Início / TB Responde / Celular /

eSIM: como funciona o chip virtual de celular e tablet

eSIM permite utilizar planos de celular sem a necessidade de um SIM Card físico; entenda como funciona e quais operadoras são compatíveis com o chip virtual

Por

Há muito tempo que se discute o futuro do SIM Card, aquele chip de operadora que você coloca dentro do celular. Existe uma alternativa para um futuro sem chips, ou melhor, sem chips removíveis: o eSIM é um padrão consolidado que já está disponível nas operadoras brasileiras. Descubra como o chip virtual funciona, quais empresas utilizam e suas vantagens e desvantagens.

O porquê dos chips virtuais

O chip é primordial para a conexão do dispositivo com a operadora: entre menus, espaço para contatos e mecanismos de segurança está o IMSI (International Mobile Subscriber Identity), uma identidade que contém as informações necessárias para que o celular funcione com o seu número, com o seu plano e para que ele se conecte à rede de telefonia.

É uma das principais vantagens do padrão GSM, porque facilita a troca entre um aparelho e outro: ao comprar um novo celular, basta colocar o chip; seu número e plano já estarão prontos para uso.

A cada ano, as fabricantes de smartphones precisam de mais espaço no celular para colocar componentes como sensores, processadores e mais bateria. O chip removível ocupa bastante espaço, mas era obrigatório para o funcionamento do celular. Além disso, o tamanho do SIM Card e todo o mecanismo para inseri-lo é uma barreira para adicionar conectividade a dispositivos menores, como relógios e módulos de comunicação para a Internet das Coisas.

A grande verdade é que o chip físico não deve sumir tão cedo, mas o cartão virtual está se popularizando cada vez mais. No final das contas, o eSIM nada mais é do que uma espécie de SIM Card embutido no dispositivo e que não poderá ser trocado com facilidade.

Quais celulares têm suporte a eSIM?

Por ser uma tecnologia relativamente nova no mercado de consumo, o eSIM ainda está restrito a alguns dispositivos. Os primeiros smartphones de uma grande fabricante a embarcar com uma solução de eSIM são o iPhone XR, XS e XS Max, que também possuem a bandeja para um SIM Card convencional.

A Apple adotou o eSIM de forma ampla, e o chip virtual pode ser ativado nos seguintes dispositivos:

  • iPhone XR ou superior
  • iPhone SE 2 (2020)
  • iPad Pro de 11 polegadas da 1ª geração ou superior
  • iPad Pro de 12,9 polegadas da 3ª geração ou superior
  • iPad Air de 3ª geração ou superior
  • iPad de 7ª geração ou superior
  • iPad Mini de 5ª geração ou superior

O eSIM também está disponível em smartphones mais caros da Samsung, como a linha Galaxy S20 ou superior, Z Flip, Z Fold ou Note 20, além de modelos selecionados da Motorola e Google Pixel. O ideal é conferir o manual ou a ficha técnica do seu dispositivo para verificar se ele possui suporte ao chip virtual.

Como ativar um eSIM no iPhone

É possível configurar o eSIM de duas maneiras: através de um aplicativo, ou inserindo informações fornecidas pela operadora.

A forma mais popular nas operadoras brasileiras exige o escaneamento de um QR Code. Para isso, vá em Ajustes, depois Celular e toque na opção Adicionar Plano Celular.

A operadora também pode fornecer o chip virtual através do SM-DP+. Nesse caso, é necessário digitar manualmente o endereço junto com o código de ativação e um código de confirmação, quando aplicável.

O SM-DP+ é um padrão estabelecido pela GSMA que adiciona ao eSIM as informações do IMSI, que é exatamente a mesma identidade presente nos SIM Cards convencionais. Feito isso, o dispositivo já provisiona a linha da operadora e permite ao cliente utilizar o serviço.

Além dos dois modos citados, é possível ativar um eSIM através de aplicativos de operadoras. No entanto, nenhuma tele brasileira adotou esse padrão.

Vantagens e desvantagens do eSIM

O eSIM pode parecer uma tecnologia ingrata ao olhar pela primeira vez: a flexibilidade de trocar de operadora a qualquer momento é uma das maiores vantagens do SIM Card convencional. No entanto, existem algumas vantagens que podem se sobressair:

  • a tecnologia permite contratar planos e mudanças de operadoras diretamente no dispositivo, sem a necessidade de se dirigir a uma loja ou comprar um chip pela internet;
  • durante viagens internacionais, será possível contratar planos de uma operadora local, evitando tarifas caras de roaming;
  • caso você tenha seu celular perdido ou roubado, outra pessoa não conseguirá remover o chip para inibir o localizador.

Para quem tem iPhone, outra vantagem do eSIM é a possibilidade de usar duas linhas no mesmo aparelho, sendo uma no chip físico e a outra no eSIM. Quem tem um iPhone 13 ou superior consegue usar dois eSIMs ao mesmo tempo.

Quais operadoras já usam o eSIM no iPhone?

Mesmo com alguns anos de idade, o eSIM ainda não é um padrão difundido. Mas a boa notícia é que as principais operadoras brasileiras têm suporte ao chip virtual. São elas:

  • Claro
  • TIM
  • Vivo
  • Correios Celular

Para conseguir um eSIM, é necessário verificar o procedimento com cada operadora. Clientes da Vivo conseguem receber QR Code de forma remota através do atendimento das lojas via WhatsApp, mas TIM e Vivo exigem a presença física num ponto de vendas.

Como encontrar um eSIM para viagens internacionais

Se você possui um smartphone ou tablet compatível com eSIM e pretende viajar para o exterior, trago uma boa notícia: é possível contratar um chip virtual para usar internet móvel no destino.

Existem dezenas de operadoras de eSIM, como Truphone, Ubigi, GigSky e KnowRoaming. Cada empresa tem seus respectivos planos e cobertura. A melhor forma de encontrar eSIMs para o seu destino é através do site esimdb.com, que reúne os preços e pacotes de diversas operadoras de eSIM em cada região.

Se você vai para os Estados Unidos e tem um iPhone também contratar um plano pré-pago da operadora T-Mobile para usar no território norteamericano. A compra deve ser feito no app T-Mobile Prepaid eSIM, disponível na App Store.

Atualizado em 12/11/2021.