Google faz mistério sobre chegada do Bard ao Brasil

Rival do ChatGPT ficou em segundo plano no evento Google for Brasil 2023. IA generativa é o principal assunto do mercado de tecnologia nos últimos tempos.

Thássius Veloso
Por
Homem de terno e gravata gesticula com as mãos diante de um telão com prints de ferramentas do Google
Fabio Coelho é presidente do Google no Brasil (Imagem: Thássius Veloso/Tecnoblog)

O Google realizou nesta semana um grande evento em São Paulo que já se tornou tradição no calendário de quem é apaixonado por tecnologia. No Google for Brasil, a empresa apresentou novidades para o mercado nacional. Só ficou faltando falar do Bard, o mais interessante lançamento em escala global dos últimos tempos. Por mais controverso que possa parecer, o sistema de inteligência artificial rival do ChatGPT desapareceu em meio a outros anúncios.

Todo mundo sabe que o gigante das buscas teve de se mexer diante da concorrência imposta pela OpenAI, que rapidamente conquistou interesse do público e chegou a 100 milhões de usuários no planeta. Quem está se beneficiando disso é a Microsoft com o Bing. Quando poderemos, portanto, utilizar o Bard no Brasil? Ninguém sabe. Os executivos do Google não esclareceram a dúvida durante o evento.

Impacto na indústria de notícias

O presidente do Google no Brasil, Fabio Coelho, tangenciou o assunto quando perguntado sobre o impacto da inteligência artificial generativa na indústria de notícias. Ele defendeu o diálogo com a imprensa para entender como o conteúdo jornalístico será disponibilizado na plataforma.

Aqui não custa lembrar: a busca do Google com auxílio do Bard propõe “respostas” individuais escritas pela IA com base no conteúdo catalogado da internet. São exibidos cards com a fonte da informação. Ainda assim, existe dúvida entre os publishers – os responsáveis pelo conteúdo – se os usuários vão clicar para ler a matéria completa uma vez que a IA já entrega tudo de mão beijada.

Coelho citou as parcerias que o Google mantém com 160 empresas jornalísticas no país. “Essa relação funciona a partir do entendimento de que a gente não pode criar tecnologias que prejudiquem nossos parceiros”, disse aos repórteres presentes no evento, na última terça-feira (27). O Google não fornece detalhes, por exemplo, sobre os pagamentos destinados a cada parceiro nesta área de notícias.

Demonstração do Bard em funcionamento (Imagem: Divulgação/Google)
Demonstração do Bard em funcionamento (Imagem: Divulgação/Google)

PL de Fake News

A disponibilização de conteúdo jornalístico pode ser um dos entraves para a chegada do Bard ao Brasil. Em discussão na Câmara dos Deputados, o Projeto de Lei 2630/2020 – também chamado de PL das Fake News – prevê que as plataformas digitais sejam obrigadas a pagar para exibir conteúdo jornalístico. Caso entre em vigor, a medida deve afetar principalmente os dois grandes impérios da internet ocidental: o próprio Google e a Meta, dona de redes como Instagram e Facebook.

Talvez este seja o motivo do “sumiço” do Bard no grande evento do Google. O Google o classifica como um “experimento”, que foi revelado ao mundo em fevereiro e está em testes públicos desde março. Recentemente começou a funcionar em quase 200 países, mas não por aqui.

ChatGPT no celular (imagem: Emerson Alecrim/Tecnoblog)
ChatGPT no celular (imagem: Emerson Alecrim/Tecnoblog)

Coelho também foi consultado sobre as alucinações em sistemas de IA generativa. O executivo defendeu uma postura cautelosa. “Acreditamos que não dá para resolver este problema, mas é possível minimizá-lo significativamente, uma vez que possuímos uma base de dados maior do que a de qualquer outra empresa”, afirmou o presidente do Google no Brasil.

“Não será perfeito, mas será muito bom.” Só faltou dizer a data. Estamos todos curiosos para brincar com a ferramenta.

Relacionados