Tecnoblog
Início » Telecomunicações » O que é 5G?

O que é 5G?

Entenda o que é 5G, a nova geração de redes móveis que promete altas velocidades e é essencial para a Internet das Coisas

A próxima geração das redes móveis de internet começou a dar seus primeiros passos, ainda que de forma bastante limitada e apenas em alguns países do mundo. Porém, ao contrário do que muita gente pensa, o 5G não está chegando para permitir você baixar um filme no seu celular em segundos. Descubra o que é 5G e para o que ele serve.

O que é 5G?

O 5G é a quinta geração das redes móveis, que vem sendo desenvolvida desde os anos 2000, para ser a sucessora da rede 4G. Ela promete maiores velocidades de conexão e download de dados, entre 600 Mb/s a até 2 Gb/s. Após vários anos de desenvolvimento e especulações, entrou em operação em 2019, ainda que de forma bastante limitada.

Velocidade, latência e cobertura

O 5G, em teoria, é mais veloz do que o atual 4G. As velocidades máxima e média aumentaram consideravelmente desde o 2G, a primeira rede digital, lançada nos anos 1990 (a rede 1G era analógica). É importante notar que o 4G ainda vem sendo aperfeiçoado e pode vir a atingir velocidades maiores do que as apresentadas hoje.

2G 3G 3G HSPA+ 4G 4G LTE-A 5G
Velocidade máxima 0,3 Mb/s 7,2 Mb/s 42 Mb/s 150 Mb/s de 300 Mb/s a 1 Gb/ss de 1 Gb/s a 10 Gb/s
Média de velocidade 0,1 Mb/s 1,5 Mb/s 5 Mb/s 10 Mb/s de 15 Mb/s a 50Mb/s a partir de 50 Mb/s

A latência, por sua vez mede o tempo que leva entre um comando executado por você em seu aparelho até ele ser enviado pela rede e executado. Usando um jogo online como Fortnite, seria o tempo entre você tocar na tela e o personagem realizar a função correspondente na partida. Além do benefício para jogos, uma menor latência é importante, por exemplo, para gerenciar veículos autônomos ou para operar IoT e robôs remotamente em tarefas complexas, como cirurgias. O 4G hoje tem uma latência média de 50 milissegundos, enquanto o 5G promete algo em torno de 5 ms.

Por fim, a cobertura. Tomando o Brasil como exemplo, o 4G está presente em mais de 90% dos municípios e o sinal é suficientemente forte para celulares. Em contrapartida, o 5G possui uma área de cobertura menor. Hoje, uma antena cobre menos que um quarteirão. O sinal geralmente opera em ondas milimétricas de baixa penetração, que podem ser facilmente barradas por uma simples porta de vidro. As operadoras deverão investir, instalando mais antenas e estudar meios para aumentar a eficiência do sinal.

Onde já tem 5G?

Os primeiros países a operarem redes 5G são:

  • Coreia do Sul
  • Estados Unidos
  • China
  • Suíça
  • Reino Unido
  • Espanha

O Japão divide atenção do 5G com a organização dos Jogos Olímpicos de 2020 (Tóquio).

Para que o 5G serve?

Muita gente pensa que a meta do 5G é oferecer uma maior velocidade de conexão de dados para celulares. Mas, sendo sincero, a grande maioria não fará grande uso e nem terá condição de pagar por planos 5G de 2 Gb/s, que no início serão bem caros. A velocidade é muito grande para o usuário médio e as redes acabariam subutilizadas.

A verdade é que o 5G está sendo projetado para a realidade da Internet das Coisas. Hoje, temos cada vez mais dispositivos inteligentes conectados à internet, de geladeiras e microondas, de smartwatches a vestíveis. Mas, o que é Internet das Coisas?

Enquanto a maioria desses aparelhos usam hoje a rede doméstica, com o passar dos anos, novos dispositivos poderão se beneficiar ao estarem conectados à internet o tempo todo. Como carros, semáforos, servidores de órgãos públicos, sensores especializados, equipamentos médicos, drones, equipamentos para funções especializadas, sistemas de segurança e até mesmo residências e edifícios inteiros, que poderiam contar com sensores capazes de analisar a informar condições estruturais.

O 4G não foi projetado para o crescente número de aparelhos compatíveis com a Internet das Coisas, que crescem exponencialmente e, segundo estimativas, podem se tornar bilhões, trilhões nos próximos anos. Assim, o 5G seria uma rede de transição para suportar tais dispositivos, que precisam enviar e receber dados o tempo todo.

E, por quê transição? Porque a evolução natural desse cenário leva às cidades inteligentes: pense em municípios totalmente conectados, em todos os aspectos de nossas vidas. Agora, amplie isso para províncias, estados, países, continentes inteiros.

O 5G seria o primeiro passo para dar suporte à integração e crescimento da IoT, preparando o terreno para o 6G, que embora só deva chegar em torno dos anos 2030, estudiosos prevêem que deverá fornecer velocidades de conexão em torno de 1 Tb/s.

Quando o 5G chega no Brasil?

O 5G ainda está dando seus primeiros passos, mesmo em países desenvolvidos e enfrentando diversos problemas de implementação e qualidade do sinal; sem mencionar que os preços dos planos são bem caros, nada acessíveis à grande parte da população. Levará um bom tempo para que a tecnologia se torne mais popular.

Já o Brasil, deve demorar um bocado para ter acesso ao 5G: o primeiro leilão de frequências pode ocorrer ainda em 2020 ou, na pior das hipóteses, apenas em 2021, isso se ele não for adiado mais vezes. Por enquanto, tivemos apenas alguns testes.

Comentários da Comunidade

Participe da discussão

Os mais notáveis

Comentários com a maior pontuação