Notícias Negócios

Meta vai dar adeus à Novi, carteira digital do Facebook que nunca decolou

Originalmente ambicioso, projeto de criptomoeda própria do Facebook foi diminuindo com a pressão de autoridade e a desistência de parceiros

Giovanni Santa Rosa
Por

As melhores ofertas,
sem rabo preso

Talvez você não se lembre, mas há alguns anos, a Meta — então ainda chamada Facebook — revelou seus planos de criar uma criptomoeda própria e integrá-la a suas redes. Não deu certo: após pequenos testes nos EUA e na Guatemala, o piloto da Novi será encerrado em setembro.

Carteira digital Novi terá aplicativo para Android e iOS
Carteira digital Novi, do Facebook/Meta (Imagem: Divulgação / Novi)

Segundo o site do projeto, tanto o aplicativo Novi quanto o Novi no WhatsApp não estarão mais disponíveis a partir de 1º de setembro. Antes disso, em 21 de julho, os usuários não poderão mais adicionar dinheiro a suas carteiras.

A recomendação é que eles saquem o saldo atual o mais rápido possível. O histórico de transações também não estará mais acessível.

Segundo a Meta, a tecnologia de blockchain da Novi não será perdida. A ideia é aproveitar os ativos e aprendizados do projeto na construção do metaverso, o grande foco da companhia no momento.

Criptomoeda do Facebook foi diminuindo

Os planos da Meta para as criptomoedas vieram a público em 2019, quando a empresa ainda era conhecida como Facebook.

Em junho de 2019, depois de muitos rumores, a companhia revelou detalhes do projeto: uma criptomoeda chamada Libra, com lastro em moedas tradicionais. Ela seria usada em um app independente e nos produtos da Meta, como WhatsApp e Messenger.

A ideia era conectar usuários do mundo todo em uma única moeda, possibilitando transferências internacionais praticamente sem custos.

Uma subsidiária chamada Calibra ficaria responsável por criar a carteira digital, que levaria este mesmo nome. E o projeto todo ficaria a cargo de uma associação chamada Libra, que contava com o apoio de grandes empresas, como Visa, Mastercard, PayPal, Uber, Spotify e Mercado Pago.

Ambicioso, né? Os governos também acharam.

Membros da Associação Libra
Associação Libra e alguns dos membros originais do projeto (Imagem: Divulgação / Libra)

Autoridades regulatórias americanas e europeias demonstraram sua preocupação com a empreitada do Facebook. Mark Zuckerberg, CEO e fundador, precisou depor no Congresso dos EUA para explicar que história era aquela.

Pouco a pouco, as empresas parceiras na Associação Libra foram deixando o projeto.

A saída para a Meta foi diminuir as ambições do projeto. Primeiro, abandonar a ideia de uma moeda mundial e abraçar as stablecoins, espelhando o dólar ou o euro, por exemplo.

Para marcar as mudanças, a moeda Libra e a carteira Calibri ganharam novos nomes: Diem e Novi, respectivamente.

O piloto da Novi foi finalmente lançado em outubro de 2021. Ele era bem diferente do original: a criptomoeda Diem não chegou a ser usada, e sim a stablecoin lastreada no dólar USDP. A Coinbase era responsável pela custódia do dinheiro.

Agora, o projeto chega ao fim.

Com informações: Bloomberg, The Verge.

Giovanni Santa Rosa

Giovanni Santa Rosa é formado em jornalismo pela ECA-USP e cobre ciência e tecnologia desde 2012. Foi editor-assistente do Gizmodo Brasil e escreveu para o UOL Tilt e para o Jornal da USP. Cobriu o Snapdragon Tech Summit, em Maui (EUA), o Fórum Internacional de Software Livre, em Porto Alegre (RS), e a Campus Party, em São Paulo (SP). Atualmente, é autor no Tecnoblog.

Mais Populares

Responde

Relacionados

Em destaque