Threads deve ganhar versão web em breve, diz CEO

Rede social baseada em texto aposta em novos recursos para segurar usuários: em um mês, mais de 70% dos cadastrados deixaram de acessar o Threads

Giovanni Santa Rosa
Por
Print do aplicativo Threads com nome da pessoa e foto, entre outros detalhes
Página de perfil no app Threads (Imagem: Thássius Veloso/Tecnoblog)

Pouco a pouco, o Threads vai ficando mais completo. O “Twitter do Instagram”, como foi apelidado, deve ganhar nos próximos dias uma versão web, para que possa ser acessada por computadores e não apenas smartphones. Até agora, no desktop, só é possível visualizar publicações, sem poder interagir por lá.

A Meta confirmou nesta terça-feira (22) que o Threads poderá ser acessado por navegadores. Assim, os usuários poderão visualizar o feed e interagir com postagens.

A liberação será feita ao longo dos próximos dias. Aqui no Tecnoblog, ninguém teve acesso até o momento. Outras funcionalidades serão adicionadas nas próximas semanas, segundo a empresa.

A novidade já havia sido comentada por Adam Mosseri, CEO do Instagram. Na sexta-feira (18), em um post sobre smartphones dobráveis, ele disse que a empresa está perto de lançar a versão web.

Assim, quem prefere usar o computador poderá acessar a nova rede da Meta sem precisar pegar o celular.

Imagem da interface do Threads em anvegador de desktop
Threads na versão web (Imagem: Divulgação/Meta)

Mas não é só isso. Como comenta a Reuters, o suporte a navegadores de desktop pode ajudar marcas, contas corporativas, anunciantes e jornalistas. Os publicitários, aliás, mostraram interesse em usar o Threads logo nos primeiros dias.

A novidade pode ajudar a equiparar o Threads ao X. A rede social anteriormente conhecida como Twitter nasceu na web, em meados dos anos 2000, e só posteriormente migrou para os apps.

Threads chegou com tudo, mas não conseguiu segurar usuários

O Threads foi lançado no início de julho. O movimento foi meio apressado, possivelmente para aproveitar as críticas de usuários ao Twitter sob a gestão de Elon Musk.

Naquela mesma semana, a rede do passarinho azul impôs um limite de visualizações que praticamente inviabilizou seu uso. Era um ótimo momento para colocar um concorrente na praça.

O lançamento foi impressionante: em apenas cinco dias, o Threads ultrapassou a marca de 100 milhões de usuários. Antes disso, o recorde pertencia ao ChatGPT, que levou dois meses para chegar a esse mesmo número de cadastrados.

Obviamente, o Threads não foi criado do nada: ele é conectado ao Instagram, uma das redes sociais mais usadas no mundo. E o Instagram pertence à Meta, uma das empresas mais valiosas do mundo.

As semanas seguintes, porém, mostraram que a realidade seria mais dura que o começo promissor.

Passados 15 dias do lançamento, a queda no número de usuários ativos era de 70%, e o tempo que eles passavam na rede era muito menor.

A rede social está tentando melhorar a usabilidade como forma de segurar as pessoas.

Desde o lançamento, o Threads ganhou um botão dedicado para mencionar contas, compartilhamento de publicações pelas mensagens diretas do Instagram, timeline cronológica sem posts de quem você não segue e outros recursos.

Com informações: Reuters, The Wall Street Journal, The Verge

Atualizado terça-feira (22) às 12h46 com confirmação e imagens oficiais

Receba mais sobre Threads na sua caixa de entrada

* ao se inscrever você aceita a nossa política de privacidade
Newsletter
Giovanni Santa Rosa

Giovanni Santa Rosa

Repórter

Giovanni Santa Rosa é formado em jornalismo pela ECA-USP e cobre ciência e tecnologia desde 2012. Foi editor-assistente do Gizmodo Brasil e escreveu para o UOL Tilt e para o Jornal da USP. Cobriu o Snapdragon Tech Summit, em Maui (EUA), o Fórum Internacional de Software Livre, em Porto Alegre (RS), e a Campus Party, em São Paulo (SP). Atualmente, é autor no Tecnoblog.

Canal Exclusivo

Relacionados