oi_recuperacao_judicial_700

Depois de fechar um acordo com o BNDES no qual poderia ficar 180 dias sem pagamento dos débitos, a operadora de telefonia Oi pediu recuperação judicial nesta segunda-feira (20).

Com R$ 65,4 bilhões em dívidas, este é o maior pedido de recuperação judicial já protocolado no Brasil. Para ter uma ideia do tamanho do buraco, o recorde anterior pertencia à Sete Brasil, empresa de sondas da Petrobras, que em abril requisitou o mesmo processo, mas com cifras que atingiam “apenas” R$ 19,3 bilhões.

De forma simplificada, recuperação judicial é um artifício que possibilita a reestruturação econômica da empresa, dando prioridade a manter os empregados e o pagamentos dos credores, mas protegendo-a de cobranças durante o período requisitado, buscando assim tentar evitar uma eventual falência.

Segundo informações da Folha de S.Paulo, o contrato de suspensão da dívida já tinha sido assinado em maio, mas foi divulgado no começo da semana como parte do processo de renegociação com os credores.

Resta saber como uma operadora de telefonia como a Oi contrai R$ 65,4 bilhões em dívidas. E, num mercado com poucos competidores como o nosso, essa notícia não é boa para ninguém.

Comentários

Envie uma pergunta

Os mais notáveis

Comentários com a maior pontuação

OrdeP 75
Quem vai comprar a Oi? ou ficar com os ativos (clientes e infra)? essa é a questão.
Eriberto Carvalho
O BackBone de internet do brasil entra pelo nordeste sao os cabos submarinos que vem dos EUA para o brasil e olha so pela minha cidade, fortaleza/CE. Resumindo, Sul, Sudeste, Centro-Oeste e Nordeste são otimos para se investir em telecomunicações concordo que tem cidades que realemente não valem, mas o norte o problema dele, e que os governos estaduais e municipais não investiram na acessibilidade do povo e por isso so o setor privado não vai conseguir, as cidades precisam de infraestrutura que o municipio e o estado precisam investir e é algo que apesar de se ter em td canto do brasil, é lá onde se mostra mais forte esse ato! por exemplo moro em caucaia aqui no ceara, região metropolitana de fortaleza, e tenho GVT agora vivo! de 35MB GVT era otima mas agora essa vivo me preoculpa!
Matheus Gonçalves
Exato! Aqui onde eu moro é Comcast ou AT&T... e se vira. Pague caro e torça pra não dar problema. Principalmente na Comcast que o atendimento é uma bosta. E só não é pior pois a FCC dá uma acalmada nos ânimos. Não fosse uma agência regulando, a gente tava numa situação bem pior. É nessas que eu vejo o pessoal pedindo o mercado completamente livre, sem regulação, sem controle, sem nada e fico pensando: em que mundo esse povo vive?
Lucas
1. O resultado de 2015 foi principalmente influenciado pela alta do dólar e a queda do barril de petróleo. A nova gestão conseguiu um EBITDA de 73,9 bi, 25% maior que o de 2014. Longe, muito longe de quebrar. 2. Apesar de privada, a OI foi sim instrumento de políticas públicas, por causa de seu papel estratégico para o desenvolvimento de regiões que são invisíveis para a iniciativa privada. Quando você cita o monopólio de 90% da telefonia fixa, até parece que isso é alguma vantagem. Não é. A operação de telefonia fixa era deficitária. Os negócios com a Brasil Telecom e a PT Telecom de fato foram muito prejudiciais (e são casos de polícia), mas seriam superados se a operação fosse lucrativa, viável. E não era justamente por causa da ultrapassada LGT e dos interesses nacionais. Ademais, em números, quanto a compra da PT Telecom agregou na dívida? E a BrT ? Confesso que não sei, mas já na época da fusão com a PT Telecom, a dívida estava em 30 bi, mesmo com a empresa fazendo desinvestimentos. Eu acho esse setor de importância estratégica para o Brasil e deve ser observado além da ótica de mercado (economicamente viável), mas isso é opinião minha. Quando temos um país de dimensões continentais, com regiões muito desenvolvidas e populosas e outras no extremo oposto, há que se ter um plano nacional de desenvolvimento que coloquem as regiões menos favorecidas nos mapas, e a OI cumpria em partes este papel. Obviamente, isso não é desculpa para aceitar todos os negócios escusos que ocorreram ao longo dos últimos anos e nem pra jogar a LGT no lixo.
erick
É o caso de Goiânia, Anapolis, DF, MT e MS. Bairros afastados só Oi, nada de GVT/Vivo.
erick
Para o mercado e para o consumidor nao seria bom a Oi falir, já que o mercado ficaria na mao de 3 concessionarias (Vivo, TIM e Claro) e diminuiria a concorrencia. E tem muitas pequenas cidades do Norte e Centro Oeste (Mato Grosso, Acre, Rondonia, Roraima, Tocantins) que só tem cobertura da Oi móvel e telefonia fixa da Oi.
Anderson Oliveira
1) que a Petrobras é viável, logico que sim; com o mercado garantido pra ela, o que disse é que a gestão estatal na empresa praticamente a quebrou, só em 2015 o prejuízo foi de 35 bilhões, 2) a Oi tinha muitas obrigações sim, mas o motivo de sua quebra é principalmente pelos negócios que ela fez para atender interesses do governo com o projeto das "empresas campeãs nacionais" a compra da Brasil Telecom e da PT Telecom foram negócios péssimos para o caixa da Oi, que de certa forma a colocaram ela nessa situação. E das campeão nacionais, o grupo do Eike caiu também com dividas bilionárias, agora a Oi, e a JBS apesar de ser lucrativa e outra empresa que tem uma divida gigantesca
Lucas
Não é tão simples assim. A Oi carregou nas costas as obrigações de universalização previstas na Lei Geral de Telecomunicações (LGT), exceto em SP (onde mais se lucra). Teve uma boa dose de má gestão e negócios escusos aí, mas com esse peso fica mais difícil. Quanto à Petrobras, é uma empresa muito viável.
Tulio Reis Assis
Acredito que para conseguirem "se livrar" da linha fixa, o governo vai ter de liberar a cisão da empresa em varias, e deixar a OI vender as operações individualmente "estadualmente". assim poderia ter empresas menores comprando, e assim poderia interessar... nacionalmente acho pouco provavel comprarem a OI Fixo inteira. ou entao alguns dos interessados la dos emirates resolvam pegar a bomba completa. Porem uma empresa que teve prejuizo de 5,3 (ou 5,8) em 2015 nao parece nada saudavel...
Ricardo - Vaz Lobo
O "troço" da OI tá muito mais sujo do que está na imprensa.
Alberto Prado
Talvez isso varie de região pra região. Aqui ela trocou a última milha na maior parte da cidade faz algum tempo. O problemas de instabilidade por ter cabos velhos cessaram. Mas ainda continua entregando menos do que o contratado. Quando eu fiz um curso da cisco, um colega que trabalhou com a Oi disse que os equipamentos eram relativamente novos. O problema mesmo é no gerenciamento. Quem for compra-la tem que fazer um bom levantamento antes e ver a real situação.
Tulio Reis Assis
Creio que o medo da vivo é liberar em são paulo, que e ultra lucrativo pelo tamanho. A vivo e oi tem praticamente o mesmo numero de clientes (percentual), porem a vivo somente no estado de são paulo, e a oi no brasil todo, logo fica mais barato que a para a falida manter uma infra. No caso da oi, ela quer sair de lugares que nao são rentáveis (como distritos, cidades pequenas e outros) que hoje são antedidos por celular, porem e obrigada a atuar com a telefonia fixa, mesmo nao sendo economicamente viável, hoje ela e obrigada a cobrir áreas que nao rentáveis, contra áreas que é rentável porem nao atuante (SP)
Wellington Gabriel de Borba
Justiça seja feita, a rede de dados da Oi é melhorzinha do que a da TIM, diga-se de passagem a única a não ter 3G em Caldas Novas onde as outras já estão implantando 4G (Claro).
Tulio Reis Assis
Sim, para os clientes nao é uma boa, mas se analisar, caso a NET entre em colapso a empresa Claro sairia "ilesa" da situação. Diferente do que esta ocorrendo na OI.... em termos segurança jurídica qual e melhor para um mercado "volátil"
Wellington Gabriel de Borba
E foi por nunca terem fundido efetivamente a Claro com a NET que cancelei meu Combo Multi e voltei o celular para a Vivo. Só tive dor de cabeça com um operadora atendendo em sistemas distintos.
Exibir mais comentários