi acabar. Povinho lixo

  • Don Pedron

    “no entanto, isso pode ser considerado um desvio ético ou até uma atividade criminosa” <—- desvio ético é uma instituição criminosa e coercitiva como o Estado querer impedir o Uber de oferecer seu serviço aos cidadãos.

  • André Pira

    Eu já esperava por isso. É muita gente mamando no Ubere…😁

  • Lucas Avelino Souza

    Brincadeira, primeiro que a discussão ali, não vi nada de mais. Outra é o Estado querendo controlar completamente as ações das empresas, sendo que o Estado nem ao menos nos representa! O único erro do Uber foi a falta de preparo para essa grande demanda.

  • Lobo Solitário

    Até hoje nunca tive necessidade de usar Uber, e pelo andar da coisa, nem usarei mesmo, ou por causa do perigo ou porque a empresa faliu de vez…